Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/11/2013

Ausência de ambição nas metas climáticas prejudica o MDL

Entidade que regula o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e desenvolvedores de projetos alertam que milhões de toneladas de CO2 podem voltar a ser emitidas devido à descontinuidade de projetos

Foto: Divulgação
 


 O Comitê Executivo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) divulgou o seu relatório para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), trazendo a preocupação de que diversos projetos não darão continuidade às atividades de verificação dos cortes nas emissões.

A publicação coloca a ausência de demanda para as Reduções Certificadas de Emissão (RCEs), créditos resultantes dos projetos de MDL, como um dos principais desafios, além de trazer uma série de recomendações. 

Entre elas, o comitê pede que a conferência incentive as partes a usar o MDL, inclusive através do cancelamento voluntário de RCEs no registro do esquema para fins de cumprimento das metas de países, empresas, agências e outras entidades.

O cancelamento voluntário permite aos proprietários de RCEs acessar o mercado de carbono, ampliando as fontes de demanda ao considerar organizações e indivíduos que desejam cortar a sua pegada de carbono.

O comitê coloca a ausência de ambição dos países na redução das emissões de gases do efeito como um dos culpados pela baixa demanda.

Poucos países se comprometeram com o segundo período de compromissos do Protocolo de Quioto, as metas são amenas e há várias restrições ao uso de RCEs, portanto, as perspectivas de demanda não são muito positivas.

Mesmo assim, quase 7.300 projetos foram registrados sob o MDL em 89 países, e cerca de 1.200 estão em processo de validação, coloca o comitê. A emissão de 1,38 bilhão de RCEs, o investimento de US$ 315 bilhões e a economia de US$ 3,6 bilhões também são resultados do MDL.

Porém, o comitê ressalta que houve um declínio de seis vezes, para 346, no número de projetos submetidos à validação no período de 14 de setembro de 2012 a 04 de outubro de 2013, em comparação com 2.276 no ano anterior.

Desenvolvedores de projetos

A falta de ambição nas metas climáticas também foi a crítica de um grupo chamado Fórum dos Desenvolvedores de Projetos, enfatizando, em umdocumento destinado à próxima conferência do clima, que isso está prejudicando os investimentos em projetos de energias limpas. 

O documento também oferece uma série de recomendações, entre elas que a ‘infraestrutura’ do MDL seja preparada para se tornar uma provedora de serviços para novas abordagens, como o ‘Framework for Various Approaches’ e os ‘Novos Mecanismos de Mercado’. 

Sinergias entre o MDL e as Ações Nacionais Apropriadas de Mitigação (NAMAs), bancos de desenvolvimento multilaterais e o Fundo Verde do Clima também são sugeridas.

Uma pesquisa realizada com os maiores desenvolvedores do setor revelou que 82% das empresas citam a ausência de ambição das metas nacionais como a barreira mais significativa à evolução dos projetos de energias limpas e redução das emissões. 

Quase metade das 17 empresas que responderam à pesquisa disse que detém ou gerencia projetos que pararam devido ao preço baixo do carbono, resultando na liberação de milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera. 

“Os resultados desta pesquisa enviam um sinal forte aos líderes mundiais de que eles devem agir rapidamente e decisivamente para ajudar a recuperar o preço das emissões de carbono e salvaguardar o investimento futuro na energia limpa”, alertou Gareth Phillips, presidente do Fórum.

Outra pesquisa realizada pelo Fórum com seus membros mostrou uma perda de mais de 50% dos funcionários nas empresas de países desenvolvidos e 33% nos em desenvolvimento. Cerca de 50% pretendiam investir menos no MDL do que há dois anos. A receita proveniente do MDL caiu de 71% do faturamento total das empresas em 2011 para apenas 41% em 2013.

Imagens: 1. RCEs emitidas cumulativamente, projetos registrados cumulativamente e projetos registrados, em registro e em validação por ano, 2004-2013 (outubro) / Comitê Executivo do MDL  
Usina de geração de energia alimentada por bagaço de cana na Índia / Fórum dos Desenvolvedores de Projetos


Fonte: Instituto Carbono Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/06/2019 às 11:35

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1245 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey