Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


22/10/2010

Apostando alto contra as mudanças climáticas

Compromissos de redução de emissões e investimento em tecnologias: Em quanto tempo as empresas serão capazes de cumprir, ou há limites? Investimento alto em tecnologia para as metas voluntariamente assumidas? Articulando políticas e capacidades.

Serão necessários entre 75 e 100 bilhões de dólares por ano para que os países em desenvolvimento se adaptem às mudanças climáticas, entre 2010 e 2050. A informação publicada pelo Banco Mundial vem acompanhada de um criterioso estudo demonstrando como a integração de políticas de gestão e o desenvolvimento de novas tecnologias se apresentam como a principal solução para proteger a população mundial contra os efeitos das alterações no clima.

Desde a ratificação do Protocolo de Kyoto, observa-se o comprometimento de um número cada vez maior de nações em prol da mitigação e adaptação às mudanças do clima. Como resultado, vemos emergir novas políticas relacionadas ao aquecimento global e metas compulsórias e voluntárias visando à redução de emissões em diversos setores econômicos e industriais.

Entretanto, enquanto novas regulamentações criam políticas cada vez mais abrangentes, cresce a necessidade de tecnologias de baixo carbono que atendam às metas de redução de emissões. Energias renováveis, eficiência energética, substituição de combustível e manejo de resíduos são exemplos de onde é possível, hoje, desenvolver projetos de carbono.

Embora o número destes projetos tenha crescido significativamente, urge a necessidade de explorar novas frentes dado que as emissões aumentam significativamente todo ano. Mesmo que investir alto em tecnologias mais agressivas não pareça a alternativa economicamente mais lógica, ainda é a melhor e mais rápida solução para resolver as principais questões envolvidas com as alterações do sistema climático. Hoje, a EMBRAPA estuda as possibilidades da extração de etanol e biodiesel através de cianobactérias; já existem várias pesquisas sobre a geração de etanol a partir da fibra de celulose; e desde que com procedimentos bem conduzidos, podemos aproveitar marés para geração de energia. Estes são alguns de vários exemplos de tecnologias inovadoras para redução de emissões.

Prova de que o investimento compensa é o surgimento de programas incentivando tecnologias de produção mais limpa e fomentando a pesquisa e desenvolvimento na área, atrelados os fundos para projetos de carbono, buscando também a geração de conhecimento e transferência tecnológica. Mas ainda podemos tirar muito mais vantagens destes programas.

Seja para economias desenvolvidas ou em desenvolvimento, a garantia do bem estar das nações requer iniciativas em inovação tecnológica, empreendedorismo e criatividade para driblar os desafios das mudanças climáticas. E para que isso seja possível, é indispensável a criação de programas e investimentos que atraiam, apóiem e viabilizem as melhores idéias.

Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei federal n. 12.187/2009, Política Estadual de Mudanças Climáticas (Lei No. 13.798) e Política de Mudança do Clima no Município de São Paulo (Lei 14.993, de 5 de junho de 2009), políticas de mudanças climáticas nos três níveis. As regras estão definidas, os setores foram apontados e as metas postas. Não há dúvidas de que é necessário que empresas lancem mão de inovações tecnológicas para adequarem às leis e exigências do mercado mas ainda está demasiadamente obscuro o caminho a ser trilhado. 


Fonte: Ernesto Cavasin, Carlo L. Pereira, Fernando Abreu e Heloísa Garcia, da equipe de sustentabilidade e mudanças climáticas da Pricewaterhouse Coopers



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

14/08/2020 às 17:47

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1991 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey