Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/10/2015

5º Congresso Florestal Paranaense vai apresentar inovações do setor

A abertura do congresso foi realizada na Fiep, em Curitiba, com a presença de diretores de empresas, entidades representativas do setor, além de pesquisadores, professores e estudantes de engenharia florestal

Lideranças do setor florestal na abertura do congresso Fotos: Wiliam Aquino

Com o tema Novas Tecnologias Florestais, o 5º Congresso Florestal foi iniciado na noite desta terça-feira, 6, no Campus da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). Ao todo, serão mais de 20 palestras e apresentações de trabalhos de pesquisas na área florestal. O presidente de Honra do Congresso, Sebastião Amaral Machado, iniciou os trabalhos destacando que o evento é uma sequência com um lastro de boa continuidade.

O diretor executivo da Apre – Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal – Carlos Mendes, que coordena o congresso, frisou que depois de 20 anos sem o congresso foi feita a quarta edição há dois anos e agora chega o momento do quinto congresso. “O setor florestal vem se desenvolvendo com muitas pesquisas eficientes. É natural que façamos mais congressos, porque desenvolver pesquisas é um grande investimento e o congresso é o local ideal para mostrar os resultados de inovação”, disse Mendes.

O coordenador do curso de engenharia florestal da UFPR – Universidade Federal do Paraná -, professor Umberto Klock, elogiou o grande esforço dos idealizadores do evento, ou seja, empresas, entidades representativas, pesquisadores e professores. Paulo Pupo, superintendente da Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente (Abimci) e vice-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), disse que os governos precisam fazer o dever de casa e trabalhar em conjunto com quem gera emprego. “O setor florestal gera 85 mil empregos no Paraná e isso não pode ser ignorado. Temos um DNA exportador e precisamos de políticas setoriais fortes”, analisou.

Para Paulo Pupo, o Brasil não pode perder competitividade por conta das taxações impostas pelos países concorrentes. “Infelizmente, o Brasil passa por um momento ruim e a solução é a coalização do setor produtivo. O setor florestal precisa de financiamentos, porque gera empregos, superávit para balança comercial. A indústria de base florestal é forte e o governo precisa ver isso. O nosso ativo florestal corre um grande risco por conta da omissão governamental, além de logísticas perversas. O setor florestal pode contribuir para o setor energético, mas o governo precisa acordar”, criticou Pupo.

O diretor presidente do Instituto de Florestas do Paraná (IFP), Benno Doetzer, disse que o setor florestal é fundamental para a economia do Estado. São mais de um milhão de hectares de florestas plantadas, com exportações que superam US$ 1 bilhão por ano. “O Paraná é pioneiro em entender as florestas plantadas como uma cultura importante para a economia. Hoje, a cadeia produtiva está mais ampla por conta das pesquisas e da força da iniciativa privada”, observou.

Edson Tadeu Iede, chefe-geral da Embrapa Florestas, deixou claro que a sinergia do setor de pesquisas com a iniciativa privada tem dado contribuições importantes para o desenvolvimento de novos produtos. Ele garantiu que as pesquisas continuarão com o objetivo de desenvolver o setor de maneira racional e acelerada, de acordo com as necessidades do mercado, florestais, econômicas e até antropológicas. “Fazemos o processo de inovação com os parceiros da indústria. Temos que ampliar esta sinergia”, avaliou Iede.

Beatriz Palatinus Milliet, executiva da área de Assuntos Políticos e Institucionais da Ibá, na palestra de abertura
Beatriz Palatinus Milliet, executiva da área de Assuntos Políticos e Institucionais da Ibá, na palestra de abertura

Ibá inicia ciclo de palestras abordando as novas fronteiras da tecnologia

A executiva da área de Assuntos Políticos e Institucionais da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), Beatriz Palatinus Milliet, proferiu a primeira palestra do 5º Congresso Florestal Paranaense dando ênfase à união do setor, que no caso somam 69 instituições por todo o País.

Para Milliet, os indicadores econômicos mostram R$ 60 bilhões de faturamento em 2014, com exportações de US$ 8,5 bilhões, ou seja, 5,5% do Produto Interno Bruto Industrial (PIB). O setor representa 3,8% do total de exportações do País. De acordo com Milliet, o setor florestal terá bastante responsabilidade e oportunidade levando-se em conta a COP-21, Conferência Internacional sobre o Clima, que será realizada no fim do ano na França. “O Brasil pode dar um grande exemplo ao mundo por meio do setor florestal. A Ibá está trabalhando neste fortalecimento”, enfatizou Milliet.

A inovação passa pelo desenvolvimento de uma indústria sustentável, ou de baixo carbono. Os dados da Ibá apontam para um plantio de 7,74 milhões de hectares em florestas plantadas com o objetivo de dobrar de tamanho até 2020. “Tudo isso se dá em menos de 1% no nosso território. São 4,8 milhões de hectares de florestas certificadas e 5,4 milhões de hectares com áreas preservadas. A vantagem do Brasil está na produtividade, com melhoramento genético, técnicas de clonagem, manejo do solo, colheita mecanizada, fertilização e outras ações”, disse.

De acordo com Beatriz Palatinus Milliet, a produtividade brasileira vai aumentar ainda mais porque as empresas estão investindo e as universidades estão pesquisando. “O eucalipto transgênico vai revolucionar a indústria, com resistência a pragas, doenças. No pinus, o caminho é a biotecnologia,que já está gerando lubrificantes, tecidos, biocombustíveis, energia, material de limpeza e remédios, além da nanotecnologia”, acrescentou Milliet.



Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


qj7QsBYw3Ov disse:

15/11/2015 às 03:35

CoronelNe3o podemos esceequr, Coronel, que o Coveiro do PT e9 pau-mandado do Lula dentro do governo. Assim, o que ele este1 adiantando a respeito do Cf3digo Florestal, e9 o que Lula ordenare1 a Dilma que fae7a, isto e9, vetar tudo o que ff4r possedvel. E o Poste obedecere1.Lula ne3o gosta do Agrnegf3cio. Lula gosta e9 do MST com sua favelizae7e3o campesina.O agronegf3cio europeu, americano, australiano etc e tal, agradecem efusivamente. E os pseudo defensores do meio ambiente nadare3o em orgasmica felicidade.Se os pree7os dos alimentos subirem, a culpa sere1 de FHC, dazelite e duzamericanu. E o pove3o que se lixe.Cabo

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1405 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey