Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/08/2011

Vendas de embalagens e papel tissue podem alavancar crescimento do setor

Pöyry defende que o desafio do setor de papel, para manter competividade, é investir em tecnologia e buscar inovações

 29/08/2011 – O mercado brasileiro indica que o setor de embalagens deve acompanhar o desempenho da produção industrial entre 3% e 3,5% para 2011.   A ABPO (Associação Brasileira de Papelão Ondulado) divulgou recentemente prévia do setor que confirma as expectativas. Especialistas analisam que o índice de crescimeto deve estar ligado principalmente aos produtos alimentícios, químicos, hortifrutigranjeiros e pelo segmetno de avicultura. Outro fator, segundo a entidade, deve ser a demanda de papelão na área de alimentos, que pode  aumentar em torno de 5% acima de 2010.


De acordo com números divulgados pela Bracelpa (Associação Brasileira de Papel e Celulose), nos últimos dois anos o papelão ondulado, na base de disponibilidade no mercado interno nacional, tem participação de 47,5% entre todos os tipos de papel e 89% dentro do segmento de embalagens.

Investir mais fortemente na renovação de equipamentos e no desenvolvimento de novos produtos, além de inovar seu modelo de negócios, é o desafio da indústria brasileira de papel para manter o ritmo de crescimento esperado para 2011, alerta Carlos Farinha e Silva, vice-presidente da Pöyry, multinacional finlandesa de consultoria e serviços de engenharia.

Na visão da companhia Pöyry, o crescimento econômico do País, em boa parte impulsionado pela melhoria de renda das classes emergentes, tem assegurado um bom desempenho nos segmentos de papel tissue (utilizado para fins sanitários) e de papel para embalagens.

No segmento off-set, o produto vem sofrendo em função da concorrência do importado – principalmente o ingresso ilegal.  Outra questão é o desvio do papel imune, que se beneficia do incentivo fiscal previsto para livros didáticos, sendo destinados para outro uso comercial. “Falta para o setor investir em mão-de-obra especializada. O pátio industrial precisa se modernizar para poder suportar a concorrência internacional. Hoje, a China possui um forte crescimento na infraestrutura, industrial e exportação. Com isso há uma grande capacidade na produção de papel”, ressalta Farinha.

A longo prazo, o executivo ainda prevê que o setor deverá passar por uma consolidação e renovação de máquinas e equipamentos, inovar no modelo de negócios e buscar soluções próprias para os produtos. “É preciso redobrar os esforços para ter tecnologia de ponta na área industrial. Ter projetos sólidos, investir em pesquisa, desenvolvimento, contar com a ajuda da taxa cambial e ficar atento à parte financeira”, explica Farinha.

Para acompanhar o ritmo da competitividade nacional, o executivo diz que algumas empresas já retomaram os investimentos, como a Rigesa, mas na opinião dele, outras ainda precisam avançar para melhorar sua competitividade.

Ele anuncia ainda que a MWV Rigesa iniciou um projeto para duplicação a capacidade da sua fábrica até 2012, com a implantação de novo maquinário que irá produzir 300 mil ton/ano de papel kraftliner para uso em embalagens. O projeto, cujo gerenciamento está sob a responsabilidade da Pöyry, “visa promover o crescimento do negócio de embalagens de papelão ondulado da empresa, conclui Farinha e Silva.


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/04/2019 às 04:23

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1764 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey