Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/10/2013

Aquecimento global pode provocar perdas de até R$ 7 bilhões por ano na agricultura

O aquecimento causado pela emissão de gases de efeito estufa por atividades como geração de energia, transporte e desmatamento

Até 2020, as mudanças climáticas podem provocar perdas de até R$ 7 bilhões por ano na agricultura. Café, soja e arroz são algumas das culturas que podem perder a produtividade, de acordo com um relatório com projeções de como o Brasil irá sofrer os impactos do aumento das médias de temperatura provocadas pelo aquecimento global nas próximas décadas. O estudo, realizado pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), deverá ser apresentado e discutido a partir desta segunda-feira (9/9), durante a Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais, em São Paulo (SP).

O relatório foi realizado nos últimos seis anos com a participação de 345 pesquisadores. Eles fizeram uma avaliação de tudo o que já foi publicado sobre mudanças do clima no Brasil. Os resultados mostram que o país ficará mais quente e terá uma mudança no regime de chuvas. Segundo Secretária Executiva do PBMC, Andrea Santos, “o Relatório de Avaliação mostra o estado da arte da ciência do clima no Brasil e na América do Sul".

A publicação confirma as principais pesquisas de institutos internacionais sobre o aquecimento causado pela emissão de gases de efeito estufa por atividades como geração de energia, transporte e desmatamento. No Brasil, tendências indicam que o clima mudará em diferentes regiões do país.

No Sul e no Sudeste, regiões que costumam sofrer com enchentes e deslizamentos, as chuvas se tornarão mais fortes e mais frequentes. Já no Nordeste, a tendência é oposta: haverá uma redução da quantidade chuvas e as secas ficarão mais frequentes.

Caatinga e Cerrado

De acordo com o relatório, biomas como a Caatinga e o Cerrado serão afetados. "A Caatinga tem uma tendência de diminuição de precipitação muito intensa, e o aumento da temperatura poderá chegar a 5,5ºC até o final do século. Isso é realmente impactante", diz um dos autores do relatório, o professor da USP Tércio Ambrizzi. Segundo ele, os ciclos de seca como a enfrentada pelo Nordeste neste ano serão mais comuns. "Nada impede que o Nordeste tenha um ano com excesso de água, mas a tendência ao longo dos anos é de diminuição da precipitação".

Amazônia e desmatamentos

De acordo com o estudo, a área mais ameaçada pelas mudanças na Amazônia será a parte oriental da floresta, mais vulnerável ao clima e suscetível devido à expansão da fronteira agrícola. Há risco de mudança do tipo de floresta na região. A vegetação pode ficar mais pobre, com perda de biomassa, fauna e flora.

O relatório, no entanto, não considera o aquecimento global como a principal causa de ameaça à Amazônia. A continuidade do desmatamento traz riscos mais imediatos à floresta do que a alteração na temperatura. Projeções apontam que, se a Amazônia perder mais de 40% da cobertura florestal, haverá uma mudança drástica na temperatura, podendo resultar em um aquecimento regional de até 4ºC. Atualmente, a floresta já perdeu cerca de 17% de sua cobertura.

O Relatório de Avaliação Nacional também aponta para incertezas existentes nas pesquisas sobre clima no Brasil. Segundo o estudo, há incertezas sobre a quantidade de gases de efeito estufa que serão emitidos no futuro, sobre as mudanças naturais do clima e sobre as limitações dos modelos de computador que simulam a temperatura. Segundo Ambrizzi, essas incertezas mostram que o país ainda tem muito a avançar na pesquisa climática. "Nós temos poucos pesquisadores atuando. Em muitas áreas do Brasil, faltam dados. A gente espera que os tomadores de decisão possam incentivar a pesquisa para diminuir essas incertezas".


Fonte: Globo Rural



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/06/2019 às 19:08

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1223 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey