Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/08/2013

Estudo adverte que desaceleração no aquecimento global é temporária

Uma desaceleração no aquecimento global que os céticos do clima dizem socavar a teoria dos gases de efeito estufa é simplesmente um hiato em meio a temperaturas mais elevadas, alertaram cientistas

Google

Ao abordar uma das questões mais espinhosas das políticas climática, os cientistas afirmaram que a recente desaceleração se baseia em um resfriamento natural, porém temporário, do Oceano Pacífico tropical.

“O hiato atual é parte da variabilidade climática natural”, afirmaram.

Eventos similares podem voltar a ocorrer, mas avaliados com base em uma escala de tempo de décadas, “(a) tendência de aquecimento muito provavelmente vai continuar com o aumento dos gases estufa”, acrescentaram.

A questão aborda em uma anomalia na ciência climática.

Ao contrário de previsões anteriores, o aquecimento da superfície terrestre nos últimos anos não andou de mãos dadas com níveis crescentes de gases de efeito estufa na atmosfera.

Nos últimos 50 anos, as temperaturas do planeta subiram 0,12ºC por década, em média.

Mas nos últimos 15 anos, a elevação diminuiu a uma taxa de 0,05ºC por década, embora as emissões de combustíveis fósseis tenham continuado a bater recordes.

Os céticos consideraram a discrepância uma prova de que se o aquecimento existe, não é causado pelo homem, mas tem causas naturais, como flutuações no calor do sol.

O novo estudo, publicado na revista científica Nature, utiliza um modelo climático para dizer que o enigma pode ser explicado pela circulação oceânica.

Yu Kosaka e Shang-Ping Xie, do Instituto de Oceanografia Scripps, da Califórnia, decompuseram o calor em um modelo do Pacífico tropical centro e leste, uma região que abrange 8% da superfície do planeta.

Segundo eles, o resfriamento está relacionado a uma tendência incomumente longa, porém natural, similar ao fenômeno La Niña.

Sob influência do El Niño, um acúmulo de águas excepcionalmente quentes cruza do oeste para o leste do Pacífico. No La Niña, acontece o contrário, e o oceano no leste do Pacífico fica mais frio do que o normal. Nos dois casos, podem ocorrer secas extremas ou chuvas torrenciais.

O oceano desempenha um enorme papel na complexa questão do aquecimento global. Ele absorve dióxido de carbono (CO2) e calor na superfície e, então, os mobiliza com ondas e correntes.

Pesquisas anteriores sobre a então chamada “pausa” climática exploraram a ideia de que o calor que faltava era levado para as profundezas marinhas.

O novo estudo, no entanto, sugere outra coisa, afirmou Richard Allan, meteorologista da Universidade Reading, na Grã-Bretanha, em um comentário.

Ele reforça a importância da rotação no vasto corpo que é o Pacífico, mas a uma profundidade relativamente rasa, “particularmente os cem metros mais na superfície ao invés da profundidade abaixo de 1.000 metros”, afirmou.

Dese 1750, quando começou a industrialização, os níveis de dióxido de carbono (CO2) aumentaram 40%. As concentrações aumentaram de 278 partes por milhão para 390,5 ppm em 2011.

No começo do ano, uma estação de monitoramento no Havaí detectou brevemente níveis de CO2 superiores a 400 ppm.


Fonte: Ambiente Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


r2eSJIwn8 disse:

28/09/2013 às 17:50

Ole1 amigo, eu cliquei no linke aqui e funoioncu, ou era problema momente2neo em meu site, ou era no youtube. Se continuar com o problema por favor me avise. Qual sua velocidade de conexe3o, vocea sabe? Obrigado!

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2179 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey