Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


04/06/2015

Análise econômica da produção de eucalipto do Programa Produtor Florestal

Dissertação apresentada à Universidade Federal do Espírito Santo, de autoria de Mateus Basso, relata sobre a Análise econômica da produção de eucalipto do Programa Produtor Florestal no Estado do Espírito Santo.

Foto do trabalho
          Dentre as espécies florestais, o eucalipto apresenta-se como a espécie mais cultivada no Brasil. Tal fato ocorre devido a uma série de fatores de produção benéficos encontrados em solo brasileiro, tais como: condições edafoclimáticas favoráveis, aliadas a seu desenvolvimento tecnológico, que possibilitaram atingir excelentes níveis de produtividade, presença de áreas contínuas e extensas e a grande empregabilidade de uso da madeira.
        Assim como em qualquer outro sistema de produção, o cultivo de florestas de eucalipto requer que uma série de atividades envolvidas em seu processo produtivo venham a ser consideradas e tenham seus custos mensurados. Essas atividades vão desde a definição da área de produção e o próprio valor da terra, até a comercialização e entrega do produto final (REZENDE; OLIVEIRA, 2001).
            Segundo Silva (2012), para determinar ou estimar os custos referentes à produção de eucalipto, existe a necessidade do detalhamento de todas as atividades envolvidas no processo com suas respectivas máquinas, equipamentos, pessoal, encargos sociais, havendo necessidade de realizar o acompanhamento e registro das operações envolvidas e seus respectivos tempos gastos. De posse de tais informações, torna-se possível determinar o custo da atividade desejada. Ressalta- se ainda, a importância em considerar as características operacionais locais, tendo em vista que influenciam diretamente na escolha do sistema a ser utilizado.
            Sendo assim, a partir do levantamento dos custos operacionais das atividades de implantação e manutenção de florestas e os custos de colheita e transporte em propriedades rurais fomentadas, o presente trabalho espera fornecer subsídios para a tomada de decisões e direcionamento da política de fomento florestal no Espírito Santo. As informações referentes às atividades foram obtidas por meio de entrevistas à proprietários rurais fomentados da empresa Fibria S. A. e prestadores de serviços florestais distribuídos no Estado do Espírito Santo.
            Obteve-se dados de área plantada, custos das fases integrantes do processo de implantação, manutenção, colheita e transporte, distância da área de produção ao pátio de estocagem de madeira, produtividade média por hectare e preço médio por metro cúbico de madeira de eucalipto no ano de 2013. Realizou-se uma análise individualizada dos custos de implantação, manutenção, colheita e transporte e suas respectivas contribuições para o custo total da atividade, e a estimativa de indicadores econômicos da atividade.
            Observou-se em todos os cenários analisados que as fases de colheita e transporte apresentaram os custos mais expressivos no processo de produção, representando percentuais do custo total que variaram de 68,06 a 71,44%, seguido das fases de implantação e da fase de renda de fatores (custo de oportunidade da terra), respectivamente. De acordo com os índices econômicos da atividade o investimento em reflorestamentos via modalidade de fomento florestal apresentou-se como uma alternativa viável economicamente em todas as situações observadas.
 
Saiba mais sobre em:
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/9262
 


Fonte: Milton Ribas da Silva Junior ? Bolsista BIC: Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (4)


joão josé natalin disse:

15/06/2015 às 09:50

atividade de reflorestamento para pequenos e médios produtores é geradora de prejuízos para estes, o preço da madeira é muito baixo e os custos de m.o e transporte são altíssimos. péssimo negócio.

joão josé natalin disse:

15/06/2015 às 09:50

atividade de reflorestamento para pequenos e médios produtores é geradora de prejuízos para estes, o preço da madeira é muito baixo e os custos de m.o e transporte são altíssimos. péssimo negócio.

joão josé natalin disse:

15/06/2015 às 09:50

atividade de reflorestamento para pequenos e médios produtores é geradora de prejuízos para estes, o preço da madeira é muito baixo e os custos de m.o e transporte são altíssimos. péssimo negócio.

Lucas disse:

08/06/2015 às 13:25

Eucalipto não vale a pena para nenhum pequeno produtor ,pois o preço da lenha nem em três cortes pagará as despesas do cuidado com a floresta.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

2070 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey