Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/07/2012

Celulose Irani investiu mais de R$7,5 mi em meio ambiente em 2011

O investimento anunciado pela empresa é quase seis vezes maior que em 2010

A Celulose Irani – produtora brasileira de celulose e papéis para embalagens, chapas e caixas de papelão ondulado e resinas para os mercados interno e externo - acaba de apresentar ao mercado o seu 6° Relatório de Sustentabilidade. Os números do documento apontam que a empresa atingiu a marca de R$ 7.850.060,39 investidos em ações direcionadas ao meio ambiente em 2011, diante R$ 1.323.585 em 2010. A maior parte desse recurso - R$ 3.717.202 - foi aplicada na construção da subestação rebaixadora de energia de 138 KV para 23,1 KV, que possibilitou comprar energia no mercado livre e de fontes incentivadas e renováveis.

A empresa explica este resultado por conta da boa performance operacional das fábricas e grandes investimentos em capacitação e desenvolvimento, “visando práticas sustentáveis e maior competitividade”, acrescenta nota da Irani.

Neste ano, a empresa optou pela publicação de um relatório único, englobando o desempenho socioambiental e econômico, com o objetivo de dar uma visão integrada dos negócios.

Para o diretor presidente da Celulose Irani, Pericles Pereira Druck, assumir a sustentabilidade nos negócios significa atuar de acordo com um modelo de gestão que busca equilibrar o desenvolvimento econômico, social e ambiental. “A sustentabilidade permeia toda a cadeia de negócios, das florestas aos produtos finais, assim como todas as nossas relações com os stakeholders. Acreditamos que este é o caminho para construirmos uma empresa ainda mais competitiva”, afirma.

Com meta de reduzir 165 mil toneladas de CO2eq (carbono equivalente) em 2011, a empresa chegou ao índice de redução de 217 mil toneladas, podendo ser considerada uma empresa carbono neutro por natureza (absorve mais gás carbônico do que emite). Desde 2010, a companhia participa do Carbon Disclosure Project (CDP), cujo objetivo é conhecer as ações desenvolvidas no mercado e incentivar a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na atmosfera. A Irani é a primeira empresa no Brasil, no setor de papel e embalagem a ter créditos de carbono emitidos pelo protocolo de Kyoto.

Em 2011, 77% da demanda energética da Unidade Papel foi suprida pela autoprodução. A energia gerada foi proveniente de três hidroelétricas próprias localizadas no entorno do parque fabril e uma termoelétrica movida por biomassa. A empresa teve a maior produção de energia hídrica dos últimos cinco anos.

O Relatório de Sustentabilidade mostra também que a Celulose Irani somou R$199.601,49 em investimentos sociais em 2011, que contemplam projetos desenvolvidos na área de cidadania, esporte, cultura, educação e preservação do meio ambiente, incentivando a qualidade de vida das comunidades do entorno das fábricas. Os projetos são possíveis por meio de parcerias como o Programa SESI Atleta do Futuro, em parceria com o SESI/SC e Prefeitura Municipal de Vargem Bonita (SC); Projeto Broto do Galho em parceria com o Sebrae/SC e novamente a Prefeitura de Vargem Bonita (SC); e o Projeto Protetor Ambiental, desenvolvido em parceria com esta mesma Prefeitura, a Polícia Militar Ambiental de Concórdia (SC) e a Escola de Educação Básica Galeazzo Paganelli.

Em 2011 também foram investidos R$ 1.786.599,55 em capacitação e desenvolvimento e R$ 646.305,37 em incentivos à educação por meio de subsídios.
“O Relatório de Sustentabilidade é elaborado de acordo com as normas internacionais da GRI – Global Reporting Initiative e, mais uma vez, alcançou a classificação A+”, descreve nota da empresa.

Atualmente, a companhia possui sede em Porto Alegre (RS) e conta com quatro unidades de negócios: Papel – Vargem Bonita (SC), Embalagem – Vargem Bonita (SC) e Indaiatuba (SP), e Resinas – Balneário Pinhal (RS), além de florestas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e escritórios em Porto Alegre (RS), São Paulo (SP) e Joaçaba (SC). A Irani também controla empresas como Meu Móvel de Madeira em Rio Negrinho (SC), Irani Trading S.A., Habitasul Florestal S.A. e HGE – Geração de Energia Sustentável (em fase pré-operacional) em Porto Alegre (RS) e Iraflor Comércio de Madeira Ltda em Vargem Bonita (SC).


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/04/2019 às 04:25

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1614 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey