Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/05/2012

Ativistas alertam para tese de negação da mudança climática

Negar a mudança climática, como prega uma corrente científica mundial, é igual fazer o mesmo com o Holocausto do qual foram vítimas milhões de judeus, alertam os promotores de um encontro de legisladores, acadêmicos e ativistas, que acontecerá paralelamente à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

 O deputado brasileiro Alfredo Sirkis, do Partido Verde (PV), expressou preocupação pelo que qualifica de uma “forte ofensiva” nessa linha de negação, que atribui a “uma visão lançada em Londres pela indústria do carvão e do petróleo” e por setores norte-americanos do opositor Partido Republicano ou vinculados ao movimento direitista Tea Party.

“A ‘negação climática’ é tão patética quanto a do Holocausto ou a dos médicos que, no passado, pagos pela indústria do tabaco, declaravam nos jornais e na televisão que não estava comprovado efetivamente que fumar causa câncer de pulmão”, disse Sirkis à IPS. Esta nova visão sobre a mudança climática não tem “nenhum respaldo científico sério”, alertou. Algumas dessas vozes argumentam que os ciclos de aumento e redução do gelo no mar Ártico demonstram que o aquecimento global é um mito e que, pelo contrário, haverá um esfriamento planetário até o final deste século.

Para o deputado, embora essa opinião represente uma “faixa totalmente marginalizada” da comunidade científica e relativamente pequena da opinião pública, “tem sua estridência e nunca é demais chamar a atenção para isso”. Sirkis falou à IPS por ocasião do lançamento, no dia 21, da Rio Clima (Rio Climate Challenge), reunião que acontecerá entre 14 e 17 de junho, no Rio de Janeiro, paralela à Rio+20, que será realizada de 20 a 22 do mesmo mês. Segundo explicou, com essa iniciativa se busca conseguir que um tema importante como a mudança climática “não passe em branco” na Rio+20, onde não será abordada de forma direta, mas que vai “pairar sobre ela como um fantasma”.

A Rio+20, que reunirá delegações dos 193 países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), tem como principais temas a economia verde e a governança mundial com relação à questão ambiental, com um enfoque não apenas ecológico mas também social e econômico. “Faltava na Rio+20 um momento em que se pudesse discutir o principal problema que a humanidade enfrenta, em médio e longo prazos, que é a questão climática”, destacou Sirkis, um dos organizadores da Rio Clima, que tem o apoio do governo de Dilma Rousseff.

“Como se pode tratar a economia verde ou as boas práticas de um governo se não vamos debater sobre o clima, ou abordar o modo como se chega a uma economia de baixo carbono, a energia limpa… E com financiar isso?”, Sirkis questionou durante a cerimônia de lançamento do encontro. O deputado chamou a atenção para os fatores de risco “catastrófico” do aquecimento global, que motivaram a necessidade da Rio Clima como a reunião paralela, que considerou “a mais importante” e cujos resultados serão apresentados na conferência das Nações Unidas.

O deputado recordou o consenso existente sobre o aumento da temperatura em três a seis graus até o final deste século, e das secas ou chuvas, entre outros eventos climáticos, que acontecerão cada vez mais fortes e frequentes, com suas consequências trágicas sobre as populações. Segundo disse, se não se reverter a atual curva de emissões de gases-estufa, corre-se o risco de chegarmos ao final deste século com uma elevação da temperatura de 4,5 graus, que derivará em outros efeitos, como liberação do gás metano do Ártico e do fundo do mar e a perda de capacidade de absorção de carbono dos oceanos e das selvas tropicais.

“Se o aquecimento do planeta pode se retroalimentar como um círculo vicioso catastrófico, ainda não sabemos”, observou Sirkis, recordando a possibilidade de um “inferno na terra” com o colapso da agricultura, a extensão da fome, as migrações descontroladas, a escassez de recursos como água e terra fértil, e furacões e inundações. Nesta direção, segundo o deputado, a Rio Clima busca mostrar um caminho “ambicioso mas possível” para manter a concentração de gases-estufa na atmosfera abaixo dos 450 ppm (partes por milhão) e o aumento médio do aquecimento do planeta, este século, abaixo dos dois graus.

“A ideia é construir um cenário factível e um acordo simulado de clima” negociado por líderes e formuladores de políticas públicas dos países emissores de gases-estufa causadores do aquecimento global e de outras nações vulneráveis a isso, disseram os organizadores. “Temos uma janela de 20 a 30 anos para prevenir essa catástrofe anunciada e viabilizar uma economia de baixo carbono”, entre outras com energias limpas, advertiu Sirkis.

Os promotores da Rio Clima (as autoridades do Rio de Janeiro e de Pernambuco, o Congresso Nacional, setores empresariais e o não governamental centro de estudos do mar Onda Azul, entre outros) querem que a iniciativa seja como um grupo de estudos permanente com sede no Rio de Janeiro, destinado a interagir com fóruns existentes e futuros sobre mudança climática. Entre os convidados para o encontro está Maurice Strong, ex-secretário-geral das conferências das Nações Unidas sobre meio ambiente.

O mais importante dos dois encontros ambientais é que “aconteçam”, enfatizou à IPS o ex-ministro da Cultura, Gilberto Gil, que deverá encerrar a Rio Clima com um show. “O fato de estar juntos, preocupados com o futuro, é o que garante o êxito. As outras coisas, o que pode propriamente surgir como resultado, documentos, compromissos para o futuro, são produtos desejáveis, mas o sucesso em si mesmo é a reunião propriamente dita, que a façamos”, acrescentou.


Fonte: institutocarbonobrasil.org.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Sebastiao Renato Valverde disse:

29/05/2012 às 06:17

Lamentável que uma pessoa que venha a ser um deputado, um homem público, trate com tamanha rispidez aqueles que opõem aos seus ideais. Considerar que os pesquisadores que negam a teoria das "mudanças climáticas" como "faixa totalmente marginalizada da comunidade científica" é não valorizar a riqueza do contraditório na construção do debate. Porque senão, vira um discurso monólogo, um monte de gente falando para o "próprio umbigo".
Com esta atitude e com a triste comparação da negação climática com a do holocausto, buscando imputar a estes pesquisadores a imagem de Hitler, para mim, isto demonstra o desespero de quem está agonizando em suas ideologias sem fundamentos.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1940 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey