Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/08/2009

Amazônia e Pantanal Livres da Cana-de-Açúcar

Por decisão do governo, o novo zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar não permitirá a extensão da produção dessas lavouras nas áreas da Amazônia e do Pantanal. Assim, mais de 81% do território nacional serão bloqueados para a produção de cana.

Pantanal

Por decisão do governo, o novo zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar não permitirá a extensão da produção dessas lavouras nas áreas da Amazônia e do Pantanal.  Assim, mais de 81% do território nacional serão bloqueados para a produção de cana.  As novas regras sobre o plantio devem ser divulgadas até meados de setembro e valerão somente para as futuras áreas de expansão do plantio.  Terras já cultivadas na região do bioma Amazônia e do Pantanal não serão bloqueadas.

Segundo informações do portal G1, um dos participantes da reunião que contou com os ministros da Agricultura, Reinold Stephanes, e do Meio Ambiente, Carlos Minc, com o presidente Lula disse que os envolvidos superaram as divergências sobre a ampliação da área permitida para receber o plantio de cana no país.  O objetivo do zoneamento é apontar as áreas em que a produção da cana poderá ser expandida até 2017.

Pelas contas do governo, cerca de oito milhões de hectares do território nacional são usados para plantar cana, o que daria pouco menos de 1% do total da área plantada no país.  O governo pretende que a produção de cana dobre nos próximos anos.  Por isso, está realizando esse zoneamento agroecológico para permitir a ampliação da área plantada, que poderá crescer em até sete milhões de hectares nos próximos oito anos.

O que motivava a briga entre agricultura e meio ambiente era a liberação de produção de cana-de-açúcar na Bacia do Alto Paraguai, no Mato Grosso.  Stephanes defendia o zoneamento que preservaria o Pantanal e a Amazônia, mas em troca queria que a região do Alto Paraguai fosse excetuada pelo seu potencial produtivo.

A Amazônia ficou de fora do zoneamento para que o Brasil consiga manter um discurso ambiental forte na defesa da ampliação da produção de etanol, o que abriria portas para exportação do combustível brasileiro.  Outra razão é que não havia necessidade de usar parte do bioma Pantanal na extensão da produção, já que os sete milhões de hectares disponíveis em outras áreas já são suficientes para dobrar a produção até 2017.


Fonte: Carbono Brasil.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/03/2019 às 17:33

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1800 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey