Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/09/2012

Código do futuro, Artigo de Jorge Viana

Jorge Viana é senador (PT-AC). Artigo publicado no jornal O Globo de ontem (4).

Senador Jorge Viana (PT-AC) - Foto: Agência Senado
Mais importante lei ambiental, o Código Florestal nasceu em 1934, quando o Brasil assistia à destruição da Mata Atlântica. A versão atual foi criada em 1965 para evitar o mesmo desastre no cerrado e na Amazônia. Agora, no século 21, um novo código sai do Congresso. Infelizmente, embalado por velhas ideias insustentáveis.

A mudança é necessária. Melhor agora, antes que a situação de degradação ambiental piore. É preciso ser claro. O País tem que sair dessa política de faz de conta. Explico: até agora prevaleceu o conceito do faz de conta que temos uma lei rígida que é aplicada.

Com o decreto de julho de 2008, descobriu-se que parte da produção agropecuária vinha da ilegalidade. Alguns acharam uma solução fácil: mudar a lei, para legalizar o ilegal. Outros, aí me incluo, buscam a atualização do código com a incorporação dos conceitos do século 21, com o olhar para o futuro.

O passivo - o desmatamento em áreas ilegais nas últimas décadas - ultrapassa 80 milhões de hectares em áreas de reserva legal e preservação permanente (APP). Chegou o momento de o País enfrentar essa situação. O confronto entre ruralistas e ambientalistas não trouxe uma única árvore de volta.

O meio ambiente precisa ser visto como o melhor aliado da produção agropecuária. A novela do Código Florestal segue. No último capítulo, a comissão especial que analisa a medida provisória 571 aprovou novo texto. Foi o entendimento possível para evitar a desfiguração da MP e um desastre na legislação. É bom destacar que o entendimento não se deu com a participação do governo. Nem tudo que é votado no Congresso é por ordem ou acordo com o governo. Foi-se o tempo em que medidas provisórias eram baixadas de maneira impositiva. Isso não ocorre mais. A posição da presidente Dilma Rousseff em favor do meio ambiente está clara na MP 571. Seu gesto de estender a mão aos produtores rurais, especialmente aos pequenos, não garantiu, contudo, a aprovação do texto original.

A ausência dos movimentos ambientais no Congresso e a falta de articulação política e de votos para a causa ambiental não permitiram o avanço. O texto da comissão é distante da proposta que Luiz Henrique (PMDB-SC) e eu ajudamos a aprovar no Senado. A proposta era boa. Acabou desvirtuada quando voltou à Câmara. Esse texto evitou novos danos e permitiu reverter um desastre: a decisão de dar fim às Áreas de Proteção Permanente nas margens de rios não perenes, justamente aqueles que dão vida aos rios maiores e permanentes.

Se estabeleceu que a recomposição florestal em médias e grandes propriedades será feita de 20 metros até 100 metros de largura, de acordo com o Programa de Regularização Ambiental, cujas regras gerais serão definidas pelo governo federal. E caberá aos estados implementar. Para os pequenos proprietários a lei é flexível. Essa é a oportunidade de o País fazer o maior programa de recomposição florestal do mundo.

* A equipe do Jornal da Ciência esclarece que o conteúdo e opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do jornal.


Fonte: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=84008



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/01/2020 às 04:30

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1321 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey