Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/01/2013

A biotecnologia e o futuro do Planeta

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) calcula que cerca de 1 bilhão de pessoas passam fome todos os dias no mundo. Também prevê que a população mundial alcance os 9 bilhões de habitantes em 2050. Atualmente, somos aproximadamente 7 bilhões.

Elizabeth de Carvalhaes - Presidente executiva da Bracelpa

Governos, empresas e instituições privadas, organizações socioambientais, organismos internacionais e cidadãos em todo o mundo estão diante de um problema de dimensões gigantescas e que ainda pode agravar-se. Como enfrentá-lo?

A própria FAO estima que será preciso expandir em cerca de 60% a produção agrícola do planeta, ou seja, precisaremos produzir mais com menos recursos naturais. Portanto combater a fome da humanidade nos próximos anos é tão importante e urgente quanto a questão das mudanças climáticas causadas pela emissão de gases de efeito estufa (GEE).

Por outro lado, o desafio de alimentar o planeta também vai gerar oportunidades em muitos países, especialmente no Brasil, traduzidas na busca de soluções para aumentar a produção sem esgotar as fontes de matéria-prima.

Para se adaptar a esse novo contexto mundial, o setor produtivo terá de aprimorar as técnicas de uso da terra, da água, de energia e demais recursos, conciliando a produção sustentável dos chamados 4Fs (do inglês food, fiber, fuel and forests). Esse conceito engloba as principais demandas de cunho socioeconômico e ambiental, e sua evolução depende de decisões políticas em todo o mundo.

Nesse sentido, a biotecnologia vem se destacando como mais um instrumento para superar esse desafio mundial. Segundo a International Service for the Acquisition of 
Agro-Biotech Application (Isaaa), essa foi a tecnologia agrícola mais adotada nos últimos 10 anos, com uma área atual plantada 94 vezes maior do que a área existente em 1996, distribuída em 29 países. 

Já existem mais de 160 milhões de hectares de culturas agrícolas transgênicas cultivadas mundialmente, e o Brasil, com uma área equivalente a mais de 30 milhões de hectares, ocupa o segundo lugar do ranking de área plantada com organismos geneticamente modificados (OGMs) no mundo. 

Para a consultoria de valoração e precificação Ceteris, os benefícios da biotecnologia, já quantificados e acumulados de 1996 a 2010, incluem o incremento no volume e no valor de produção, que atingiu US$ 78 bilhões, e a provisão de melhorias ambientais, por evitar o uso de 443 milhões de quilos de ingrediente ativo de pesticidas.

Também já registram a conservação da biodiversidade, por evitar que 91 milhões de hectares adicionais de terras fossem destinados à agricultura; a redução da pobreza por meio de programas para 15 milhões de pequenos produtores; e uma redução de emissão de 19 milhões de toneladas de CO2, somente no ano de 2010. 

Assim, a biotecnologia arbórea poderá contribuir para superar os importantes desafios relacionados aos 4Fs. Além disso, representa uma alternativa potencial para os distintos aspectos do tripé da sustentabilidade (social, econômico e ambiental). Estados Unidos e China, por exemplo, já aprovaram a utilização da biotecnologia arbórea em árvores de mamão e álamo.

No Brasil, no entanto, essa tecnologia ainda não foi aprovada, nem utilizada em escala comercial e encontra-se em fase de pesquisa. No total, já são mais de 800 testes e estudos desenvolvidos globalmente por acadêmicos, cientistas e institutos de pesquisa de renome internacional, além de empresas. 

Benefícios: Para o setor de florestas plantadas, celulose e papel, a biotecnologia arbórea contribuirá de forma significativa em diversos aspectos, a começar pelos benefícios econômicos, com estímulo para novos investimentos, redução de custos de produção e risco de perdas e aumento de competitividade. 

Entre os benefícios ambientais, destacamos o controle de pragas e doenças, aumento potencial da produtividade da madeira, redução do consumo de recursos naturais e incentivo à implantação de sistemas agroflorestais. No lado social, os benefícios podem ser ainda mais visíveis, com o atendimento de demandas geradas pelo crescimento da população mundial, a educação e a capacitação profissional e a geração de emprego e renda.

É importante ressaltar, mais uma vez, que será necessário suprir as carências sem exaurir os recursos naturais. Nesse sentido, o uso da biotecnologia poderá facilitar o atendimento da demanda por produtos de base florestal, de forma sustentável, nos mais diversos setores, como o de alimentos, energia, medicamentos, eletroeletrônicos, embalagens, calçados, higiene pessoal, automotivo, cosméticos e brinquedos, além do de celulose e papel. 

O Brasil tem muito a contribuir nessa evolução da biotecnologia arbórea, por sua reconhecida excelência no manejo florestal, por ser um grande produtor agrícola e por possuir terras disponíveis para atender a parte significativa da demanda mundial, seja por alimentos, biocombustíveis ou produtos florestais.

No nível global, é preciso que governos e instituições conheçam os avanços científicos resultantes de estudos e pesquisas da aplicação da biotecnologia como ferramenta essencial para suprir demandas futuras. Além disso, é fundamental que avaliem, ampla e conjuntamente, os riscos e as oportunidades do uso da biotecnologia no contexto das propostas para o desenvolvimento sustentável.

Assim, acreditamos que a biotecnologia deve ser vista como aliada na implementação de soluções mundiais para a erradicação da pobreza extrema, a valorização das florestas na economia dos países, o fortalecimento do multilateralismo, a difusão de tecnologias para reduzir a emissão de gases de efeito estufa e a proteção de recursos naturais (pagamento por serviços ambientais). 

Repercussão Global: Os debates em busca de soluções para essas questões começam a ganhar novos contornos nos fóruns internacionais, graças ao reconhecimento da importância das florestas também no âmbito socioeconômico. Um exemplo é a conferência internacional que a FAO promoverá em maio de 2013, em Roma: “Forests for Food Security and Nutrition”.

A pauta é extensa, engloba diversos temas aqui expostos, como escassez de recursos naturais, medidas de proteção e conservação do meio ambiente e o papel dos governos. Isso envolve cientistas, representantes da indústria de produtos florestais, organizações socioambientais e produtores rurais. 

Será uma oportunidade única de apresentar boas práticas e propor soluções – incluindo a biotecnologia arbórea – que, acreditamos, podem contribuir efetivamente para o desenvolvimento global sustentável e a erradicação da fome.

O setor de florestas plantadas, celulose e papel brasileiro vem trabalhando para levar o tema “biotecnologia arbórea” aos mais diversos fóruns. Queremos envolver organizações governamentais e não governamentais, sistemas de certificação, representantes do Governo Federal, de outros setores produtivos, das universidades, entre outros públicos, em um debate que tenha por base a ciência e, a partir daí, buscar o consenso sobre a melhor solução para o futuro.


Fonte: www.revistaopinioes.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


jFuKjwVBMGKEiA disse:

04/03/2013 às 14:55

Estamos caminhando anugls passos adiante, a Igreja - sempre babando p/ essa turma - comee7a a enxergar que o santo e9 de barro.Protestamos contra o PT na TV Cane7e3o Nova, afinal, usar a igreja como palanque, ou pior, como capacho para limpar a sujeira dessa gente e9 o cfamulo do desprezo aos ensinamentos criste3os.Pois tiraram os programas de poledticos do ar, incluindo do neoesquerdopata Chalita.O mesmo vem acontecendo com o Cf3digo Florestal, comee7am a perceber que ideias ultrapassadas este3o condenando inocentes.Isso e9 o resultado do trabalho dos verdadeiros guerreiros da palavra, como Katia Abreu, Aldo Rebelo, Reinaldo Azevedo e VOCca.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1380 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey