Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Artigo - Valor da água

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/02/2016

Artigo - Valor da água

16/02/16 | Recursos naturais Artigo - Valor da água Eliseu Roberto de Andrade Alves Pesquisador e fundador da Embrapa, foi presidente da Embrapa e da Codevasf

Foto ilustrativa - Google
A água sustenta a vida. Está aí o seu valor. É produto único e sem similaridade. O que dá valor a um bem ou a um insumo é a escassez. Mesmo sendo vital, quando um insumo é abundante, como ar, no sentido que excede a demanda interna e não pode ser exportado ou armazenado, o excedente vale zero. Não existe ninguém para comprá-lo. Quando pode ser estocado, a estratégia de valoração é retirá-lo do mercado.
Tem um aspecto interessante. A água pode tornar-se escassa no local onde ela é abundante.
Exemplo: o Rio Grande nasce na Serra da Mantiqueira, em Minas, ajuda a formar a represa de Furnas, deságua no Paranaíba para chegar ao Rio Paraná. A água de Furnas é usada para gerar eletricidade e o consumo urbano, então a água pode tornar-se escassa no local onde é abundante. E qual o seu preço? É o mesmo que as hidroelétricas pagam, quando captam a água para gerar eletricidade. Ou, então, o que pagam as empresas que abastecem os consumidores urbanos, quando captam a água. Como não pagam nada no momento da captação, o preço da água para agricultura é zero nesse caso. E se as represas estiverem vertendo água, além da quota mínima? Aí não existe escassez, e, portanto, nada há a pagar.
Além da complexa lei do mercado, a água, como recurso natural, tem muitos componentes e situações. Existe até o custo de oportunidade. No exemplo acima, há alternativas de uso. Obviamente, é mais lucrativo vender para quem paga mais. Num bem tão importante, saber quem paga mais é muito complicado. Digamos que a agricultura pague menos. Perderia a competição para outros usos, possivelmente com sérias consequências para abastecimento alimentício interno e as exportações.
A água para consumo humano é prioritária. Por isso, há leis, portarias, incentivos e proibições. É o caso típico das licenças para a irrigação. Como consequência, pode haver redução da produção e, num extremo, fome. Como avaliar isso? O mercado fornece apenas parâmetros, mas a decisão final lhe escapa. Quem fica com a decisão? A sociedade e, por fim, o governo por meio das instituições e regulações. Da mesma forma, a cobrança de tarifa de água na captação é competência do governo que pode se valer de leilões especialmente planejados. O que é raramente é praticado.
Argumenta-se que as hidroelétricas devolvem a água para o rio e, sendo assim, nada têm a pagar. Se na jusante das represas houver consumo humano, e a produção de eletricidade reduzir a água para consumo humano, caracteriza-se a escassez. Ainda há o fato de que as represas evaporam muita água que não forma nuvens nas regiões que interessam. Um dado: só a evaporação da represa de Sobradinho equivale à vazão outorgada do Rio São Francisco.
Quando inexistem as represas, havendo abundância de água, o preço para quem for captá-la é zero. Há celebrado teorema da teoria econômica que diz que, quando a quantidade disponível de um insumo excede seu uso, seu preço é zero. O teorema apenas capta e, muito bem, o significado de escassez. Por que pagar pelo excedente de um bem que superou o consumo? Quem tiver recursos pode comprar a sobra, desde que o bem não seja perecível, e vender no próximo ano. Isso é que se chama corretamente de especulação. Aí, o conceito de sobra é mal usado. Tem que incluir a demanda dos especuladores para medir corretamente a sobra.
As estatísticas mostram que a agricultura consome 70% da água usada pelo ser humano. E quanto do ar a agricultura consome? Ninguém fala disso, exatamente porque o preço do ar é zero. Antes de glorificar esse tipo de estatística, deveria ser salientado que, na maioria das situações, a agricultura não está competindo com alternativa. No caso, consome um bem cujo preço é zero. Ouço falar que o Brasil é grande exportador de água por ser grande exportador de produtos da agricultura. Ninguém se lembrou de perguntar quanto vale a água exportada. Na mesma linha de raciocínio, a agricultura é criticada por competir com a geração de energia. Uma verdade parcial. Cabe perguntar, se fosse o caso, o que é mais importante produzir — comida ou energia?
Há políticas para lidar com escassez de água que limitam o mercado, como cobrar tarifas mais elevadas dos que consomem acima de certo padrão e multas para o consumo exagerado. De modo geral, quando a escassez é crítica, usa-se o racionamento. Por ele, os mais pobres são os mais prejudicados. Também proibições, como o uso de água para irrigação, frequentam as agendas dos governantes, embora ineficientes. Se a escassez de água persistir, é melhor cobrar tarifa na hora da captação. É a forma mais eficiente de racionamento. Qual é o grande problema dessa política? Normalizada a chuva, o governo continuará a cobrar a tarifa. Por isso, essa opção é rejeitada.
A argumentação mantém fixa o valor da tecnologia. Há muitas inovações que têm enorme poder de economizar água como o plantio direto, pequenas represas, cultivares que consomem menos água. Exemplo: foi descoberto pelo Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia um gene que aumenta a tolerância à seca na cultura do café. E já existe tecnologia para transferir esse gene para outras plantas. Mais: há equipamentos de irrigação muito eficientes que consomem muito menos água que os em uso. Os irrigantes precisam de financiamento para comprá-los. O que faz a tecnologia? Liberta o homem dos grilhões do mercado e da natureza.
* Artigo publicado pelo jornal Correio Braziliense, na edição do dia 15 de fevereiro de 2016.
 
 
 


Fonte: Secretaria de Comunicação da Embrapa - Secom



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/11/2018 às 12:02

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


889 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey