Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


16/04/2020

AGRONEGÓCIO E RECURSOS NATURAIS EXIGEM GESTÃO COMPARTILHADA.*

Cenários complexos e sinérgicos exigem ativar urgentemente os respectivos ?Centros de Inteligência? para que sejam exaustivamente pactuadas as melhores alternativas de soluções conjuntas e compartilhadas no que couber, naquilo que for essencial e fizer a diferença; ?Unidade nacional para vencer a crise.? Esse é o caminho sem volta.

AGRONEGÓCIO E RECURSOS NATURAIS EXIGEM GESTÃO COMPARTILHADA.*
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), a Amazônia Legal brasileira abriga 5,21 milhões de km2, sendo a maior floresta tropical do mundo, e onde habita, há milhares de anos, uma complexa biodiversidade a exigir muita pesquisa, pesquisadores capacitados e desenvolvimento de tecnologias, numa longa perspectiva de tempo. Conhecer para planejar, acompanhar, avaliar, corrigir e vencer.
A floresta Amazônica abrange os Estados do Amazonas, Acre, Amapá, Rondônia, Pará, parte do Maranhão, além de menores porções noutros países: Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (Google).
O rio Amazonas, com seus 6.400 km de extensão, o maior do planeta Terra, deságua 209.000 metros cúbicos de água, por segundo, no Atlântico ou 752 bilhões de litros por hora, o suficiente, se tratada, para abastecer 4,18 bilhões de pessoas por dia, considerando uma demanda potencial doméstica de 180 litros per capita! A Terra abriga 7,7 bilhões de habitantes.
Faz-se necessário registrar que a União Europeia, composta de 28 países membros, ocupa uma área total de 4,47 milhões de km2, portanto, menor do que Amazônia brasileira, e ainda assim 190,4 vezes menor do que o território brasileiro! Contudo, é o 2º mercado mundial para as exportações do Brasil, com US$ 35,9 bilhões em 2019 (Mdic). Poderá estar perto da China?
Além disso, artigo publicado na Revista Sciense & Innovation, em setembro de 2012, a Amazônia gera apenas 16% do oxigênio produzido nos continentes da Terra, pois quase todo oxigênio disponível resultaria dos fitoplâctons que vivem nos oceanos há milhões de anos. E mais, estima-se que todas as florestais tropicais são responsáveis pela produção de 34% do oxigênio. Porém, se considerar os fitoplânctons, a Amazônia, no caso, responderia somente por 9% da oferta global de oxigênio e jamais 20% no foco dos recursos naturais (Google).
Além disso, é indispensável citar outros fatos convergentes à prática da sustentabilidade dos recursos naturais brasileiros e dentro dos sistemas agroalimentares e agroflorestais, embora não exista o impacto zero em nenhuma atividade humana no campo e nas cidades. O IBGE registra que “a expansão de áreas agrícolas tem reduzido seu ritmo; se de 2012 a 2014, elas cresceram 7%, de 2016 a 2018 avançaram somente 3,3%.”
Ora, o pesquisador Eliseu Alves, da Embrapa, admite que a tecnologia adotada já explica 70% dos ganhos de produção e produtividade da agricultura de grãos no Brasil; sabendo-se que a tecnologia é poupadora do fator terra! Comparando-se a safra brasileira de grãos de 1978/79 com a de 2019/2020 a produção cresceu 436,4% e a área cultivada 74,5% (Conab); ganhos de produtividade por hectare cultivado e menor pressão de demanda sobre os recursos naturais!
E o sistema de árvores plantadas no Brasil? Não raro se ouve de fontes equivocadas, que o eucalipto estaria avançando sobre as terras agrícolas. Entretanto, essa visão padece de qualquer fundamento científico e na prática isso não é realidade. São 7,83 milhões de hectares de árvores plantadas em 1.000 municípios brasileiros em 26 Estados, apenas 0,93% do território nacional, que é diversificado em climas, solos e vocações regionais.
Aliás, são cenários onde são gerados 3,8 milhões de empregos diretos e indiretos, sendo que em 2018 esse setor de base florestal exportou US$ 12,5 bilhões, teve um superávit de US$ 11,4 bilhões, e recolheu R$12,8 bilhões em impostos, tributos federais, estaduais e municipais. E mais, 6,3 milhões (80,4%) dos 7,83 milhões de hectares plantados possuem certificados na modalidade de manejo florestal (Ibá).
A cobertura vegetal primária e florestada captura bilhões de toneladas equivalentes de CO2 indissociáveis do processo de fotossíntese. Gás da vida, e do chamado efeito estufa, do qual há severas contraposições! Minas Gerais tem 11,15 milhões de hectares de matas naturais e florestas plantadas (Seapa). Ressalte-se também que o Instituto Brasileiro de Árvores (Ibá) representa os segmentos de pisos e painéis de madeira, papel, celulose, madeira serrada, produtos sólidos de madeira, siderurgia e carvão vegetal, essenciais no comércio interno e nas exportações!
O documento elaborado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento(MAPA) sobre os cenários da “Agropecuária brasileira em números”, com dados e análises de outubro de 2019, citando as respectivas fontes de consultas, registra dados substantivos sobre recursos naturais.
Assim, entre outras abordagens estratégicas, destacam-se; agropecuária em produção, com 247,8 milhões de hectares (29,1% da área do Brasil); áreas protegidas pela Legislação Ambiental vigente, 563,5 milhões de hectares (66,2%); Unidades de Conservação, 151,9 milhões (17,8%); terras indígenas, 117,6 milhões de hectares (13,8%); áreas de Reserva Legal e Preservação Permanente, com 268 milhões de hectares (31,5% da área do Brasil). Além disso, é conveniente destacar que a área com agricultura irrigada no Brasil alcança 6,9 milhões de hectares, segundo o Censo Agropecuário de 2017. Irrigar eleva a produtividade por unidade de área!
A tese de que o Brasil dilapida seus recursos naturais não tem fundamento sólido, mas é preciso saber usufruir dos bens naturais, educar, orientar, estimular, preservar, conservar fiscalizar, contudo premiando quem adota boas práticas ambientais! O Sistema Campo Limpo (governo, empresas, produtores e indústria) entre 2000 a 2019 já recolheu mais de 500 mil toneladas de embalagens primárias de defensivos de forma correta no campo (94%); liderança mundial!
A safra brasileira de grãos 2019/2020 (7º Levantamento da Conab) estima a oferta de 251,7 milhões de toneladas de grãos em 65,1 milhões de hectares cultivados ou 7,6% dos 851,1 milhões de hectares ocupados pelo Brasil. Mercados e tecnologias explicam esse desempenho numa série histórica!
Outrossim, o espaço é curto e os dados são muito abrangentes, mas na fruticultura brasileira e pesquisando seus 24 principais produtos ofertados em 2,5 milhões de hectares ou 0,29% do território nacional geram 6 milhões de empregos diretos. Em 2018, os cultivos da laranja, banana e uva atingiram 1,40 milhão de hectares (IBGE). Se forem considerados o conjunto fruticultura e a olericultura, e selecionados 24 produtos principais em cada segmento em nível nacional, ou 48 ao todo, estão envolvidos diretamente 3,3 milhões de produtores (Horti & Fruit/Gazeta Mercantil/2019).
E mais, os cultivos com grãos em Minas Gerais ocupam uma área média histórica de plantios de 3,1 milhões de hectares ou apenas 5,3% do território mineiro. Em 2018, a fruticultura ofertou 6,5 milhões de toneladas de frutas e a olericultura, 3,5 milhões de toneladas gerando 600 mil empregos diretos no campo; ocupando apenas 0,34% da área estadual (Emater-MG). Entre 2004 e 2019, o PIB do agro mineiro foi na média de 28,5% do PIB estadual, e exportou US$ 7,9 bilhões em 2019 ou 203,8% maior relativamente ao ano de 2004 (Seapa).
Todas as atividades agrossivilpecuárias se fundamentam nesses eixos básicos e comuns para quem planta, cria, abastece e exporta; mercados estimulantes, pesquisas de ponta, tecnologias, adoção de inovações, e a indissociável dependência com os recursos naturais na sinergia água, nos cenários das bacias hidrográficas, solo, fauna, flora e ciclo hidrológico, que existem e funcionam há milhões de anos.   
Apesar dos desafios dessa pandemia virótica que assola o mundo estão sendo salvas milhões de vidas preciosas, antes de mais nada, mas também abalando as economias mundiais e o bem-estar social como qualidade de vida. Quais seriam os presumíveis cenários futuros decorrentes na saúde pública eficiente, logísticas, agronegócio, ainda dinâmico, com um superávit nas exportações de US$ 18,6 bilhões entre janeiro e março de 2020, bem como aplicáveis nos setores da indústria, agroindústria, comércio e serviços, se não tivéssemos uma agricultura pujante?
Por certo, esses cenários complexos e sinérgicos exigem ativar urgentemente os respectivos “Centros de Inteligência” para que sejam exaustivamente pactuadas as melhores alternativas de soluções conjuntas e compartilhadas no que couber, naquilo que for essencial e fizer a diferença; “Unidade nacional para vencer a crise.” Esse é o caminho sem volta.
Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte*  - abril de 2020.
 




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/10/2020 às 16:44

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


456 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey