Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/12/2012

A indústria de base florestal - Inovações tecnológicas na indústria de base florestal

A floresta tem múltiplos usos. Há cerca de 150 anos, em 1850, o mundo tinha sua matriz energética baseada em mais de 80% na biomassa, a lenha, usada de forma tradicional, ineficiente hoje, mas, na época, era o combustível disponível e abundante.

José Dilcio Rocha - Pesquisador na Embrapa Agroenergia
 No Brasil, a floresta nativa foi exaustivamente cortada e queimada nas fornalhas, nos fogões a lenha das casas no campo e na cidade. Enquanto isso, o espaço era aberto para a implantação das cidades, estradas, plantações e indústrias. 

As necessidades do País, assim como as tecnologias, mudaram muito e, atualmente, em plena discussão das mudanças no Código Florestal, a sociedade quer ver suas matas preservadas para o bem da agricultura, da biodiversidade e do futuro das novas gerações. A tecnologia contribui para  isso.

A biomassa para energia, seja ela a lenha, o carvão vegetal, os resíduos agroindustriais, florestais ou agrícolas, o licor negro ou a lignina, não é fonte ultrapassada. A essas velhas fontes devem ser aplicadas as tecnologias inovadoras visando ao aumento de eficiência e à sustentabilidade crescentes.

Os diversos segmentos industriais de base florestal estão buscando respostas para suas demandas de diversificação dos produtos e agregação de valor à biomassa florestal. Cogerar é uma boa opção como regra geral, porém uma análise detalhada dos cenários deve ser realizada antes de se fazerem grandes investimentos em equipamentos.

A transformação das atuais plantas de celulose e papel em biorrefinarias produtoras de especialidades químicas (bioprodutos) derivadas do bio-óleo, do syngas ou do biochar é outro caminho atrativo, que poderá dar a esse segmento mais segurança do que apenas produzir celulose como commodity. 

Os processos termoquímicos de pirólise e gaseificação com síntese catalítica são realidades tecnológicas à espera de visionários e empreendedores dispostos a investir. Se o Brasil não fizer, seguramente, terá que comprar de outros países tais tecnologias. 

Também o bioetanol de celulose florestal por hidrólise enzimática, esse um processo bioquímico, deve ser testado e avaliado em larga escala. No caso do carvão vegetal, principalmente o siderúrgico, cujo exemplo brasileiro é único em larga escala, precisa-se de decisões e atitudes drásticas. 

Os rendimentos de 25 a 30% dos processos de carbonização indicam a necessidade de aproveitamento dos outros 70-75% da matéria-prima. As perdas são grandes quantidades de moléculas no estado vapor, com elevado potencial de produzir desde fármacos, aditivos alimentares, fertilizantes de liberação lenta e uma longa lista de bioprodutos já conhecidos à espera de uso por meio de processos inovadores. O aço-verde pode ser uma importante bandeira. Outra tecnologia em rápida expansão no Brasil é a compactação de resíduos, principalmente os resíduos florestais, seja serragem, maravalha ou mesmo cavacos, etc. 

Trata-se de uniformizar o tamanho das partículas e produzir um biocombustível sólido útil na logística otimizada ou na queima eficiente. Os briquetes são os mais comuns, porém os pellets estão se popularizando nas pizzarias ou para exportação. Com, basicamente, todos os ingredientes necessários para transformar o agronegócio florestal brasileiro em agroindústria que agrega valor à matéria-prima, transformar a produção primária em produto industrializado, e assim ganhar mercados ainda inexplorados pela indústria nacional, o que ainda falta para tornar o Brasil um País sem pobreza? 

A Embrapa Agroenergia vem, ao longo dos seus seis anos de existência, se dedicando a definir e a trilhar esses caminhos repletos de inovação e, portanto de grandes desafios. É necessário, além dos ingredientes já listados, ter profissionais com boa formação nas áreas envolvidas em P&D, aporte de recursos significativos, rapidez e objetividade no uso dos recursos e, principalmente, um ambiente inovador, com prioridades claras descritas em uma política para a indústria nacional. 

Existem várias agências de fomento dedicadas a financiar os projetos inovadores e de P&D, porém a maioria delas não tem agilidade, e isso onera o trabalho, desestimula o profissional e perde o timing. O caminho seguro para o desenvolvimento do País passa pela inovação tecnológica e pelo estímulo ao empreendedorismo do seu povo.


Fonte: Revista Opinioes



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

27/09/2020 às 23:39

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1989 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey