Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/02/2014

Chuvas em excesso e estradas ruins elevam custos da madeira

Estradas se transformam em verdadeiros rios de lama, tendo como consequência o aumento de custos no frete

Em muitas estradas não pavimentadas, caminhões já não trafegam

A retirada dos produtos florestais de Mato Grosso para os principais centros consumidores fica mais difícil a cada dia. Com os índices pluviométricos acima da média para o período, vários municípios voltam a ficar isolados nessa época do ano. Faltam pontes e sobram buracos e atoleiros em estradas sem pavimentação ou conservação. Com as dificuldades de tráfego, os empresários do setor de base florestal pagam até 36% mais caro pelo transporte das cargas, na comparação com os valores registrados em dezembro.

Em menos de dois meses, o reajuste no frete já chega a 10%, calcula o presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras do Médio Norte no Estado de Mato Grosso (Sindinorte), Claudinei Melo de Freitas. Para retirar os produtos de Nova Maringá, a 305 quilômetros de Cuiabá, o custo atual do frete atinge R$ 220 a tonelada até o polo consumidor de São José do Rio Preto (São Paulo). Em dezembro de 2013, o valor cobrado se aproximava de R$ 200.

A situação mobilizou o Sindicato a requerer do governo do Estado um desconto de 10% no preço referência (pauta) dos produtos madeireiros da região. “Não temos mais como retirar nossos produtos desde a semana passada, porque neste ano as chuvas aumentaram muito, não há condição de transporte e falta caminhão”, explica Freitas.

Na região de Juína, o problema se agrava. Na última terça-feira, 25, a ponte sobre o Rio Canamã, a 60 quilômetros do município de Colniza, a 1.041 mil quilômetros de Cuiabá, foi carregada pelas águas, dois segundos após a travessia de um ônibus com passageiros. Dois dias antes, um bueiro desabou próximo ao rio Vermelho, entre os municípios de Juruena e Castanheira, na BR 174.

De acordo com o executivo do Sindicato das Indústrias Madeireiras e Moveleiras do Noroeste de Mato Grosso (Simno), Valdinei Bento, a situação atual elevará ainda mais o custo do frete, já que para escoar os produtos será preciso realizar um percurso mais longo. “O problema é que não sabemos também qual é a situação de alguns desvios”, acrescenta Bento.

Hoje, o custo do frete de Colniza até Paranaguá (Paraná) alcança R$ 405 por tonelada transportada, sendo 6,57% acima do valor cobrado em dezembro de 2013. Para o trajeto originado em Colniza até Itajaí (Santa Catarina), o preço sobe para R$ 425, numa alta de 3,65% sobre os R$ 410 contabilizados no final de 2013. Para atender o mercado interno, os custos são ainda maiores: de Colniza para o Espírito Santo, por exemplo, estão 36% maiores e saltaram de R$ 360 para R$ 490 por tonelada transportada nos últimos dois meses.

 


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Carlos Alberto disse:

05/03/2014 às 19:20

Porque reclamar?
Não há o que reclamar sobre estes itens "menores" do tipo Transporte, saúde, segurança, educação, se temos os mais novos e caros estádios de futebol do mundo. Viva a
bola da "administração" do mundo da Bola do Santo PT. Pão e circo, o resto...não dá voto.
Carlos Alberto.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1116 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey