Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/09/2011

Crédito rural precisa de nova orientação para estimular práticas sustentáveis, diz ex-ministro.

Crédito rural precisa de nova orientação para estimular práticas sustentáveis, diz ex-ministro. Em audiência pública, José Carlos Carvalho defende reorientação nas políticas de financiamento agrícola.

Para o ex-ministro do Meio Ambiente José Carlos Carvalho, o pagamento por serviços ambientais seria um bom instrumento para incentivar práticas sustentáveis entre os produtores rurais, “mas não é suficiente para resolver todos os problemas em discussão”.
Durante audiência pública realizada pelo Senado nesta quinta-feira (15), Carvalho defendeu uma reorientação nas políticas de financiamento agrícola.

- O crédito rural tem de estimular modelos sustentáveis de produção no campo e fortalecer o uso sustentável das florestas – argumentou ele, que esteve à frente da pasta do Meio Ambiente na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Carvalho observou que os debates sobre o projeto do novo Código Florestal (PLC 30/11) têm-se concentrado na solução do chamado passivo ambiental – relacionado às áreas protegidas que foram desmatadas irregularmente. Para ele, no entanto, a nova legislação não deve servir apenas para resolver os problemas do passado, mas também para promover um “futuro sustentável”.

Segundo o ex-ministro, é nesse contexto que deve se inserir uma política de financiamento voltada para um novo modelo de agricultura, “e não para a velha agricultura”. A senadora Ana Amélia (PP-RS) também defendeu medidas com esse objetivo, como as que oferecem incentivos fiscais e creditícios para a prática da agricultura de baixo carbono.

Ao dar outro exemplo das mudanças que seriam necessárias, Carvalho disse que o crédito rural precisa ser sistêmico, “ao contrário do que ocorre hoje, no qual o agricultor que lida com cinco culturas precisa ir cinco vezes ao banco, com um projeto para cada cultura”.

Taxas de juros diferenciadas e fundo

Carvalho também sugeriu que o crédito rural seja utilizado para permitir o uso de taxas de juros mais baixas na recomposição de reservas legais e Áreas de Proteção Permanente (APPs). Isso seria possível por meio da equalização das taxas de juros – processo no qual o governo cobre a diferença entre as taxas de mercado e as taxas que os produtores acabam pagando.

- Para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e, ao mesmo tempo, permitir essa equalização, precisamos criar um fundo – defendeu ele, ressaltando que tal fundo também poderia ser utilizado para o pagamento de serviços ambientais.

Fronteira agrícola

Em outra frente, Eduardo Condorelli, representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), afirmou que, devido às restrições da atual legislação ambiental, a expansão agrícola teve que avançar sobre áreas protegidas para se viabilizar. Segundo ele, se a lei fosse rigorosamente cumprida, seria preciso diminuir a área plantada.

- A área de produção nacional teria de ser reduzida dos atuais 232 milhões de hectares para 174,6 milhões de hectares – disse.

Condorelli acrescentou que, “se toda a área de produção nacional equivale a algo como a soma das regiões Sul, Sudeste e parte do Nordeste, então, para atender à lei, teríamos de retirar dessa área o equivalente à Região Sul”.
 


Fonte: Agência Senado



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/04/2019 às 03:58

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1669 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey