Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/09/2012

Benefícios ao negócio e à sociedade

O ano de 2012 será marcado pelas discussões em torno da sustentabilidade.

Alexandre Di Ciero - Gerente Executivo de Sustentabilidade da Suzano Papel e Celulose
No âmbito internacional, teremos a realização da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que marca os 20 anos da Eco-92. Em nível nacional, as discussões do Código Florestal, cercadas de embates políticos, mobilizam diversos setores da sociedade e da imprensa.

O setor florestal, em particular as empresas produtoras de celulose, vem participando do debate e buscando contribuir com diversas práticas, algumas iniciadas ainda na década de 1980, quando as discussões em torno do desenvolvimento sustentável não tinham alcançado a grande mídia. 

Naquela época, foram implantadas técnicas de silvicultura que visavam minimizar a intervenção no solo e intercalar o plantio florestal aos fragmentos de mata nativa. Isso foi feito em paralelo com outras práticas para aumentar a produtividade florestal, mostrando que é possível alinhar a preservação ambiental com a expansão do negócio.

Já na década de 1990, com o processo de internacionalização, os clientes passaram a demandar informações sobre cuidados ambientais e sociais que envolviam a operação. As certificações surgiram, então, como uma forma de aprimorar as práticas internas, alinhando-as a padrões internacionais e mostrando aos clientes a preocupação com a sustentabilidade presente na produção.

Em 1996, a Unidade Mucuri da Suzano, por exemplo, foi a primeira empresa do hemisfério sul a conquistar a certificação ISO 14001 de gestão ambiental. Em 2004, foi a vez do selo FSC (Forest Stewardship Council), que observa os padrões socioambientais ligados à operação. Hoje, essas certificações são fundamentais para acessarmos alguns mercados, principalmente na Europa.

Nos anos 2000, com o aquecimento global na pauta da mídia e da política, o setor passou a tratar do tema. Na Suzano, em 2007, demos início aos inventários de emissão de gases de efeito estufa (GEE) de nossas unidades, retroativos ao ano de 2003, e utilizando a metodologia GHG Protocol. Em 2009, por demanda de um cliente internacional, começamos a quantificação da pegada de carbono de alguns de nossos produtos.

Fomos a primeira indústria de celulose no mundo e a primeira empresa na América Latina a quantificar a pegada de carbono da celulose utilizando a metodologia PAS 2050 e obtendo a certificação Carbon Reduction Label, concedida pelo Carbon Trust. A pegada de carbono, por possuir uma abordagem de Análise de Ciclo de Vida (ACV), é a medida mais eficaz e precisa para mensurar as emissões de GEE de um produto e serve como uma importante ferramenta para o desenvolvimento de estratégias de redução desses gases ao longo da cadeia. 

Para garantir a imparcialidade da pegada de carbono dos nossos produtos, buscamos fundamentos e instituições que assegurassem os resultados. A ICF, consultoria internacional, realizou o levantamento e a quantificação dos gases, tendo como base a metodologia PAS 2050, que, à época, era a única mundialmente publicada.

A diferença básica entre a pegada de carbono de um produto e o inventário corporativo de emissões de uma empresa está nas fronteiras de cálculo que definem o escopo de cada uma das abordagens. Enquanto a pegada de carbono quantifica as emissões de GEE associadas a todas as etapas do ciclo de vida de um produto, o inventário quantifica as emissões de uma determinada etapa da cadeia de produção.

Ao submeter as pegadas de nossos produtos  à auditoria do CarbonTrust, que concedeu à Suzano a certificação Carbon Reduction Label, buscávamos mais do que um selo que atestasse a precisão dos cálculos, mas uma forma de evidenciar nosso compromisso com a redução das emissões. Isso porque o selo exige que, a cada dois anos, a empresa comprove que reduziu essas emissões. Foi o que fizemos no final de 2011, mostrando reduções nas pegadas, comprovadas durante o processo de verificação da CarbonTrust. 

Todas essas iniciativas exigem recursos financeiros e humanos para acontecer. Mas os resultados que conseguimos até aqui, principalmente junto aos clientes, mostram que vale a pena seguir por esse caminho. E, mais do que isso, valem a pena pelo resultado que trazem para a sociedade e para o meio ambiente, em nível local e mundial.


Fonte: http://www.revistaopinioes.com.br/cp/materia.php?id=830



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/03/2019 às 13:21

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1335 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey