Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/09/2011

Crédito rural precisa de nova orientação para estimular práticas sustentáveis, diz ex-ministro.

Crédito rural precisa de nova orientação para estimular práticas sustentáveis, diz ex-ministro. Em audiência pública, José Carlos Carvalho defende reorientação nas políticas de financiamento agrícola.

Para o ex-ministro do Meio Ambiente José Carlos Carvalho, o pagamento por serviços ambientais seria um bom instrumento para incentivar práticas sustentáveis entre os produtores rurais, “mas não é suficiente para resolver todos os problemas em discussão”.
Durante audiência pública realizada pelo Senado nesta quinta-feira (15), Carvalho defendeu uma reorientação nas políticas de financiamento agrícola.

- O crédito rural tem de estimular modelos sustentáveis de produção no campo e fortalecer o uso sustentável das florestas – argumentou ele, que esteve à frente da pasta do Meio Ambiente na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Carvalho observou que os debates sobre o projeto do novo Código Florestal (PLC 30/11) têm-se concentrado na solução do chamado passivo ambiental – relacionado às áreas protegidas que foram desmatadas irregularmente. Para ele, no entanto, a nova legislação não deve servir apenas para resolver os problemas do passado, mas também para promover um “futuro sustentável”.

Segundo o ex-ministro, é nesse contexto que deve se inserir uma política de financiamento voltada para um novo modelo de agricultura, “e não para a velha agricultura”. A senadora Ana Amélia (PP-RS) também defendeu medidas com esse objetivo, como as que oferecem incentivos fiscais e creditícios para a prática da agricultura de baixo carbono.

Ao dar outro exemplo das mudanças que seriam necessárias, Carvalho disse que o crédito rural precisa ser sistêmico, “ao contrário do que ocorre hoje, no qual o agricultor que lida com cinco culturas precisa ir cinco vezes ao banco, com um projeto para cada cultura”.

Taxas de juros diferenciadas e fundo

Carvalho também sugeriu que o crédito rural seja utilizado para permitir o uso de taxas de juros mais baixas na recomposição de reservas legais e Áreas de Proteção Permanente (APPs). Isso seria possível por meio da equalização das taxas de juros – processo no qual o governo cobre a diferença entre as taxas de mercado e as taxas que os produtores acabam pagando.

- Para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e, ao mesmo tempo, permitir essa equalização, precisamos criar um fundo – defendeu ele, ressaltando que tal fundo também poderia ser utilizado para o pagamento de serviços ambientais.

Fronteira agrícola

Em outra frente, Eduardo Condorelli, representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), afirmou que, devido às restrições da atual legislação ambiental, a expansão agrícola teve que avançar sobre áreas protegidas para se viabilizar. Segundo ele, se a lei fosse rigorosamente cumprida, seria preciso diminuir a área plantada.

- A área de produção nacional teria de ser reduzida dos atuais 232 milhões de hectares para 174,6 milhões de hectares – disse.

Condorelli acrescentou que, “se toda a área de produção nacional equivale a algo como a soma das regiões Sul, Sudeste e parte do Nordeste, então, para atender à lei, teríamos de retirar dessa área o equivalente à Região Sul”.
 


Fonte: Agência Senado



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/07/2019 às 20:48

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1718 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey