Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/01/2014

Produtores de carvão estão otimistas para o próximo ano

Foto: Google
A recuperação gradual da economia mundial tem contribuído para que a expectativa em relação ao desenvolvimento da silvicultura de Minas Gerais seja mais favorável. Em 2013, a situação do segmento foi considerada bem mais satisfatória que a vivenciada em 2012, com o início da recuperação dos preços pagos pela tonelada de carvão. A tendência é que o movimento de alta registrado nos preços do carvão seja mantido ao longo de 2014, o que será sustentado pelo aumento da demanda.
 
De acordo com o diretor-superintendente da AMS (Associação Mineira de Silvicultura), Antônio Tarcizo de Andrade e Silva, a situação do segmento deve ser mais positiva em 2014, porém os resultados ainda dependerão da recuperação da economia mundial, principalmente nos Estados Unidos e na Europa.
 
"O que estamos percebendo é que a economia mundial vem se recuperando aos poucos, o que é fundamental para que a indústria aumente a produção e demande maior volume de ferro-gusa, o que alavancará também a procura pelo carvão. Com a demanda em alta, a valorização dos preços deve acontecer", disse.
 
Segundo dados da AMS, os preços pagos pela tonelada do carvão estão em patamares satisfatórios e são suficientes para garantir margem de lucro aos produtores. A tonelada do produto foi negociada, ao longo de novembro, em média a R$ 520, o valor está maior que a média registrada em 2012, que ficou em R$ 500.
 
"Nossa expectativa, frente à retomada do mercado, é que ao longo de 2014 ocorram novas recuperações na cotação do carvão, com a tonelada podendo chegar a R$ 600", disse Andrade e Silva.
 
A valorização do carvão será fundamental para estimular a retomada do plantio de novas florestas e renovação das áreas no Estado. Mesmo com o maior ingresso de produtores de médio e pequeno portes na atividade, caso as estimativas de recuperação da indústrias se concretizem, a oferta ficar aquém do necessário.
 
Nos últimos anos, de acordo com Andrade e Silva, devido às oscilações de mercado e a mudança da legislação brasileira em relação à aquisição de terras por estrangeiros, que foi proibida, as grandes indústrias internacionais instaladas no Estado não podem expandir as áreas particulares de produção, dependendo da formação de parcerias para o aumento da oferta de madeiras.
 
Com os gargalos, os projetos de novos e de reforma das áreas plantadas estão reduzindo significativamente no Estado. Os dados da AMS mostram que enquanto em 2013 os projetos abrangiam uma área de 94 mil hectares, a estimativa para 2014 é que a área fique em 74 mil hectares, redução de 21,2%.
 
"Nosso receio é que ao longo dos próximos anos, com a recuperação da economia mundial e a retomada da indústria, ocorra grande procura pelo carvão e que está demanda supere a oferta disponível, já que o investimento em novos projetos e na renovação das áreas estão menores", disse.
 
De acordo com os dados divulgados, ontem, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Minas Gerais encerrou 2012 como o maior produtor nacional de carvão vegetal com uma produção de 4,451 milhões de toneladas o que corresponde a 71% da produção do país. Quando se considera somente o carvão da silvicultura (4,335 milhões de toneladas provenientes das florestas plantadas) a participação do Estado passa para 81%.
 
Dentre os 20 maiores municípios produtores de carvão da silvicultura do país, todos estão em Minas Gerais. Os cinco maiores produtores são: João Pinheiro, na região Noroeste de Minas, Itamarandiba, no Jequitinhonha, Grão Mogol, Olhos d"Água e Lassance, ambos no Norte.
 
Entre 2011 e 2012, o IBGE registrou que a produção física aumentou de 29%, enquanto o valor monetário cresceu apenas 11%.
 
Somando-se o valor monetário bruto da produção de todos os produtos da silvicultura e extração vegetal, Minas Gerais é o Estado com melhor desempenho chegando ao valor de R$ 3,560 bilhões, o segundo lugar fica com o Paraná, o valor da cultura é de R$ 3,517 bilhões.


Fonte: Diário do Comércio



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


NPadoani disse:

10/03/2014 às 10:11

Quero plantar Eucalipto no norte de minas, não entendo nada d segmento, mas sei que o BNDS financia. É um bom negócio? Compensa investir?

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1632 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey