Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/05/2009

Brasil Eleva em 139% a Exportação de Celulose

As exportações brasileiras de celulose recuperaram o fôlego em abril, subindo 43,4% em relação a março. O volume de 766 mil toneladas ficou 139,4% acima do registrado no quarto mês de 2008, quando chegou a 320 mil toneladas. No acumulado do quadrimestre, as vendas externas ficaram 32,2% maiores em 2009 que o resultado obtido em igual período do ano passado, acumulando 2,57 milhões de toneladas, ante as 1,9 milhões de 2009, de acordo com dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

As exportações brasileiras de celulose recuperaram o fôlego em abril, subindo 43,4% em relação a março. O volume de 766 mil toneladas ficou 139,4% acima do registrado no quarto mês de 2008, quando chegou a 320 mil toneladas. No acumulado do quadrimestre, as vendas externas ficaram 32,2% maiores em 2009 que o resultado obtido em igual período do ano passado, acumulando 2,57 milhões de toneladas, ante as 1,9 milhões de 2009, de acordo com dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

As vendas estão sendo puxadas principalmente pelo aumento da demanda da China, que sozinha, elevou suas compras em 68,5% nos primeiros quatro meses deste ano em comparação a igual período de 2008, totalizando 332 mil toneladas adquiridas. "Achamos que a China está se estocando, aproveitando que hoje os preços estão mais baixos que no ano passado", diz a presidente executiva da Bracelpa, Elizabeth de Carvalhaes. Com esse aumento de compras, a China, que era o terceiro maior mercado para a celulose brasileira, atrás de Estados Unidos e União Europeia, assumem o primeiro lugar.

Esse aumento nas vendas, entretanto, pode acabar sendo brecado por algumas questões cruciais para o setor, entre elas a alta do custo do seguro para as cargas. De acordo com Elizabeth, o seguro é muito importante, principalmente para um setor predominantemente exportador. "Mas com a crise e o aumento dos riscos muitas seguradoras estão deixando de aceitar as cargas de celulose", diz.

O diretor executivo de seguros gerais da Mapfre Seguradora, Artur Santos, afirma que há quatro meses os roubos de cargas aumentam significativamente e as companhias do setor estão mais restritivas mesmo, especialmente com mercadorias visadas como eletrônicos medicamentos e celulose e papel. "As seguradoras enfrentam um aumento do número de sinistros exatamente quando têm queda das receitas, por isso ficaram mais rigorosas", afirma. Desde março a Mapfre vem reduzindo sua carteira na área de transporte, mas, segundo o executivo, há empresas do setor que já deixaram de atender o segmento. Santos informa que o risco do transporte dentro do Brasil é ainda maior do que em um navio. "O número de roubos de carga cresce consideravelmente e ninguém vai querer correr esse risco.

Vai ser o caos", acrescenta.

Em função destas dificuldades, a Bracelpa tem negociado com o governo linhas especial de crédito para garantir o seguro das mercadorias. Além dos riscos de roubo, os exportadores começam a ficar seriamente preocupados com o câmbio. A queda do dólar reduz não só a competitividade do Brasil como a receita das empresas, que cobram por seu produto na moeda norte-americana. "Com custos altos e dólar derrubando as receitas, as margens destas empresas ficam cada vez mais estreitas", diz o gerente sênior da PricewaterhouseCoopers (PwC), Bruno Porto, especialista em papel e celulose.

Preços

O mercado de celulose já registra uma recuperação de preços nos últimos meses, especialmente para a Ásia. A média, que ficava entre US$ 390 a US$ 400 por tonelada em março, subiu para US$ 400 a US$ 410 por tonelada em abril, conforme levantamento feito pela consultoria RISI, especializada em papel e celulose. O valores, porém, são em média quase 44% menores que os registrados em maio do último ano. "Está se vendendo mais, mas com receitas menores, o que impacta diretamente os resultados e, consequentemente, os investimentos do setor, estimados em quase US$ 20 bilhões em cinco anos e meio, e que foram postergados", diz Elizabeth. A queda do dólar pode pressionar ainda mais os exportadores de celulose.

A produção de celulose em abril ficou em 916 mil toneladas, com alta de 5,4% em relação a março, porém, ainda acumula uma queda de 9% em relação ao mesmo mês do ano passado. No acumulado de janeiro a abril, a produção também registra baixa de 8,5%, atingindo 3,8 milhões de toneladas, ante as 4,2 milhões do último ano. Atualmente, a celulose responde por 17,3% da Balança Comercial Brasileira, mas em 2008 essa participação chegou a 25,7%.

Enquanto a celulose começa a se recuperar, o papel registra baixas importantes. A produção de papel encerrou o primeiro quadrimestre em baixa de 4,6% em relação ao mesmo período de 2008, totalizando 2,8 milhões de toneladas, ante os 3 milhões do ano anterior. Em abril, a produção de papel caiu 3,5% em relação a março e 4,2% em comparado a abril de 2008, ficando em 723 toneladas. O consumo aparente em abril foi 2% menor que março e 11,6% abaixo de abril de 2008. No acumulado, o consumo chegou a 2,5 milhões de toneladas, volume 7,2% menor que os 2,77 milhões registrados entre janeiro e abril de 2008.

"Papéis caíram muito em janeiro, cerca de 30%, somando todas as categorias. Agora há uma reação, mas ainda é difícil de fazer previsões", diz Elizabeth. Alguns segmentos como papel cartão - utilizado na embalagem de produtos como higiene, limpeza e medicamentos - tiveram alguma reação, como a alta de 44% da produção em março em relação a fevereiro. Porém, em abril voltou a cair 27% em relação a março e 43% em relação a abril de 2008.




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/03/2019 às 16:57

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3871 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey