Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


19/12/2006

A Agrossilvicultura no contexto da agronomia do século XXI

O quadro de degradação generalizada em que se encontram os agroecossistemas no semi-árido nordestino reclama por mudanças profundas nas técnicas prevalecentes nos sistemas de produção da fazenda sertaneja, como, a agricultura das queimadas, o sobrepastejo e a extração predatória de madeira.

Mas, onde buscar alternativas que resultem no aumento da produtividade e da produção e na sustação e reversão dos processos de desertificação que já se fazem presentes na paisagem nordestina?

Todos os indícios apontam para a Agrossilvicultura, com bases agroecológicas, uma vez que combina árvores, culturas e animais em um conceito de imitação dos ecossistemas naturais, para uma produtividade elevada com sustentabilidade. A manutenção de árvores, tanto no campo agrícola, como no pastoril, constitui uma garantia de que o impacto da exploração sobre a circulação de nutrientes será minimizado e, conseqüentemente, mantida a fertilidade natural do solo, pelo aporte contínuo de matéria orgânica. Os sistemas de produção agroflorestais, objeto de estudo da Agrossilvicultura, apresentam diversas modalidades, em função dos objetivos do produtor e das condições específicas dos ecossistemas em exploração. Assim, se combinarmos agricultura com pecuária, teremos os sistemas agropastoris, se explorarmos silvicultura e pecuária, teremos os sistemas silvopastoris e se juntarmos as três atividades formaremos os sistemas de produção agrossilvipastoris. A ocupação da área por culturas e animais nos sistemas de produção agroflorestais pode ser simultânea ou seqüencial. A Agrossilvicultura é, pois, a otimização da integração lavoura, pecuária e floresta e os modelos que incluem a pecuária como um de seus componentes constituem as melhores opções para áreas semi-áridas. Isto porque a pecuária tem capacidade de melhor absorver os impactos negativos das variações anuais das precipitações pluviais, proporcionando maior flexibilidade aos sistemas e contribuindo para a estabilização da renda.

Neste contexto, o engenheiro-agrônomo, profissional envolvido diretamente com a intervenção ambiental, através de técnicas desenvolvidas para produzir mais alimentos com melhor qualidade, porém, muitas vezes, sem levar em conta as implicações conservacionistas ambientais, vê-se diante de uma perspectiva cheia de novos desafios, para os quais o seu preparo técnico sofre de sérias lacunas. Como enfrentá-los com sucesso se a grade curricular de seu curso não inclui com profundidade as disciplinas que vão lhe fornecer os subsídios científicos necessários à compreensão dos novos problemas e facilitar os meios para sua solução?

Face o exposto, vê-se claramente que a grade curricular da Agronomia deve ser modificada em alguns aspectos importantes, principalmente naqueles voltados para as disciplinas relacionadas com a ecologia, devendo-se também criar cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, ou até mesmo, lançar uma inovação mais forte, criando o curso de graduação em Agrossilvicultura, estreitamente ligado à Agronomia.

O técnico em Agrossilvicultura deverá ser um profissional com a base científica curricular idêntica ao do agrônomo eclético, porém, enriquecida com disciplinas nas áreas de ecologia, agroecologia, solos, agrossilvicultura, sistemas de produção e agricultura orgânica. Isto lhe proporcionará uma visão holística da produção agrícola. Sua intervenção no ambiente será fundamentada em processos conservacionistas, nos quais a otimização da produção tem prioridade sobre a sua maximização a qualquer custo. Além disso, a abordagem sistêmica facilitará a proposta de integração dos diversos componentes do sistema de produção e sua inserção na cadeia produtiva dos diferentes produtos. O campo agrícola, então será um agroecossistema, no qual predominará a harmonia entre o atendimento das necessidades alimentares, recreativas e produtivas do homem, com a conservação, contínuo bem-estar e melhoria de nosso recursos naturais renováveis.

João Ambrósio de Araújo Filho - Embrapa Caprinos


Fonte: Embrapa Caprinos



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/08/2019 às 01:38

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2799 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey