Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/05/2019

0 ESTRATÉGICO AGRONEGÓCIO MINEIRO

O artigo foca o valor e a diversidade do agronegócio mineiro e a necessidade e importância da pesquisa desenvolvida pela EPAMIG no seu propósito de abrir as janelas para o desenvolvimento de Minas Gerais.

0 ESTRATÉGICO AGRONEGÓCIO MINEIRO*
Minas são muitas no dizer de Guimarães Rosa, médico, romancista, embaixador e poliglota, e revela a diversidade de vocações mineiras na agricultura, pecuária de pequenos e grandes animais, horticultura, viticultura e olivicultura, e no setor de base florestal, sendo exercidas pelos produtores e empresários rurais num verdadeiro e dinâmico mosaico de atividades socioeconômicas nos sistemas agroalimentares e agroflorestais, o que implica num vigoroso sistema de pesquisa!  
O território mineiro tem 58,6 milhões de hectares, ou 6,4 vezes maior do que Portugal, e 4,9 vezes superior ao Paraná, dividido em 853 municípios que praticam atividades agropecuárias, em maior ou menor escala, diverso em solos, climas e vocações regionais, bem como abriga considerável biodiversidade e recursos hídricos! São 607.488 estabelecimentos agropecuários, que ocupam uma área de 37,9 milhões de hectares, e onde 19,3 milhões de hectares são pastagens naturais e plantadas.
A internet está acessível em 200.471 desses estabelecimentos ou 33% do universo recenseado (Censo Agropecuário 2017). Um campo também aberto à informação e difusão de boas práticas nas culturas e criações, havendo lucratividade, ou podem ser descartadas em nível de campo numa perspectiva de tempo!
Além disso, cenários de pesquisas e desenvolvimento, a ampla diversidade da agropecuária mineira passa também pela oferta de leite e derivados, café, reflorestamento, batata, cenoura, moranguinho de mesa, couve e salsinha; lideranças nacionais.
E mais, abriga 2º polo brasileiro de horticultura em 130 mil hectares, depois de São Paulo, e a fruticultura explora 140 mil hectares, dos quais 10 mil em formação, ocupando o 4º lugar em nível nacional e gerando, no conjunto, 540 mil empregos diretos nas regiões produtoras (Emater-MG). A avicultura de postura para alimentação humana é a 2ª do País, e a de corte ocupa o 5º lugar (Avimig), e os 3ºs lugares na apicultura e suinocultura (IBGE). Exibe o 1º lugar na irrigação com pivôs centrais no Brasil.
Em 2018/19, a safra de grãos está estimada em 13,76 milhões de toneladas (Conab-8º Levantamento), sendo ela indispensável à alimentação humana, dos rebanhos, e suportes às agroindústrias que agregam valores adicionais aos produtos agropecuários.
Em 2017, o PIB do agronegócio estadual é de R$ 180,67 bilhões, e o de 2018 somou R$ 189,09 bilhões, (Cepea/Esalq-USP). Entre janeiro e abril de 2019, as exportações do agronegócio mineiro atingiram US$ 2,34 bilhões, ou 30,8% das exportações totais do Estado, logrando um superávit de US$ 2,11 bilhões, e forte predominância do produto café e seus derivados (Seapa).
Esse é o grande e desafiador cenário de demandas, ofertas e oportunidades científicas pertinentes à missão estratégica e pública da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), no que lhe compete, porém, com recursos suficientes, estrutura dinâmica, competências, gestão para resultados, e políticas públicas, inovadoras. Para mudar é preciso medir, conhecer e avaliar. Não há mágica no campo, pois a decisão final está nas mãos dos produtores rurais!
Com esses fundamentos básicos assegurados, continuará cumprindo suas múltiplas funções científicas e tecnológicas geradoras de novos conhecimentos e habilidades, e estimulando as boas práticas compartilhadas, sustentáveis, nos domínios de quem planta, cria, abastece, exporta, preserva, conserva, e emprega recursos humanos. E mais, contribuindo também para o bem-estar social e a segurança alimentar dos 21,1 milhões de mineiros, dos quais 17,9 milhões vivendo nas áreas urbanas, e consumidores de alimentos, tecnologias, produtos e serviços!
Noutro foco indissociável e oportuno, o “Balanço Social da Epamig 2017/2018” revela e coloca à disposição do governo, das lideranças mineiras, da imprensa, dos produtores rurais, do poder político, e da sociedade, nos seus múltiplos eixos temáticos abordados, o que se poderia tentar resumir em; “A adoção de 38 tecnologias desenvolvidas e avaliadas pela Epamig resulta em efeitos distintos nos diversos segmentos da produção rural e agroindustrial na convergência das condicionantes econômicas, sociais e ambientais, e somam um valor estimado em R$ 983 milhões de reais em 2018 ou US$ 268,8 milhões, sendo o dólar comercial médio cotado a R$ 3,65.” 
Entretanto, em 2018, para uma justa avaliação preliminar, o orçamento dessa Empresa foi em torno de R$ 90 milhões, podendo-se aceitar que é uma relação custo/benefício saudável e estimulante para investimentos públicos, parcerias privadas, agronegócio, e à qualidade alimentar da sociedade mineira!
Somam-se 154 pesquisadores; 38 publicações técnicas; 247 Projetos de Pesquisas; 853 colaboradores; e 1.417 eventos técnicos nas diversas regiões geoeconômicas, compartilhando ciência e tecnologia para fortalecer o produtor e o agronegócio mineiros. Repita-se: o conhecimento precede as mudanças!
Acrescentem-se que essas pesquisas e análises conjunturais, contextualizadas, abrangeram os seguintes produtos; abacate, banana, café, cana-de açúcar, feijão, figo, laticínios, oliveiras (azeitonas), pecuária bovina, peixe, pêssego, soja, umbu, uva e vinho. A Epamig foi fundada em 8 de maio de 1974, e a Ciência e Tecnologia democratizadas por seus pesquisadores, cientistas e comunicadores; uma espécie de janela aberta para o Mundo!
Engº agrº Benjamin Salles Duarte* -  28/05/2019.
 


Fonte: O autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

25/08/2019 às 09:55

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


298 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey