Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


24/02/2011

Bitributação em embalagens aguarda decisão do STF

O STF (Supremo Tribunal Federal) pode julgar nos próximos dias o pedido de liminar em ação direta de inconstitucionalidade (Adin) ajuizada pelo setor de embalagens contra a cobrança do Imposto sobre Serviços (ISS).

O STF (Supremo Tribunal Federal) pode julgar nos próximos dias o pedido de liminar em ação direta de inconstitucionalidade (Adin) ajuizada pelo setor de embalagens contra a cobrança do Imposto sobre Serviços (ISS). A ação foi ajuizada pela Abre (Associação Brasileira de Embalagens), que representa cerca de 300 empresas. No dia 4 de fevereiro, a ação foi julgada pelo relator, ministro Joaquim Barbosa, que entendeu que deve incidir ICMS sobre a produção por encomenda de embalagens, só que o julgamento foi interrompido por um pedido de vista da ministra Ellen Gracie - que é também relatora de ação semelhante que está para ser julgada pelo Supremo.

A diretora executiva da Abre, Luciana Pellegrino, confirmou que o assunto estava na pauta do STF nesta quarta-feira (23), mas não quis se posicionar ainda sobre o assunto. Ela disse que prefere aguardar a decisão do STF. Até o momento, o Supremo Tribunal Federal ainda não se posicionou.

A decisão sobre o tipo de imposto que deve incidir sobre a atividade de venda de embalagens está em discussão no STF, desde o ano passo. Este é um assunto polêmico e o momento pode ser decisivo do ponto de vista tributário.

A questão tem gerado grande repercussão no meio jurídico. Segundo o advogado tributarista, Marcelo Viana Salomão, sócio do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia e especialista no assunto, a ação requer o reconhecimento da incidência do ICMS, pois trata-se de nítida fabricação e venda de mercadorias. O fato de o processo industrial conter uma etapa de composição gráfica não altera a natureza das embalagens, que é de mercadoria. Segundo Marcelo, existem embalagens sem composição gráfica, o que não altera a condição de mercadoria de uma embalagem. “A aposição de um trabalho gráfico em uma embalagem não tem o condão de transformá-la em prestação de serviço, ela continua sendo uma embalagem”, comenta.

Para o advogado, o raciocínio desenvolvido nas ADIs em questão, ao invés de afrontar o entendimento hoje firmado no STJ, “que é favorável à incidência do ISS sobre composição gráfica, tenta demonstrar que a fabricação de embalagens é atividade que não configura prestação de serviços, mas operações de circulação (venda) de mercadorias, tributáveis, portanto, pelo ICMS”, explica Salomão.

A ADIN em questão pede ao STF a declaração de inconstitucionalidade – sem redução de texto – da interpretação pela qual a norma contida no item 13.05 da lista de serviços tributáveis pelo ISS, veiculada pela LC 116/03, que incidiria sobre a atividade de fabricação e circulação de embalagens. “Não se objetiva a declaração de inconstitucionalidade de uma norma e sim de uma interpretação sobre as normas em questão”, complementa.

O principal argumento utilizado nas ações parte do princípio de que o serviço de composição gráfica configura-se como mera etapa intermediária (atividade-meio) na fabricação da embalagem ou do produto gráfico e que o objeto principal da operação é venda desses bens, razão pela qual se justifica a incidência do imposto estadual.

O advogado explica que do outro lado da ação estão os grandes municípios. Eles entendem que uma vez inserida a personalização nas embalagens, através de composição gráfica, que a tributação passaria a ser do ISS, já que composição gráfica é um serviço.

Ainda de acordo com Salomão, alguns municípios vêm cobrando ISS e os Estados continuam cobrando usualmente o ICMS. “Em decorrência disso, as indústrias de embalagens estão sendo cobradas em duplicidade, por Municípios e Estados, cada qual com seu imposto, para a mesma situação fática”, diz.

Sobre a polêmica, Marcelo Salomão defende, no entanto, que a atividade trata-se de uma nítida venda de mercadoria, cuja função é ser embalagem. “O fato da embalagem ser personalizada não a descaracteriza da condição de mercadoria. Trata-se de um produto industrializado para ser vendido, e sobre a venda de mercadorias não há dúvidas: o que incide é ICMS”, reforça.
 


Fonte: Luciana Grili citado por Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

10/08/2020 às 08:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2113 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey