Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/07/2012

Celulose Irani investiu mais de R$7,5 mi em meio ambiente em 2011

O investimento anunciado pela empresa é quase seis vezes maior que em 2010

A Celulose Irani – produtora brasileira de celulose e papéis para embalagens, chapas e caixas de papelão ondulado e resinas para os mercados interno e externo - acaba de apresentar ao mercado o seu 6° Relatório de Sustentabilidade. Os números do documento apontam que a empresa atingiu a marca de R$ 7.850.060,39 investidos em ações direcionadas ao meio ambiente em 2011, diante R$ 1.323.585 em 2010. A maior parte desse recurso - R$ 3.717.202 - foi aplicada na construção da subestação rebaixadora de energia de 138 KV para 23,1 KV, que possibilitou comprar energia no mercado livre e de fontes incentivadas e renováveis.

A empresa explica este resultado por conta da boa performance operacional das fábricas e grandes investimentos em capacitação e desenvolvimento, “visando práticas sustentáveis e maior competitividade”, acrescenta nota da Irani.

Neste ano, a empresa optou pela publicação de um relatório único, englobando o desempenho socioambiental e econômico, com o objetivo de dar uma visão integrada dos negócios.

Para o diretor presidente da Celulose Irani, Pericles Pereira Druck, assumir a sustentabilidade nos negócios significa atuar de acordo com um modelo de gestão que busca equilibrar o desenvolvimento econômico, social e ambiental. “A sustentabilidade permeia toda a cadeia de negócios, das florestas aos produtos finais, assim como todas as nossas relações com os stakeholders. Acreditamos que este é o caminho para construirmos uma empresa ainda mais competitiva”, afirma.

Com meta de reduzir 165 mil toneladas de CO2eq (carbono equivalente) em 2011, a empresa chegou ao índice de redução de 217 mil toneladas, podendo ser considerada uma empresa carbono neutro por natureza (absorve mais gás carbônico do que emite). Desde 2010, a companhia participa do Carbon Disclosure Project (CDP), cujo objetivo é conhecer as ações desenvolvidas no mercado e incentivar a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na atmosfera. A Irani é a primeira empresa no Brasil, no setor de papel e embalagem a ter créditos de carbono emitidos pelo protocolo de Kyoto.

Em 2011, 77% da demanda energética da Unidade Papel foi suprida pela autoprodução. A energia gerada foi proveniente de três hidroelétricas próprias localizadas no entorno do parque fabril e uma termoelétrica movida por biomassa. A empresa teve a maior produção de energia hídrica dos últimos cinco anos.

O Relatório de Sustentabilidade mostra também que a Celulose Irani somou R$199.601,49 em investimentos sociais em 2011, que contemplam projetos desenvolvidos na área de cidadania, esporte, cultura, educação e preservação do meio ambiente, incentivando a qualidade de vida das comunidades do entorno das fábricas. Os projetos são possíveis por meio de parcerias como o Programa SESI Atleta do Futuro, em parceria com o SESI/SC e Prefeitura Municipal de Vargem Bonita (SC); Projeto Broto do Galho em parceria com o Sebrae/SC e novamente a Prefeitura de Vargem Bonita (SC); e o Projeto Protetor Ambiental, desenvolvido em parceria com esta mesma Prefeitura, a Polícia Militar Ambiental de Concórdia (SC) e a Escola de Educação Básica Galeazzo Paganelli.

Em 2011 também foram investidos R$ 1.786.599,55 em capacitação e desenvolvimento e R$ 646.305,37 em incentivos à educação por meio de subsídios.
“O Relatório de Sustentabilidade é elaborado de acordo com as normas internacionais da GRI – Global Reporting Initiative e, mais uma vez, alcançou a classificação A+”, descreve nota da empresa.

Atualmente, a companhia possui sede em Porto Alegre (RS) e conta com quatro unidades de negócios: Papel – Vargem Bonita (SC), Embalagem – Vargem Bonita (SC) e Indaiatuba (SP), e Resinas – Balneário Pinhal (RS), além de florestas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e escritórios em Porto Alegre (RS), São Paulo (SP) e Joaçaba (SC). A Irani também controla empresas como Meu Móvel de Madeira em Rio Negrinho (SC), Irani Trading S.A., Habitasul Florestal S.A. e HGE – Geração de Energia Sustentável (em fase pré-operacional) em Porto Alegre (RS) e Iraflor Comércio de Madeira Ltda em Vargem Bonita (SC).


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/07/2019 às 21:42

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1665 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey