Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


23/03/2011

BNDES aprova R$ 9,3 milhões para sustentabilidade ambiental no Pará

Projeto faz parte do Fundo Amazônia.

O BNDES aprovou, no âmbito do Fundo Amazônia, apoio financeiro no valor de R$ 9,3 milhões à Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE) para o desenvolvimento do projeto Fundo Dema - Uso Sustentável na Amazônia Paraense. 

O objetivo é apoiar projetos socioambientais de pequeno valor, tendo como beneficiárias comunidades tradicionais da Amazônia (pequenos produtores, quilombolas e indígenas), localizadas no Estado do Pará, com foco na área de influência das rodovias Transamazônica e BR-163 e na região do Baixo Amazonas. 

Com o apoio à FASE, a carteira do Fundo Amazônia, administrado pelo BNDES, passa a contar com 14 projetos aprovados, no valor total de R$ 200 milhões.

A operação contempla o lançamento, durante três anos, de oito chamadas públicas de seleção de projetos. Destas, três chamadas serão referentes a projetos socioambientais; duas voltadas para comunidades indígenas do Xingu; e três para comunidades quilombolas. Os projetos a serem selecionados e apoiados a partir dessas chamadas públicas serão enquadrados em pelo menos uma das seguintes áreas temáticas: manejo florestal comunitário sustentável; atividades econômicas desenvolvidas a partir do uso sustentável da floresta; conservação e uso sustentável da biodiversidade; e recuperação de áreas degradadas.

A FASE, criada em 1961, é uma associação sem fins lucrativos com ações nas áreas de desenvolvimento social e ambiental. 

O Fundo Dema é resultado de uma parceria entre o governo federal e a sociedade civil, tendo sido criado em 2004 com recursos provenientes da venda de seis mil toras de mogno ilegalmente extraídas e apreendidas, majoritariamente, na região de Altamira e São Feliz do Xingu (PA). 

O IBAMA, ao realizar a apreensão das toras de madeira, optou por doá-las com encargos para uma organização de utilidade pública federal, de forma que os recursos obtidos com a venda do mogno pudessem ser utilizados para compensar a região pelo dano ambiental sofrido. Assim, foi criado, em nome da FASE, o Fundo Dema, cujos rendimentos devem ser direcionados ao apoio a projetos de desenvolvimento sustentável no Oeste do Pará.


Fonte: BNDES



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/06/2019 às 11:39

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3007 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey