Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/09/2012

"Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara." José Saramago, Ensaio sobre a cegueira.

Como avaliar quanto de água se necessita para o crescimento de uma floresta?

Eduardo Mário Mendiondo - Professor de Hidráulica da Escola de Engenharia de São Carlos-USP
Por um lado, contabilizando a água no ciclo de precipitação, seu armazenamento no solo, para posterior evapotranspiração. Por outro, os recursos hídricos dos rios, lagos e aquíferos. No primeiro caso, atribui-se a convenção de "água verde"; no segundo, de "água azul". 

Como a floresta se beneficia de ambos, podemos somar esses dois grupos. Mas, se, para enxergar melhor, tornamos essa avaliação um processo que deixa uma única opção de cálculo? Por exemplo, o próprio manejo da floresta produz remoção de sedimentos e de nutrientes do solo que alcançam os rios. Para diluir essa quantidade de cargas poluidoras, necessitam-se quantidades extras de água. É apropriado somar essa água de diluição, essa "água cinza", àquelas águas para o crescimento da floresta? 

Podemos adotar formas de avaliar demandas de água como um todo? Se a resposta for não, então não tem sentido fazer um balanço de cargas poluidoras em áreas onde há negócios florestais. Mas, se a resposta for sim, como aceitar que essas "demandas coloridas" sejam somadas para que esse balanço seja simplificado? 

Eis um conceito que trata da essência do ciclo hidrológico. A pegada hídrica atende a esses critérios de somar essas "cores". Mas somá-las não responde a outra questão: como avaliar a sustentabilidade das demandas e como ter medidas de compensação a esses impactos? 

A pegada hídrica se analisa tanto  sob a ótica do produtor como a do consumidor. Seu cálculo, como soma “verde-azul-cinza”, é indicador de vulnerabilidade relativa. Sua comparação com a disponibilidade de recursos hídricos locais indica impactos com medidas de adaptação e compensação. Só o cálculo da pegada hídrica não resolve o problema.

Precisamos entender os riscos dos ciclos e a resiliência aos consumos para um bom manejo ambiental e para dar solvência dos projetos. Do lado do produtor, necessitamos entender que a pegada hídrica contribui com um novo olhar. E, a partir desse novo olhar, entender melhor o ciclo hidrológico e os ciclos associados, inclusive do homem e sua relação com a floresta. 

Uma parte desse problema é definir a escala de estudo. No Brasil, e por lei, a unidade de planejamento e gestão territorial é a bacia hidrográfica. Desde 1991, isso é parte do arcabouço legal do estado de São Paulo, e, desde 1997, em todo o território nacional. Um fator crucial para o cálculo de pegada hídrica é ter um monitoramento detalhado e sistemático desses balanços. 

Para isso, é preciso ter um cadastro coerente de usuários e entender melhor o instrumento de outorga de recursos hídricos. O outro fator é determinar como cada componente hidrológica e cada elemento físico-químico tem facilidade de ser produzido na bacia, transportado e exportado dela. 

Pesquisadores do IPEF, ESALQ e EESC/USP estão verificando como a relação entre precipitação e escoamento afeta a quantidade de elementos químicos que a bacia armazena e exporta. Traduzindo: como a componente de "água cinza" pode ser regulada, se for realizado um apropriado manejo da floresta, e, por consequência, da “água verde” e “água azul.” Isso é valorizar os serviços ambientais da floresta. Eles se incorporam ao processo de assimilação de água e de nutrientes no solo até a sua transpiração e perda para a atmosfera.  

Mas as captações de água, os consumos específicos e os lançamentos de efluentes contam nessa equação. E são alvo da política de cobrança pelo uso dos recursos hídricos na bacia. Então, para cobrar, é preciso entender os limites desses balanços, hídrico e de nutrientes. No estado de São Paulo, cada Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRHIs) tem o plano de bacia que permite avaliar as áreas prioritárias para projetos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA-Água). 

Um outro exemplo é o Programa Produtor de Água para o Território Nacional. Ele incentiva o produtor rural a conservar e a recuperar as matas ciliares, que ajudam a conter a erosão dos solos e diminuem os sedimentos que chegam aos rios. Isso equivale a diminuir a “água cinza” que seria necessária para diluir essa erosão. Para o novo Código Florestal, esses conceitos melhoram o diálogo entre usuários de uma bacia e os órgãos licenciadores. 

Uma área promissora para a pegada hídrica é não somente associar sua avaliação de sustentabilidade à eficiência de projetos MDL e Certificação Ambiental, com fundos de seguros frente a mudanças climáticas, a regulamentar a partir da Política Nacional de Mudança do Clima (Lei 12.187), como também verificar a conformidade quanto à norma ISO 14046, que avalia ciclos de vida de atividades industriais com base na pegada hídrica. 

Na analogia de José Saramago, corroborar a sustentabilidade da pegada hídrica é aceitar que precisamos olhar melhor para as demandas hídricas e, quando queremos, ver e entender o balanço hídrico. E quando, de fato, é urgente reparar em nossas bacias hidrográficas.


Fonte: http://www.revistaopinioes.com.br/cp/materia.php?id=833



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

06/08/2020 às 03:59

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2859 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey