Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/02/2012

Faber-Castell captura mais de oito vezes a quantidade de CO2 que emite

Empresa aumentou em 6,3% a captura de gases de 2008 para 2010

06/02/2012 - A Faber-Castell acaba de divulgar seu inventário de GEE - Gases de Efeito Estufa e o resultado é um saldo positivo. No ano de 2010, a empresa capturou 8,10 vezes o CO2 equivalente que emitiu em todas as operações controladas pela matriz brasileira.
 O relatório, finalizado recentemente, tem como base o ano de 2010 e aponta um incremento de 6,3% em relação ao resultado obtido em 2008, ano do primeiro inventário, quando a captação de gases nocivos ao meio ambiente chegou a 7,23 vezes a quantidade de gases emitidos. Com isto, a quantidade de gases capturados pela empresa desde o ano de 2008, alcança volume suficiente para cobrir 21 anos de operação, mantidas as emissões atuais.
 Isto acontece por a empresa possuir áreas de reflorestamento e reservas nativas, que impactam na captação e por ter uma matriz de emissões fortemente baseada em fontes renováveis. 81% das emissões da empresa são oriundas de fontes renováveis.
 O levantamento, realizado pela empresa ATA – Ativos Técnicos Ambientais, analisou o impacto em três níveis de emissão: Diretas – emissões que ocorrem diretamente nos processos e instalações próprias da empresa; Indiretas da energia adquirida – aquelas que ocorrem fora da empresa para a geração da energia elétrica ou térmica adquiridas pela empresa; e Outras Emissões Indiretas – emissões que ocorrem fora da empresa, relacionadas com a sua atividade. Tecnicamente, estas emissões são tratadas como escopos 1, 2 e 3, respectivamente. O trabalho levou em consideração a norma ISO 14064-1 e seguiu as orientações do Greenhouse Gas Protocol Initiative (GHG).
 Na região de Prata (MG), a Faber-Castell mantém cerca de 9,6 mil hectares divididos em 11 parques florestais, sendo que cerca de 2,6 mil hectares são áreas de preservação permanente e 6.7 mil ha de áreas plantadas com Pinus Caribaea. “O Pinus é a espécie apropriada para a fabricação de lápis e o nosso projeto está trazendo impactos positivos tanto à questão do clima e quanto à manutenção da biodiversidade, atendendo duas das maiores questões ambientais do planeta”, conta Jairo Cantarelli, gerente da Divisão Madeira da Faber-Castell.
 O projeto de plantio iniciado pela Faber-Castell em Prata no final da década de 80 foi o primeiro projeto do segmento no mundo. Esse pioneirismo concedeu à Faber-Castell o título de maior produtor mundial de Ecolápis e hoje, tanto o plantio, quanto os EcoLápis da empresa são certificados pelo FSC (Forest Stewardship Council). A fábrica da empresa em São Carlos (SP) é responsável por 1,9 bilhão de unidades/ano, exportando para mais de 70 países.
 Para o presidente da Faber-Castell no Brasil, Marcelo Tabacchi, o resultado positivo do relatório GEE é fruto da constante preocupação com a sustentabilidade, que norteia a atuação da Faber-Castell. “A responsabilidade socioambiental é um dos pilares da marca Faber-Castell e faz parte da história da empresa desde a sua fundação”, completa Tabacchi.
 Recentemente, o grupo Faber-Castell bateu outra importante meta de sustentabilidade: 95% dos lápis produzidos pela empresa são fabricados com madeira certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council), o órgão mais importante do setor. No Brasil, esse índice é de 98%. Os demais lápis da empresa são igualmente provenientes de florestas manejadas.06/02/2012 - A Faber-Castell acaba de divulgar seu inventário de GEE - Gases de Efeito Estufa e o resultado é um saldo positivo. No ano de 2010, a empresa capturou 8,10 vezes o CO2 equivalente que emitiu em todas as operações controladas pela matriz brasileira.
 O relatório, finalizado recentemente, tem como base o ano de 2010 e aponta um incremento de 6,3% em relação ao resultado obtido em 2008, ano do primeiro inventário, quando a captação de gases nocivos ao meio ambiente chegou a 7,23 vezes a quantidade de gases emitidos. Com isto, a quantidade de gases capturados pela empresa desde o ano de 2008, alcança volume suficiente para cobrir 21 anos de operação, mantidas as emissões atuais.
 Isto acontece por a empresa possuir áreas de reflorestamento e reservas nativas, que impactam na captação e por ter uma matriz de emissões fortemente baseada em fontes renováveis. 81% das emissões da empresa são oriundas de fontes renováveis.
 O levantamento, realizado pela empresa ATA – Ativos Técnicos Ambientais, analisou o impacto em três níveis de emissão: Diretas – emissões que ocorrem diretamente nos processos e instalações próprias da empresa; Indiretas da energia adquirida – aquelas que ocorrem fora da empresa para a geração da energia elétrica ou térmica adquiridas pela empresa; e Outras Emissões Indiretas – emissões que ocorrem fora da empresa, relacionadas com a sua atividade. Tecnicamente, estas emissões são tratadas como escopos 1, 2 e 3, respectivamente. O trabalho levou em consideração a norma ISO 14064-1 e seguiu as orientações do Greenhouse Gas Protocol Initiative (GHG).
 Na região de Prata (MG), a Faber-Castell mantém cerca de 9,6 mil hectares divididos em 11 parques florestais, sendo que cerca de 2,6 mil hectares são áreas de preservação permanente e 6.7 mil ha de áreas plantadas com Pinus Caribaea. “O Pinus é a espécie apropriada para a fabricação de lápis e o nosso projeto está trazendo impactos positivos tanto à questão do clima e quanto à manutenção da biodiversidade, atendendo duas das maiores questões ambientais do planeta”, conta Jairo Cantarelli, gerente da Divisão Madeira da Faber-Castell.
 O projeto de plantio iniciado pela Faber-Castell em Prata no final da década de 80 foi o primeiro projeto do segmento no mundo. Esse pioneirismo concedeu à Faber-Castell o título de maior produtor mundial de Ecolápis e hoje, tanto o plantio, quanto os EcoLápis da empresa são certificados pelo FSC (Forest Stewardship Council). A fábrica da empresa em São Carlos (SP) é responsável por 1,9 bilhão de unidades/ano, exportando para mais de 70 países.
 Para o presidente da Faber-Castell no Brasil, Marcelo Tabacchi, o resultado positivo do relatório GEE é fruto da constante preocupação com a sustentabilidade, que norteia a atuação da Faber-Castell. “A responsabilidade socioambiental é um dos pilares da marca Faber-Castell e faz parte da história da empresa desde a sua fundação”, completa Tabacchi.
 Recentemente, o grupo Faber-Castell bateu outra importante meta de sustentabilidade: 95% dos lápis produzidos pela empresa são fabricados com madeira certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council), o órgão mais importante do setor. No Brasil, esse índice é de 98%. Os demais lápis da empresa são igualmente provenientes de florestas manejadas.


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/08/2019 às 14:42

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2067 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey