Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


03/05/2020

A DINÂMICA DA FRUTICULTURA MINEIRA

O Brasil é o 3º maior produtor de frutas do mundo, com 2,5 milhões de hectares cultivados, ofertando 43,8 milhões de toneladas de frutas em 2018 e gerando 6 milhões de empregos diretos nas regiões frutícolas.

A DINÂMICA DA FRUTICULTURA MINEIRA*
O Brasil é o 3º maior produtor de frutas do mundo, com 2,5 milhões de hectares cultivados, ofertando 43,8 milhões de toneladas de frutas em 2018 e gerando 6 milhões de empregos diretos nas regiões frutícolas. Também em 2018, a China (1º lugar) produziu 250 milhões de toneladas frutas, seguida da Índia (2º lugar), com 90 milhões de toneladas (Emater-MG).
Em 2019, as exportações brasileiras de frutas tiveram um crescimento de 16% em volume e de 8,5% no valor das exportações. Comparando-se 2018 com 2019, as vendas externas passaram de US$ 790 milhões para US$ 858 milhões, com os seguintes destaques; manga, mais 30%; melão, 27%; uva, 19%; e limão, 10%.
De janeiro a março de 2020, foram exportadas 229,1 mil toneladas no valor total de US$ 168,5 milhões, sobressaindo nessa ordem; melões, limões e limas, mangas, mamões (papaia), maçãs e bananas num total de US$ 125,6 milhões. Contudo, adicionando-se conservas e preparações de frutas (-suco) de US$ 15,4 milhões, esse valor acumulado atinge US$ 141 milhões ou 83,7% dos US$ 168,5 milhões no 1º trimestre de 2020 (Abrafrutas) ou R$ 753 milhões, com dólar comercial médio no trimestre de R$ 4,494.
E mais, em 2018 as Ceasas brasileiras, no que lhes cabem, venderam 5,76 milhões de toneladas de frutas e 5,59 milhões de toneladas de hortaliças (Horti & Fruit/2019), abastecendo as redes de supermercados, sacolões, restaurantes, lanchonetes, hotéis, comida a quilo, delivery, agroindústrias, segmentos conectados e essenciais à política de segurança alimentar, dentro e fora das crises, no atendimento aos brasileiros.
Numa perspectiva mais ampla, não há ainda como subestimar as múltiplas e complexas consequências socioeconômicas, que resultam dessa pandemia provocada pelo corona vírus, mesmo que  salvando-se milhões de vidas nesse planeta Terra e reunindo um esforço integrado internacional de cooperação humana, política, institucional, científica e tecnológica.
Assim posto e segundo o coordenador estadual de fruticultura Deny Sanábio, da Emater-MG; “a fruticultura mineira desenvolve um considerável esforço científico e tecnológico no conjunto dessas condicionantes estratégicas: políticas públicas, como o “Plano Nacional de Desenvolvimento da Fruticultura (MAPA), Certifica Minas Fruta (Seapa),” mercados interno e externo, pesquisa, adoção de inovações pelos fruticultores mineiros, e nos focos dos aumentos de produção, produtividade e qualidade, com lucratividade”
“E mais, certificados de origem, rastreabilidade, assistência técnica e extensão rural, sustentabilidade dos recursos naturais, integrações técnicas e institucionais – indispensáveis-  bem como qualificação da mão de obra demandada pela fruticultura mineira, inclusive para lidar com as inovações.
Contudo, é indispensável pactuar essas e outras mudanças com milhares de fruticultores e suas organizações, através das metodologias de comunicação disponíveis, até consagradas, e no esforço de conciliar os fundamentos técnicos com as boas práticas sustentáveis nas regiões produtoras.”
É saudável relembrar que as frutas são ricas em açúcares naturais, vitaminas, sais minerais e fibras, portanto, indispensáveis na alimentação humana balanceada, com outros nutrientes!   
“Ainda, segundo Sanábio, a fruticultura mineira abriga 120,5 mil hectares em produção e 18,1 mil hectares em formação (0,42% do Estado), com estimativas de 277.352 empregos diretos e 554.704 indiretos. Resumindo: adota inovações, demanda insumos, produz, abastece, exporta, gera milhares de empregos e renda, tendo ofertado 3,5 milhões de toneladas de frutas em 2019.
Os principais estados produtores de frutas; São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Ceará.”
Nesse caminhar, somam-se os cenários da produção de frutas em Minas Gerais em 2017; 50,8 mil toneladas de abacate, com 73,3% no Alto Paranaíba e Sul de Minas; 224,4 milhões de frutos de abacaxi, 94,6% no Triângulo Mineiro; 766,3 mil toneladas de banana, 70,3% no Norte de Minas e Sul de Minas; 15,4 mil toneladas de caqui, 83,1% no Sul de Minas; e 1,6 mil toneladas de figo, com 99,1% no Sul de Minas (Seapa).
E mais, 14,1 mil toneladas de goiaba; 77,7% na Zona da Mata, Norte de Minas e Central; 951,2 mil toneladas de laranja, 78% no Triângulo Mineiro; 48,1 mil toneladas de limão, 83,1% no Norte de Minas e no Triângulo Mineiro; 43,6 mil toneladas de mamão, 83,6% no Norte de Minas e Noroeste.
Além disso, 68,8 mil toneladas de manga, 77,6% no Norte de Minas, Zona da Mata e Triângulo Mineiro; 116,8 mil toneladas de morango (2018), 99,5% no Sul de Minas; e 8,9 mil toneladas de pêssego, 98,5% no Sul de Minas e Central; 149,5 mil toneladas de tangerina, 76% no Sul de Minas e Central; 19,1 mil toneladas de maracujá, com 75,6% distribuídas nas regiões do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Central, Norte de Minas e Noroeste; e 13,7 mil toneladas de uvas, com 69,3% no Norte (Seapa). Pratica-se a fruticultura em quase todas as regiões na diversidade das vocações regionais.
Segundo a Emater-MG, em 2018 a diversificada fruticultura mineira ocupava os seguintes lugares em relação ao Brasil; 1º lugar na produção de morango; 2ºs lugares, abacate, tangerina abacaxi; 3ºs lugares, banana e limão. Dados contidos no “Perfil da Fruticultura 2017/2018/Seapa/MG” revelaram que em 2018 foram exportados US$ 7,9 milhões de frutas e derivados nessa sequência; EUA, com 38,2%; Holanda, 14,5%; Espanha, 12,5%; Portugal, 5,8%; Reino Unido, com 5,3%; e demais países (32), com 23,7%.
Embora seja um cenário da dimensão do planeta Terra, complexo e instigante e base também das pesquisas sobre a origem das frutas, é interessante ressaltar algumas informações gerais. As chamadas “frutas exóticas” são originarias da Europa, Ásia, EUA, América Central, África, Oriente Médio, e cultivadas no Brasil são: abacate, banana, caqui, coco, figo, laranja, limão, manga, marmelo, maçã, melão, pêssego, tangerina; e as brasileiras: abacaxi, goiaba, caju, acerola, cajá, jenipapo, e centenas de outras ainda não exploradas em escala comercial (Google).
Complementarmente vale registrar os primeiros lugares na produção de frutas em Minas Gerais; abacate (Rio Paranaíba); abacaxi (Frutal); banana (Jaíba); caqui (Turvelândia); Figo (Virgínia); Goiaba (Capitão Enéias); laranja (Comendador Gomes); limão (Matias Cardoso); mamão (Matias Cardoso); manga (Janaúba); maracujá (Araguari); morango (Bom Repouso); pêssego (Barbacena); e tangerina (Campanha). Na Zona da Mata mineira, segundo o Perfil da Fruticultura/Seapa/MG, Visconde do Rio Branco e Piraúba são os maiores produtores de goiaba; e Tocantins de morango.
*Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte – abril/ 2020.
 




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

15/08/2020 às 10:18

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


340 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey