Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Vespa-da-Galha preocupa produtores de eucalipto

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


11/04/2013

Vespa-da-Galha preocupa produtores de eucalipto

Praga, que chegou no Brasil em 2008, já aparece em vários estados nacionais

Foto: Google

“É mais um ciclo acontecendo : uma nova praga e um tempo para ajustes, até surgir outra. Com as fronteiras do mundo tão escancaradas, não há mais como tornar um ambiente isento de alguma contaminação ou invasão”, afirma o pesquisador eexpert do setor de C&P, Celso Foelkel,  se referindo à Vespa-da-Galha. Trata-se de uma praga exótica originária da Austrália que foi descoberta em Israel no ano 2000. No Brasil, ela é ainda mais recente e foi reconhecida pela primeira vez em 2008, na Bahia. O adulto é uma minúscula vespa marrom escuro brilhante e mede 1,2 mm de comprimento. Segundo estudos do Ipef (Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais), o inseto é partenogenético, ou seja, por enquanto só foram encontradas fêmeas que dão origem a novas fêmeas, tornando o seu crescimento populacional enorme. 

A praga ataca as folhas, formando galhas nas nervuras centrais, pecíolos e ramos finos. Depois, o fluxo normal da seiva é bloqueado levando à queda das folhas. Esses danos podem levar à parada de crescimento de mudas e árvores. Em poucas palavras, a praga causa desfolhamento, deixa a planta suscetível ao ataque de outras pragas e provoca redução de crescimento e vigor da planta, podendo até mesmo levá-la à morte. Para piorar, segundo especialistas, os sintomas são identificados de 70 a 135 dias após o inseto colocar seus ovos nas folhas. Essa é uma informação que pode interferir na comercialização da madeira, mas a Embrapa informa que caso isso aconteça as mudas devem ser devolvidas ao viveiro logo depois de serem adquiridas. 

Como outras pragas epidêmicas, a Vespa-da-Galha pode se tornar um problema para qualquer ser vivo. O importante é evitar que ela se propague e que ocorra em situações que permitam controle efetivo e rápido. “Isso já aconteceu com outras pragas do eucalipto e não será diferente com essa”, explica Foelkel. 

O produtor Claudio Bonacin teve uma das primeiras usinas de álcool do interior de São Paulo e recentemente está projetando montar uma PCH (Pequena Centra Hidrelétrica) em Santa Rosa de Viterbo (SP). Fora isso, ele também produz eucaliptos há mais de cinco anos e afirma que a praga ainda não chegou na região. “Converso diariamente com vários produtores de eucalipto aqui e por enquanto não vimos a Vespa-da-Galha”, comenta. No entanto, ele sabe, por experiência própria, que é preciso cuidado. “É bom saber sobre essa praga. Há uns 25 anos  todo mundo falava que a ferrugem estava atacando as plantações de cana-de-açúcar e eu não liguei muito. Depois, quando ela chegou aqui, acabou com lavoura toda”, lamenta. Para o produtor, a melhor escolha é ficar sempre atento e observar o comportamento das lavouras. 

Por isso, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) discutiu estratégias de combate à praga, em uma reunião realizada no começo do mês. São várias as medidas analisadas, como limitar acesso de pessoas a viveiros infectados, já que a praga pode se alojar em roupas e bolsos. Mas por ser nova, a melhor medida encontrada e recomendada aos produtores, foi a destruição imediata das mudas sintomáticas. “A incineração de árvores infectadas das florestas e de mudas atacadas dos viveiros não é a solução para se controlar a praga, trata-se apenas de uma medida para evitar que a praga se espalhe e se estabeleça de forma muito rápida” explica Foelkel.  

Assim, os pesquisadores podem ganhar tempo para testarem espécies e clones resistentes à praga, tipos de tratamentos químicos com inseticidas e ainda predadores para controle biológico, o que leva um pouco mais de tempo. Estratégias que detectam a presença da vespa através de um sistema de monitoramento e a seleção de materiais genéticos resistentes também estão sendo testados. “Nossos pesquisadores estão atentos e trabalhando com determinação para que em alguns anos mais essa praga possa ser dominada por inimigos naturais e por árvores resistentes a ela. A eles não faltarão novas oportunidades para que se desenvolvam inovativos meios de prevenção e controle”, afirma Foelkel. 

O Programa de Proteção Florestal (PROTEF / IPEF), juntamente com a Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, Universidade Federal de Viçosa e Embrapa estão mapeando as ocorrências da praga. Qualquer sintoma de ataque observado pode ser informado pelo e-mail: leonardo.r.barbosa@embrapa.br ou pelo telefone (41) 3675-5741. No final do ano passado, o monitoramento já estava presente em nove estados: Maranhão, Tocantins, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul.  

CeluloseOnline com informações do IPEF (Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais), da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e Pragas Florestais.


Fonte: Celuloseonline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


arleixo disse:

24/05/2013 às 09:14

so lamento informar mas esta praga ja chegou ao rio grande do sul tambem....

Juarez Fernandes Vilaça disse:

11/05/2013 às 18:52

Parabéns pelo site. Muitas informações importantes.

Juarez

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1807 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey