Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Brasil Eleva em 139% a Exportação de Celulose

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/05/2009

Brasil Eleva em 139% a Exportação de Celulose

As exportações brasileiras de celulose recuperaram o fôlego em abril, subindo 43,4% em relação a março. O volume de 766 mil toneladas ficou 139,4% acima do registrado no quarto mês de 2008, quando chegou a 320 mil toneladas. No acumulado do quadrimestre, as vendas externas ficaram 32,2% maiores em 2009 que o resultado obtido em igual período do ano passado, acumulando 2,57 milhões de toneladas, ante as 1,9 milhões de 2009, de acordo com dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

As exportações brasileiras de celulose recuperaram o fôlego em abril, subindo 43,4% em relação a março. O volume de 766 mil toneladas ficou 139,4% acima do registrado no quarto mês de 2008, quando chegou a 320 mil toneladas. No acumulado do quadrimestre, as vendas externas ficaram 32,2% maiores em 2009 que o resultado obtido em igual período do ano passado, acumulando 2,57 milhões de toneladas, ante as 1,9 milhões de 2009, de acordo com dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

As vendas estão sendo puxadas principalmente pelo aumento da demanda da China, que sozinha, elevou suas compras em 68,5% nos primeiros quatro meses deste ano em comparação a igual período de 2008, totalizando 332 mil toneladas adquiridas. "Achamos que a China está se estocando, aproveitando que hoje os preços estão mais baixos que no ano passado", diz a presidente executiva da Bracelpa, Elizabeth de Carvalhaes. Com esse aumento de compras, a China, que era o terceiro maior mercado para a celulose brasileira, atrás de Estados Unidos e União Europeia, assumem o primeiro lugar.

Esse aumento nas vendas, entretanto, pode acabar sendo brecado por algumas questões cruciais para o setor, entre elas a alta do custo do seguro para as cargas. De acordo com Elizabeth, o seguro é muito importante, principalmente para um setor predominantemente exportador. "Mas com a crise e o aumento dos riscos muitas seguradoras estão deixando de aceitar as cargas de celulose", diz.

O diretor executivo de seguros gerais da Mapfre Seguradora, Artur Santos, afirma que há quatro meses os roubos de cargas aumentam significativamente e as companhias do setor estão mais restritivas mesmo, especialmente com mercadorias visadas como eletrônicos medicamentos e celulose e papel. "As seguradoras enfrentam um aumento do número de sinistros exatamente quando têm queda das receitas, por isso ficaram mais rigorosas", afirma. Desde março a Mapfre vem reduzindo sua carteira na área de transporte, mas, segundo o executivo, há empresas do setor que já deixaram de atender o segmento. Santos informa que o risco do transporte dentro do Brasil é ainda maior do que em um navio. "O número de roubos de carga cresce consideravelmente e ninguém vai querer correr esse risco.

Vai ser o caos", acrescenta.

Em função destas dificuldades, a Bracelpa tem negociado com o governo linhas especial de crédito para garantir o seguro das mercadorias. Além dos riscos de roubo, os exportadores começam a ficar seriamente preocupados com o câmbio. A queda do dólar reduz não só a competitividade do Brasil como a receita das empresas, que cobram por seu produto na moeda norte-americana. "Com custos altos e dólar derrubando as receitas, as margens destas empresas ficam cada vez mais estreitas", diz o gerente sênior da PricewaterhouseCoopers (PwC), Bruno Porto, especialista em papel e celulose.

Preços

O mercado de celulose já registra uma recuperação de preços nos últimos meses, especialmente para a Ásia. A média, que ficava entre US$ 390 a US$ 400 por tonelada em março, subiu para US$ 400 a US$ 410 por tonelada em abril, conforme levantamento feito pela consultoria RISI, especializada em papel e celulose. O valores, porém, são em média quase 44% menores que os registrados em maio do último ano. "Está se vendendo mais, mas com receitas menores, o que impacta diretamente os resultados e, consequentemente, os investimentos do setor, estimados em quase US$ 20 bilhões em cinco anos e meio, e que foram postergados", diz Elizabeth. A queda do dólar pode pressionar ainda mais os exportadores de celulose.

A produção de celulose em abril ficou em 916 mil toneladas, com alta de 5,4% em relação a março, porém, ainda acumula uma queda de 9% em relação ao mesmo mês do ano passado. No acumulado de janeiro a abril, a produção também registra baixa de 8,5%, atingindo 3,8 milhões de toneladas, ante as 4,2 milhões do último ano. Atualmente, a celulose responde por 17,3% da Balança Comercial Brasileira, mas em 2008 essa participação chegou a 25,7%.

Enquanto a celulose começa a se recuperar, o papel registra baixas importantes. A produção de papel encerrou o primeiro quadrimestre em baixa de 4,6% em relação ao mesmo período de 2008, totalizando 2,8 milhões de toneladas, ante os 3 milhões do ano anterior. Em abril, a produção de papel caiu 3,5% em relação a março e 4,2% em comparado a abril de 2008, ficando em 723 toneladas. O consumo aparente em abril foi 2% menor que março e 11,6% abaixo de abril de 2008. No acumulado, o consumo chegou a 2,5 milhões de toneladas, volume 7,2% menor que os 2,77 milhões registrados entre janeiro e abril de 2008.

"Papéis caíram muito em janeiro, cerca de 30%, somando todas as categorias. Agora há uma reação, mas ainda é difícil de fazer previsões", diz Elizabeth. Alguns segmentos como papel cartão - utilizado na embalagem de produtos como higiene, limpeza e medicamentos - tiveram alguma reação, como a alta de 44% da produção em março em relação a fevereiro. Porém, em abril voltou a cair 27% em relação a março e 43% em relação a abril de 2008.




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/05/2019 às 14:55

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3915 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey