Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Cerrados - Nova Fronteira para o Dendê

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


03/03/2016

Cerrados - Nova Fronteira para o Dendê

Fonte da foto: G1
     O famoso dendê - palma de óleo - mais conhecido pelo seu uso como tempero na culinária baiana é o fruto do dendezeiro, uma palmeira que pode chegar até 15 metros de altura e que na realidade serve para a produção de dois (2) tipos de óleo: o palmiste, extraído da amêndoa e o de palma, extraído da polpa. O primeiro serve de base para a produção de cosméticos, sabonetes, sabão em pó, detergentes e amaciantes biodegradáveis, lubrificantes, cosméticos, velas, produtos sanitários e farmacêuticos. Já o segundo é matéria-prima para fabricação de vários produtos do ramo alimentício, como margarinas, gorduras vegetais, pães, bolos, tortas, sorvetes, barras de chocolate, biscoitos finos e cremes, assim como óleos de cozinha.  

    A palma de óleo é um cultivo perene, com ciclo econômico de 25 a 30 anos, iniciando sua produção comercial a partir dos três anos após o plantio. Segundo Edson Barcelos, Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) a produção do óleo é distribuída ao longo do ano, entretanto, com piques de produção acentuados em determinadas épocas do ano, condição esta que praticamente se normaliza, quando é cultivado sob irrigação, além de apresentar excelente resposta, com o aumento da produtividade, com perspectivas de superar sete (7) toneladas de óleo/ha/ano, para os cerrados e perímetros irrigados brasileiros*. 
Os fatores climáticos de maior importância para o cultivo do dendezeiro são: chuva, horas de brilho solar e temperaturas máxima e mínima, o que excluía a plantação em áreas como o Cerrado, devido aos períodos de seca forte. Mas, na verdade, essa constatação pode ser revertida quando se pensa em irrigação.

  Criado pela Embrapa Cerrados o projeto "Fontes alternativas potenciais de matérias-primas para produção de agroenergia" mostra que em áreas de altitude elevada, temperatura e umidades baixas e sem condições hídricas é possível produzir dendê. Segundo o Pesquisador da Embrapa, Jorge Cézar dos Anjos Antonini, o clima do cerrado é na maior parte do ano favorável ao cultivo do dendê, já as condições hídricas não contribuem para o plantio**. Mas, tal obstáculo pode e vem sendo superado com a utilização da tecnologia de irrigação.

    Para conduzir o dendê no pobre solo do cerrado, além da irrigação, os pesquisadores fizeram a correção do solo com calcário e uma boa adubação, principalmente com fósforo. 

    Os impactos negativos do uso desenfreado de combustíveis fósseis motivaram pesquisas que buscassem a diversificação da matriz energética. Uma delas é o uso da biomassa para a produção de biocombustíveis, que podem ter suas matérias-primas extraídas de gorduras animais e óleo vegetal, sendo uma das alternativas o dendê. De acordo com Antonini, a palma de óleo se destaca pelo baixo custo de produção, pela alta produtividade de óleo e por ser excelente matéria-prima, tanto para a produção de alimento como de energia.

    Se a cultura do dendê abriu portas para a utilização de seu óleo para produção do biodiesel, muitos outros estudos e pesquisas precisam ser concluídos, já que o Brasil ainda continua sendo um país insuficiente na produção dos óleos. Ainda importamos tais óleos de países como Indonésia, Malásia, Colômbia e Equador. Segundo estatísticas do portal de dados Index Mundi, o Brasil importa cerca de 225.000 toneladas de óleo de palma e 185.000 toneladas de óleo de palmiste. Para que o país seja capaz de suprir a demanda necessária a fim de conquistar a autossuficiência seria preciso plantar, além das 212.000 hectares já existentes, cerca de 80.000 ha para a produção de óleo de palma e 540.000 ha para o óleo de palmiste.

     A insuficiência da produção prejudica setores como o econômico e o de geração de empregos. Se pensarmos em perdas de divisas, temos que a estimativa dos valores das importações dos óleos com custo no Brasil é de aproximadamente US$ 120 milhões para o óleo de palma e o de palmiste chegaria à casa de US$ 215 milhões, totalizando US$ 335 milhões gastos com importações. Inspecionando-se os dados da balança comercial de óleo de palma e palmiste, entre 2004 e 2011 verifica-se que o balanço apresenta sistematicamente um saldo negativo, representando uma evasão de divisas de US$ 635 milhões nesse período***. Levando em consideração o número de empregos gerados direta ou indiretamente para a produção do óleo de palma e palmiste temos um número de 63.400 empregos no setor. Com a expansão da área para se atingir a autossuficiência poderíamos chegar à faixa de 100 a 200 mil novos empregos, uma vez que empreendimentos modernos absorvem um emprego direto e dois indiretos a cada 10 hectares plantados. 

     Vale ressaltar que estas estimativas foram feitas apenas para a demanda atual, ou seja, para a produção de alimentos (90%) e cosméticos (10%). Para Antonini, a demanda é muito maior quando se considera a utilização dos óleos do dendê para a produção de biodiesel. “Estima-se que para 2020 a demanda por óleo vegetal necessária para cumprir a meta do B20 (mistura de 20% de biodiesel ao diesel fóssil) seja, de aproximadamente, 10.000.000 de toneladas”, afirma o pesquisador.
Assim, com irrigação, o Cerrado abre uma nova fronteira para o dendê e a agroindústria nacional.




* Artigo sobre a oficina 7 do XXV Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem (CONIRD): "Dendê/palma de óleo irrigada: alta produtividade e oferta regular de óleo para biodiesel próximo aos centros consumidores" publicado na revista Irrigação e Tecnologia Moderna (ITEM). Disponível em: http://www.abid.org.br/arquivo/revista/revista_pdf/item%20106.pdf

** Matéria do site O Popular: "Dendê tem alto desempenho no Cerrado". Disponível em: http://www.opopular.com.br/editorias/economia/dend%C3%AA-tem-alto-desempenho-no-cerrado-1.728354

*** Fonte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), publicada na tese de doutorado de autoria de Alberto Arruda Villela: "Expansão da palma na Amazônia Oriental para fins energéticos". Disponível em: http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/alberto_villela_dout.pdf


Fonte: Mariana Barbosa e Sayonara Ribeiro - Polo de Excelência em Florestas



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/09/2018 às 22:53

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1195 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey