Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/08/2011

Conservação da floresta pode gerar renda para comunidades locais

Nova metodologia desenvolvida medirá o desmatamento evitado em uma determinada área florestal e reverterá o crédito calculado em renda para a comunidade local.

Degradação florestal corresponde a aproximadamente 20% da emissão global de gases de efeito estufa.

 O projeto é um esforço conjunto de quatro instituições: a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), o Carbon Decisions International (CDI), o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam) e o Banco Mundial.

A iniciativa é uma união de duas tecnologias já existentes: a metodologia de fronteira, que mede a exploração da borda da floresta, com a metodologia de mosaico, que calcula o que acontece em espaços variados dentro do perímetro da mata. A nova metodologia – já certificada pelo Verified Carbon Standard, que verifica a confiabilidade em projetos de créditos de carbono – funciona a partir de uma fórmula que gera cenários de desmatamento com base nos dados coletados em campo (na floresta) e mede o percentual evitado de exploração da mata, transformando-o em créditos de carbono.
 
Victor Salviati, coordenador de Projetos Especiais da FAS, conta que projetos de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) também podem ter vantagem com a iniciativa, já que muitas vezes fecham acordos com as comunidades que ajudam na manutenção da área verde. A iniciativa é uma forma de repassar essa renda para os moradores locais. “Eles são os maiores agentes da conservação desse ambiente, e todo serviço ambiental tem que ser revertido para a comunidade que vive lá”, complementa Salviati.
 
A conversão dos créditos de carbono em renda para os moradores é feita a partir da intermediação do Banco Mundial, por meio do Fundo BioCarbon, que já atua em projetos semelhantes em reservas naturais em Madagascar.
 
O projeto chega em boa hora, já que a degradação florestal corresponde hoje a aproximadamente 20% da emissão global de gases de efeito estufa. Este número é superior ao do setor de transporte do mundo inteiro, e fica atrás apenas do segmento de energia.


Fonte: envolverde.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

08/07/2020 às 01:34

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1563 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey