Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/08/2011

Conservação da floresta pode gerar renda para comunidades locais

Nova metodologia desenvolvida medirá o desmatamento evitado em uma determinada área florestal e reverterá o crédito calculado em renda para a comunidade local.

Degradação florestal corresponde a aproximadamente 20% da emissão global de gases de efeito estufa.

 O projeto é um esforço conjunto de quatro instituições: a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), o Carbon Decisions International (CDI), o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam) e o Banco Mundial.

A iniciativa é uma união de duas tecnologias já existentes: a metodologia de fronteira, que mede a exploração da borda da floresta, com a metodologia de mosaico, que calcula o que acontece em espaços variados dentro do perímetro da mata. A nova metodologia – já certificada pelo Verified Carbon Standard, que verifica a confiabilidade em projetos de créditos de carbono – funciona a partir de uma fórmula que gera cenários de desmatamento com base nos dados coletados em campo (na floresta) e mede o percentual evitado de exploração da mata, transformando-o em créditos de carbono.
 
Victor Salviati, coordenador de Projetos Especiais da FAS, conta que projetos de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) também podem ter vantagem com a iniciativa, já que muitas vezes fecham acordos com as comunidades que ajudam na manutenção da área verde. A iniciativa é uma forma de repassar essa renda para os moradores locais. “Eles são os maiores agentes da conservação desse ambiente, e todo serviço ambiental tem que ser revertido para a comunidade que vive lá”, complementa Salviati.
 
A conversão dos créditos de carbono em renda para os moradores é feita a partir da intermediação do Banco Mundial, por meio do Fundo BioCarbon, que já atua em projetos semelhantes em reservas naturais em Madagascar.
 
O projeto chega em boa hora, já que a degradação florestal corresponde hoje a aproximadamente 20% da emissão global de gases de efeito estufa. Este número é superior ao do setor de transporte do mundo inteiro, e fica atrás apenas do segmento de energia.


Fonte: envolverde.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

26/01/2020 às 02:42

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1469 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey