Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/08/2011

FAO analisa Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos e segurança alimentar

A Organização para Agricultura e Alimentação (FAO) lançou uma publicação intitulada “Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos e segurança alimentar”, no qual examina o papel do PSE na agricultura, a relevância das medidas agroambientais da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCED) para os PSEs, oportunidades e brechas na sua implementação e outras áreas para investigação.

O relatório inclui estudos de caso envolvendo PSEs, como a eco-certificação no Quênia, agroflorestas de borracha na Indonésia, melhoria dos recursos hídricos no Equador, etiquetagem da paisagem na Índia, esquemas comunitários para preservação florestal e controle de sedimentos no Nepal, entre outros.

Os serviços ecossistêmicos são bens de todos, porém como realmente não pertencem a ninguém, geralmente existem muito poucos incentivos para preservá-los. Os PSEs pretendem preencher este vazio ao criar novos ambientes de mercado para serviços como seqüestro de carbono, conservação da biodiversidade, proteção dos recursos hídricos e valores da paisagem.
 
No conceito mais aceito de PSEs, Wunder (2005) diz que é uma transação voluntária onde um serviço ecossistêmico (SE) bem definido é “comprado” por no mínimo um ‘comprador’ de no mínimo um ‘fornecedor’ se, e apenas se, o último continuamente garantir a provisão do SE.
 
Apesar do setor privado estar se envolvendo cada vez mais nos esquemas de PSEs, o principal comprador ainda é o setor público, que pode arrecadar fundos em nível nacional e internacional e agir em nome da sociedade civil para preservar SEs e incentivar a sustentabilidade, demonstrou a FAO.
 
Um exemplo apresentado pelo relatório vem da África. Ao redor do Monte Quênia, atualmente várias iniciativas estão florescendo visando a restauração dos SEs e garantia da oferta de água na bacia hidrográfica.
 
Duas iniciativas de eco-certificação apoiadas pela UTZ-certified (café) e Rainforest Alliance (chá) recompensam os agricultores pela proteção ambiental através da conservação do solo e água, prevenção da poluição hídrica, proteção das margens dos rios e plantio de árvores. Aproximadamente 10% dos agricultores de café e todos os produtores de chá na bacia estão recebendo recompensas pela venda de café e chá certificados.
 


Fonte: Carbono Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/04/2019 às 10:25

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2269 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey