Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/07/2011

Brasil perde US$ 7 bi de investimentos em papel e celulose

Moçambique, por seu lado, deve receber US$ 2,3 bilhões em aportes até 2025.

As mudanças das regras relacionadas à venda de terras a estrangeiros, impostas pelo parecer da Advocacia Geral da União (AGU), têm freado os investimentos na área de plantio de florestas para o setor de papel e celulose. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), Elizabeth de Carvalhaes, já foram represados cerca de US$ 7 bilhões em recursos que poderiam ter sido colocados no País para essa atividade.
 
A suspensão dos planos da europeia Portucel Soporcel em investir R$ 4,8 bilhões no Mato Grosso do Sul é apenas mais um caso de dificuldade que foi criado com a mudança na legislação brasileira.
 
"Este é um problema sério e grave, temos trabalhado com o governo para chegarmos a uma solução o mais rápido possível", afirmou a representante do setor. Embora entenda a motivação do governo e da AGU, de preservar o território brasileiro, Elizabeth lembra que a aquisição de terras para plantação de florestas "é um negócio de companhias nacionais de capital misto que estão no País, possuem CNPJ e pagam tributos". 
 
Reflexo dessa percepção está na forma como a Portucel avaliou os investimentos no Brasil. Apesar de ter assinado, no segundo trimestre do ano passado, um protocolo com o Governo do Mato Grosso do Sul, em março deste ano a companhia fez novas análises de opções, tanto no Brasil como em outros países, como Uruguai, Angola e Moçambique. E decidiu pelo investimento nesta última região. 
 
Moçambique, assim, deve receber US$ 2,3 bilhões em aportes até 2025. Mesmo com tudo isso, o Brasil tende a fechar o ano com uma produção de 14,8 milhões de toneladas de celulose. Se este número se confirmar, será um crescimento de 6% sobre os 14 milhões de toneladas do ano passado, estimou a presidente da entidade que representa a indústria de celulose e papel.
 
O planejamento do setor, porém, aponta um incremento maior da produção da commodity.
 

De acordo com a executiva, nos próximos oito anos o País deverá elevar sua produção para algo entre 20 e 22 milhões de toneladas de celulose, e dessa forma ultrapassar o volume que é produzido pela China.  


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/03/2019 às 16:57

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1499 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey