Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/11/2012

Depois de nove meses de ascensão mercadológica, carvão vegetal vive momento tenso em MS

O ano dos produtores de carvão vegetal começou bem, mas este último trimestre tem sido de manutenção dos níveis de produção alcançados no primeiro semestre.

Marcos Brito, presidente SindiCarv. Foto: Wille Zampieri/Painel Florestal

O ano começou com a perspectiva de que haveria um grande crescimento no setor com a retomada da produção e com incentivo aos produtores.

Tudo isso se consolidou, mas o sinal de alerta foi dado neste último trimestre do ano pelo Sindicato das Indústrias e dos Produtores de Carvão Vegetal do Mato Grosso do Sul (Sindicarv).

Motivo: o desaquecimento do consumo e duas quedas no preço do ferro gusa no terceiro trimestre fizeram com que o metro cúbico de carvão declinasse no mesmo patamar. Isso porque o valor do carvão vegetal é indexado ao preço do ferro gusa.

“Esperamos que a recuperação da demanda aconteça a partir de março de 2013”, avalia Marcos Brito, presidente do Sindicarv.

Segundo Brito, estas oscilações de mercado são consideradas normais, principalmente neste período, porém, o mais importante é que o setor continue a se recuperar da crise desencadeada em 2008.

“Temos que continuar unidos e fortalecidos. No entanto, não devemos esquecer que o começo do ano foi melhor do que a situação atual, justamente quando o setor vinha se recuperando bem. No momento é preciso muita cautela para não deixar o mercado desandar, produzindo além do necessário, gerando déficit ao produtor. Se percebermos esta necessidade, melhor será estabelecer um ritmo mais lento à produção, até para tirar um pouco a pressão de cima do guseiro que não tem culpa pela incerteza do mercado no momento”, detalha Marcos Brito.

 

A preocupação do Sindicarv não está relacionada só à produção, mas à manutenção de empregos com qualidade, segurança e estabilidade para o setor – fatores fundamentais para a sustentabilidade e equilíbrio a toda a cadeia produtiva, que é composta por madeira, carvão vegetal, ferro e aço.

"São setores interdependentes, ligados e comprometidos um com o outro", ressalta o presidente da entidade.

De acordo com Marcos Brito, o consumo de aço no país e no exterior se mantiveram em níveis muito abaixo do esperado.

As siderúrgicas de Mato Grosso do Sul continuam comprando e consumindo toda a produção e, devido ao comprometimento e respeito com o produtor, já se cogita uma diminuição na produção e manutenção integral do consumo do carvão de terceiros, caso seja necessário diminuir o consumo e, consequentemente, a produção de ferro gusa.

Para parte dos empresários do setor, o sinal de alerta acendeu porque, além da redução no preço do produto, os pagamentos feitos aos produtores de carvão vegetal deixaram de ser à vista para serem semanais.

“Este fim de ano tem sido de reflexão para toda a classe produtora. As empresas estão se planejando e para alguns, mais otimistas, a partir de março de 2013 os mercados do carvão vegetal e ferro gusa retomarão o crescimento acelerado devido às obras do Governo Federal para a Copa do Mundo. Historicamente, todo fim de ano as indústrias de aço diminuem a compra de ferro e passam a consumir seus estoques”, finaliza Marcos Brito.



Fonte: Elias Luz/Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


Hugo Cesar Furlan disse:

16/11/2012 às 17:22

Boa tarde gostaria de receber se possivel a cotação atualizada do carvão vegetal e do eucalipto para lenha ou carvão, por ton .Obrigado

Eduardo Molina disse:

10/11/2012 às 11:23


Sou produtor em MG e acho que é hora de muita cautela. Não podemos acreditar em sonhos como de que a Copa do Mundo terá efeitos significativos no mercado. As obras previstas tem consumo insignificante de aço comparado com o total do mercado. O que pode mudar é a recuperação dos EUA e da Europa, que deve demorar alguns anos, ou o desenvolvimento de um mercado de energia (termelétricas) a partir da lenha de eucalipto, que consuma o excesso de produção que virá pois plantou-se muito eucalipto nesses últimos anos acreditando-se em um falso apagão florestal.

Busquem os textos do Professos Sebastião Valverde no site e verão uma análise isenta do momento atual.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1472 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey