Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


08/02/2011

Babaçu produz óleo com potencial para substituir o petróleo

Rico da raiz às folhas, o babaçu serve de matéria-prima também para a fabricação de cestos, esteiras, janelas, gaiolas, entre outros.

Com incontáveis benefícios, o babaçu, fruto de uma palmeira de crescimento espontâneo abundante na Amazônia, produz um óleo que pode ter potencial energético para substituir o uso do petróleo e do diesel em uma cidade inteira. Só no município de Barreirinha (a 331 quilômetros) de Manaus, são 3 milhões de árvores da espécie, com produção de 200 quilos de frutos por planta.

Este número, segundo o agrônomo e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Luiz Antônio de Oliveira, aponta para a alternativa do uso da biodiversidade. Com o intuito de descobrir tais potenciais, além da utilização dos resíduos de madeira para produção de álcool, Oliveira submeteu, com sucesso, o projeto “Aproveitamento de resíduos de madeiras e avaliação do potencial de espécies florestais para a produção de biocombustíveis”, ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Tecnologias para a produção de Biocombustíveis no Estado do Amazonas (Biocom).

O Programa, viabilizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), destinou mais de R$260 mil em recursos para o grupo de pesquisadores, contemplados no edital 009/2009.

Rico da raiz às folhas, o babaçu serve de matéria-prima também para a fabricação de cestos, esteiras, janelas, gaiolas, entre outros. “O que mais tem na Amazônia é resíduo vegetal e de madeira. Estamos estudando as espécies que podem servir de matéria-prima para a produção de biocombustível. Usando esses micro-organismos, aproveitamos os resíduos que muitas vezes ficam como contaminantes ambientais”, destacou o pesquisador.

Em parceria com a especialista em palmeiras e coordenadora do Laboratório de Pesquisa em Botânica do Inpa, Ires Paula de Andrade Miranda, Oliveira quer oferecer ao final do projeto produtos que possam, a partir do biocombustível, gerar desde energia até o álcool volátil para a utilização no setor de cosméticos.

Caso sejam identificados o tipo e a concentração do álcool, a palmeira poderá servir para utilização em cosméticos sendo um resultado secundário do projeto que trará autossuficiência para o Amazonas, que hoje, segundo o pesquisador, importa a matéria-prima. “Não é difícil para nossa pesquisa. Podemos descobrir o tipo de álcool e trazer condições para que o produto seja fabricado aqui, evitando a importação e reduzindo os custos para praticar um preço competitivo”, avaliou.

Palmeiras

Para a pesquisadora Ires Miranda, o Programa Biocom é uma excelente oportunidade de criar situações para explorar o aproveitamento das palmeiras e gerar renda para moradores de municípios onde as espécies se desenvolvem em grande quantidade. “Fizemos um levantamento da ocorrência de palmeiras em áreas degradadas. É uma forma de evitar novos desmatamentos, já que os homens do campo podem trabalhar com essa diversidade sem precisar desflorestar novamente. A ideia é essa”, projetou.

Com aproximadamente dez anos de experiência, trabalhando com  observação da ocorrência dessas espécies em regiões de alto desmatamento, como o sul do Pará, além de estudos em Roraima, foi identificada a facilidade das palmeiras em se desenvolver nas áreas alteradas.

“Descobrimos, também, que estudiosos de grandes programas para a produção do biodiesel escolheram espécies já melhoradas e utilizadas na Europa, com boa aceitação no sudeste brasileiro e no Mato Grosso, como a soja e outras espécies introduzidas, além da cana para a produção de álcool” ressaltou.

Ires enfatiza a importância das palmeiras como potencial para produção de biocombustível em muitas comunidades, citando exemplos de trabalhos iniciais em Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus). “Contamos todas as palmeiras e percebemos maior participação do açaí, então fizemos um plano piloto e o doutor Luiz Antônio me convidou para fazer um inventário nos interiores. Já trabalhamos em vários municípios”, disse.

O foco da pesquisa é movimentar esse mercado e efetivar a inclusão social nas localidades. Caso a equipe consiga comprovar cientificamente o potencial do babaçu para produção de óleo diesel, de acordo com o doutor Luiz Antônio de Oliveira, existe a possibilidade de abastecer com essa energia se não uma cidade, mas uma vila inteira. “Se houver boa densidade de planta por hectare penso que dá para substituir totalmente o diesel, além de gerar emprego, porque terá o catador de babaçu, o intermediário para levar à termoelétrica”, projetou.


Fonte: D24am



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/09/2020 às 13:56

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


6321 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey