Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/08/2013

Para CEO da Suzano, BNDES precisa ter política industrial para a celulose definida

Walter Schalka não concorda que banco continue investindo, de forma indiscriminada, em projetos como o da Eldorado Brasil

Para Walter Schalka, o BNDES é um indutor de investimentos e, por isso, precisa de uma política industrial específica para o setor de celulose

São Paulo (SP) - O primeiro dia do 8º Congresso Anual Latino-Americano de Celulose e Papel da Risi terminou de forma provocativa entre os presidentes da Suzano Papel e Celulose e da Eldorado Brasil.

José Carlos Grubisich aproveitou a oportunidade para "esclarecer" o recente anúncio de expansão da capacidade prevista no projeto inicial. Em 2014, a empresa vai aumentar para 1,7 milhão de toneladas/ano a capacidade de produção, mas o objetivo é viabilizar a construção de outra linha até 2017, totalizando 3,7 milhões de toneladas/ano.

"Capacidades antigas e fábricas obsoletas estão fechando no mundo. E a demanda suporta um crescimento de 1,5 milhão de toneladas a cada um ano e meio", defendeu de forma otimista.

Para Grubisich, o setor de celulose tem que fazer com que a competitividade brasileira faça a diferença nesse crescimento. "Vamos caminhar na direção de dobrar a nossa capacidade até 2017, já de olho na produção de 5 milhões de toneladas em 2021", reforçou.

A empresa Eldorado Brasil analisa, no momento, várias opções para elevar o capital no início de 2014. "Estamos convencidos que é totalmente possível captar os recursos através de uma captação privada ou, eventualmente, uma IPO", completou o CEO.

O presidente da Suzano, Walter Schalka, contestou o otimismo de Grubisich. "O BNDES não pode apoiar um projeto como esse de forma indisciplinada. Corremos o risco de destruir valor, afinal, o banco pertence ao povo brasileiro", opinou.

Segundo ele, é preciso "organizar a fila". "O banco é um indutor de investimentos e, por isso, ele precisa ter uma política industrial específica para o setor de celulose, que leve a uma criação de valor para a sociedade brasileira", disse Schalka.

A história - conforme o CEO - mostrou que a "destruição de valor" aconteceu com a redução dos preços impedindo que o banco tivesse retorno sobre o capital investido. "Estamos exportando capital para a Europa e para a Ásia. É isso que está acontecendo", concluiu Walter, discordando que o mercado suporte novos projetos de 1,5 milhão de toneladas a cada um ano e meio.

Grubisich disse que o papel do BNDES não é organizar a competição de mercado. "A posição do banco deve ser a de garantir que o Brasil continue em posição de liderança nesse mercado", avaliou. "Nossa entrada foi responsável e disciplinada tanto é que o preço não caiu", finalizou.


Fonte: Painel Florestal - Robson Trevisan



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (3)


uLEQBSOapN disse:

30/09/2013 às 11:50

no outono era veraInverno (Vere3o e inrveno). Li numa charge cf4mica do site de Miriam Salles, leia aquia0que diz que o aquecimento e9 normal, isso significa que ningue9m este1 ligado para

HpiNZG2Ac3ok disse:

28/09/2013 às 11:51

Alghrit alright alright that's exactly what I needed!

LZJDGNrV disse:

28/09/2013 às 08:49

Ola,muito bom o blog, mas ne3o entendi se sua crctiia e9 a favor de que o ser humano tem algo a ver com a aquecimneto global, ou se e9 um fenomeno natural.Tenho 13 anos e meu professor de fisica disse que aquecimento global ne3o tem a ver com o homen, pra min isso e9 desculpa de astrf3logo.Nem mesmo as apostilas do meu colegio(objetivo)sabem relatar isso devidamente.Ridiculo neh??

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1594 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey