Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


30/08/2011

Papel resiste aos efeitos da mídia online

Segundo profissionais do setor, papel ainda não perde mercado para meio digital

 Por Andréa Berzotti

30/08/2011 –  Um assunto que vem sendo discutido  nos últimos tempos não ficou de fora do painel da tarde da 6ª edição do RISI Anual Latin American Pulp and Paper Conference nesta terça-feira (30/08), em São Paulo. O atual cenário demonstra o crescimento das mídias e produtos eletrônicos e o principal questionamento para as indústrias gráficas é como fica o mercado de papel e celulose?

Para Mário Cesar Martins de Camargo, CEO da Gráfica Bandeirantes, a concorrência com a mídia eletrônica é real. “Nossa geração nasceu grudada com o papel. Os meios eletrônicos de busca de informação são normais e alguns hábitos vão levar muito tempo para morrer”. Para ele, a real preocupação está com a geração atual que já nasceu conectada. “A mídia impressa é  viável por causa das florestas plantadas”, acrescenta Martins que defende ainda que o setor deve se unir cada vez mais para mostrar que o produto papel, ao contrário da crença popular, é benéfico, ou seja, ambientalmente correto. “Está na hora de começarmos a alertar essa futura geração sobre o outro lado da moeda, pois somos atacados de não sermos ecologicamente corretos, o que não acontece”. Segundo ele, a geração mais nova cresce achando que o papel de imprimir e escrever não é ecologicamente correto. “Precisamos divulgar mais que nosso produto provém de florestas plantadas e que em nada agride o meio ambiente”.

Wilson Troque, da Editora Moderna, acredita que o consumo do papel é crescente. Para ele, o produto continuará a ser um dos mais importantes. “Mas, cada setor terá que se adequar, como em qualquer área”, diz. 

Pedro Martins da Silva, presidente do IVC (Instituto Verificador de Circulação), acredita que existe sim uma demanda do impresso para o online. Mas, os jornais aumentaram sua circulação no último ano em 6%. O mesmo acontece com as revistas, que tiveramum crescimento ao ano, de cerca de 4%. O ano de 2011 também apresentou um crescimento no consumo de revistas, comparado a 2010. “Há uma tendência sim de sair do papel e ir para o meio eletrônico. Mas, existe também o valor cobrado da notícia”, alerta. Segundo o executivo, o que configura-se neste caso é que a informação no meio online seja cobrada e que a concorrência com o meio impresso não seja tão desleal. “Esse ambiente ainda está muito incerto, mas deve evoluir bastante. Ainda é cedo para previsões de que o papel está com os dias contados”, acredita Pedro Martins.

Outro fator que faz com que o papel ainda não perca mercado para o digital é o aumento do interesse pela leitura. Isso representa uma inclusão das classes C, D e E no setor intelectual, o que significa que mais pessoas  hoje estão lendo.“O mercado no Brasil continua crescendo com o mesmo vigor dos últimos anos, pelas condições econômicas dos consumidores de notícias do Brasil”, acrescenta o presidente do IVC.

Já Mário Cesar Martins de Camargo, CEO da Gráfica Bandeirantes, defende a dualidade das  mídias, ou seja, elas se complementam e não se substituem. “Esse efeito ainda está pouco mensurado. Estamos em um dos países emergentes, qualquer produto que se possa imaginar está muito longe da saturação”, acredita. O CEO mostra que no ano passado o Brasil atingiu US$ 16.9 bilhões de produção do setor gráfico. “O Brasil ainda é um País ignorante. O que devemos fazer é incentivar a população a ingressar no setor do conhecimento devido à incorporação da classe C, D e E”, conclui.


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/04/2019 às 03:56

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1344 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey