Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Novos clones do IAC produzem látex em cinco anos

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


01/02/2012

Novos clones do IAC produzem látex em cinco anos

Entidade desenvolveu 15 materiais que permitem sangrar as seringueiras com tempo 30% menor e antecipar ganhos dos produtores

Tradicionalmente, a extração do látex demora cerca de sete anos, mas esse tempo caiu para cinco anos, graças às pesquisas do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, SP, que desenvolveu 15 novos clones de seringueira mais precoces. Começar a sangrar as seringueiras com tempo 30% menor significa antecipar ganhos para pagar o investimento. Todos os materiais selecionados pelo IAC têm também maior produtividade que o mais plantado em São Paulo atualmente, o RRIM 600, importado da Ásia, que produz em torno de 1.250 quilos por hectare ao ano. O novo IAC 500 – o mais produtivo dos selecionados – produz cerca de 1.731 quilos de látex por hectare, 38% a mais. São ganhos de cerca de 500 quilos de borracha seca por ano. 

Os clones IAC 505, IAC 507, IAC 511 e IAC 512 apresentam alta precocidade e com cinco anos e meio mostraram que o perímetro do caule estava apto à abertura de painéis para a prática da sangria – extração do látex que dá origem à borracha natural –, quando o normal seria no sétimo ano. “Acreditamos que a precocidade deles está em função da possível divergência genética dos parentais utilizados”, explica o responsável pelo Programa Seringueira do Instituto, Paulo Gonçalves 

A produtividade é outro atrativo para os produtores rurais. A média de quatro anos de produção dos clones IAC 500 e IAC 502, por exemplo, mostrou-se alta em relação ao clone mais plantado no Estado, o RRIM 600, produzindo, por ano, 1,7 mil quilos por hectare e 1,6 mil quilos, respectivamente (enquanto que o RRIM 600 produz cerca de 1,25 mil quilos). 

Outra característica importante é a casca espessa existente nos clones IAC 503, IAC 500 e IAC 509, característica que diminui o risco de o seringueiro atingir o lenho do caule da árvore. Os clones IAC 505, IAC 507 e IAC 511 apresentam ainda maior incremento do caule na pós-sangria. Isso significa que, mesmo após serem submetidos à sangria, essas plantas apresentam crescimento. 

Os novos materiais foram desenvolvidos para cultivo na região do Planalto Paulista, onde não há incidência da pior doença da seringueira na América Latina, o mal-das-folhas. Parte dos clones selecionados pelo IAC é tolerante à antracnose, doença causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides, que atinge as folhas, mesmo na região do Planalto. 

São Paulo concentra a produção de borracha no Brasil — e 90% dos seringais encontram-se no Planalto, região que oferta 70 mil toneladas de borracha seca por ano. Ao todo, são três mil produtores no Estado, com rentabilidade anual em torno de R$ 7 mil reais por hectare.


Fonte: portaldoagronegocio.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


gildo issamu shinozaki disse:

10/02/2012 às 10:36

Gostaria de saber como adquirir a semente IAC500 para produzir mudas.e tambem o preco .

obrigado pela atencao

antonio carlos pereira dos santos disse:

03/02/2012 às 23:10

qual a circunferencia que as arvores entram em sangria e com que altura se faz a abertura de painel?

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2101 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey