Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/06/2013

Uso do Paricá na indústria madeireira

Por Adriele de Lima Felix & Marcela Gomes da Silva

Foto Paricá (Google)
A Amazônia é uma das maiores reservas de recursos naturais do planeta e possui grande riqueza florestal, o que leva a economia da região a ser movimentada principalmente pela exploração e processamento industrial da madeira.
O plantio de espécies nativas ainda não é visto como uma atividade comum na região, mas tem auxiliado e ganhado espaço no processo de recuperação econômica de áreas degradadas.  Além de ser uma alternativa para o setor econômico, também diminui o impacto sobre espécies tradicionais e é uma fonte de produção e comercialização de madeira.
Dentre as espécies plantadas, o Paricá (Schyzolobium parahybum var.amazonicum) vem ganhando o destaque por apresentar rápido crescimento e boas características da madeira. Atualmente suas características despertaram o interesse de produtores e empresas madeireiras que trabalham com lâminas e compensados, o que a levou a ser a espécie nativa mais plantada no Brasil.
No entanto, ainda faltam estudos detalhados sobre a qualidade de sua madeira, haja vista que os plantios foram realizados de forma empírica e a maioria das pesquisas realizadas com o Paricá tem sido relacionada à sua silvicultura, embora já venham sendo publicados alguns trabalhos referentes ao seu principal produto, o compensado. Porém, existe uma carência de estudos mais detalhados das características anatômicas e tecnológicas dessa espécie em seu povoamento natural, como também de plantios comerciais de diferentes idades e localidades da região amazônica.
Sabendo disso, pesquisadores do laboratório de Anatomia da Madeira do Departamento de Ciências Florestais da Universidade Federal de Lavras (UFLA), orientados pelos professores Fábio Akira Mori e Lourival Marin Mendes, realizaram a coleta de árvores em plantações no Pará com 3;5 e 6 anos, nos municípios de Dom Eliseu, Rondon e Goianésia e em florestas nativas da Amazônia Oriental, para análise de suas características. O intuito da pesquisa é: 1) Descrever e quantificar a estrutura anatômica do Paricá de diferentes regiões da Amazônia em diferentes idades; 2) Descrever e quantificar a estrutura anatômica do Paricá de ocorrência natural da Amazônia; 3) Determinar as características físicas e químicas da madeira dessa espécie, tanto de plantações comerciais como de mata nativa; e 4) Realizar estudo dendrocronológico do Paricá de ocorrência natural da Amazônia.
 
Serão avaliadas as características anatômicas através da descrição macroscópica e microscópica da madeira, microscopia eletrônica e estudo do ângulo micro fibrilar. Para determinação das propriedades físicas será determinada a densidade e a análise química determinará os extrativos, teor de lignina e de cinzas.
As pesquisas ainda estão em andamento e a partir dos resultados obtidos, espera-se conhecer as características da madeira, a fim de estabelecer os parâmetros de qualidade e a sua melhoria nos plantios e por consequência, nos produtos finais.
 

 
Figura 1: A - Árvore típica; B e C: folha e flor de Schizolobium parahyba var. amazonicum

 
Figura 2: A - Toras; B-Discos; C e D- Compensados e lâminas de Paricá 




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/01/2020 às 01:53

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


5827 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey