Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


22/07/2011

Boas oportunidades para o setor de papel e celulose

O conceito de biorrefinaria, processo que se refere à conversão da biomassa em uma gama de produtos.

Em tempos de crescente preocupação sobre o futuro dos combustíveis não- renováveis, cresce, cada vez mais, o interesse por tecnologias que visam à produção sustentável de energia e geração de combustíveis a partir de fontes renováveis. Nesse quesito, uma nova oportunidade se abre para o setor de papel de celulose. Nesse contexto, o conceito de biorrefinaria, processo que se refere à conversão da biomassa em uma gama de produtos, com pouco desperdício e mínimas emissões, desponta como como aposta promissora para as fábricas de papel e celulose. A biorrefinaria é aplicada à indústria para transformar materiais brutos de fonte renovável (bagaço de cana, bambu, palha de cereais, madeira, licor negro Kraft, etc), em produtos de maior valor agregado (energia, materiais e produtos químicos). 
 
De acordo com a revista O Papel, nos últimos 15 anos, a biorrefinaria tem se desenvolvido progressivamente no Brasil, Estados Unidos e Europa. E embora ainda não haja nenhum modelo de usina de biorrefinaria integrado a fábricas de celulose e papel, é grande o número de empresas espalhadas pelo mundo que investem em pesquisa e desenvolvimento para sua viabilidade. Entre os países que abrigam plantas piloto e unidades de demonstração a partir de matérias-primas lignocelulósicas estão Áustria, Dinamarca, França, Alemanha, Canadá e Irlanda. 
 
Recentemente, o gerente geral de tecnologia da Fibria Celulose, Ergílio Claudio da Silva Jr, disse o que aprimoramento progressivo da eficiência energética é uma tendência para futuras plantas do setor. Segundo o engenheiro químico e consultor da Eldorado Celulose e Papel, Roberto Villarroel, muito esforço já foi feito pelas empresas do ramo e a principal conquista foi obtida a partir do incremento na geração de energia por meio da queima de resíduos florestais e do licor negro Kraft. 
 
“O licor negro, composto basicamente por lignina e substâncias químicas, pode ser utilizado como combustível, gerando vapor e energia elétrica”, explica. E mais, não se pode negar que o Brasil não tem potencial para ampliar seu potencial de produção de energia elétrica paralela ao processo produtivo de celulose e papel. No Brasil, os baixos custos de produção e a disponibilidade de terras têm induzido a busca de ganhos de escala com a instalação de unidades de papel e celulose cada vez maiores. 
 
Na avaliação de Villarroel, a escala de produção das plantas nesse mercado é uma ferramenta importante para a redução dos custos de produção com ganhos de competitividade. Para se ter ideia do quanto evoluiu esse setor, há duas décadas, a capacidade padrão de uma linha de celulose era de 360.000 toneladas de por ano, hoje, esse volume é em torno de 1,5 a 1,8 milhão de toneladas/ano. Paralelo a isso, nota-se que o investimento em automação tem permitido melhorias significativas, principalmente na qualidade e estabilidade da produção de celulose e na geração de energia elétrica.
 
“Esse crescimento em escala é fundamental para a adoção de novas tecnologias de geração de eletricidade, o que possibilita o uso de caldeiras de licor negro maiores e mais eficientes, além de maior empenho na redução do consumo de energia nos processos de produtivos”, argumenta.
 
Mercado em potencial
 
A indústria papeleira não tem limitado suas pesquisas à bioenergia. O grande enfoque dos estudos atuais se dirige à busca de alternativas para desconstruir a madeira em seus principais componentes: celulose, hemiceluloses e lignina. Afinal, são eles que escondem as diversas oportunidades da biorrefinaria. E, nesse contexto, o Brasil poderá ser muito competitivo em relação aos outros países. Para se ter uma ideia, há 20 anos, o rendimento das florestas brasileira girava em torno de 25 m³/ha/ano, atualmente, este está perto de 50 m³/ha/ano e as perspectivas indicam aumentos próximos a 50% sobre num futuro próximo. No comparativo, uma floresta canadense ou finlandesa o rendimento dificilmente supera os 10 m³/ha/ano.
 
A madeira e os resíduos de madeira apresentam-se como excelentes fontes de biomassa. Enquanto não competem com a produção de alimentos, 1 hectare de floresta pode produzir 9.500 litros de etanol, enquanto que a mesma área cultivada com milho produz apenas 3.400 litros desse combustível. No caso do Brasil, as novas plantas instaladas estão preparadas para gerar eletricidade a partir da madeira, entretanto, o preço da madeira e os custos logísticos ainda são empecilho para esse mercado decolar.
 
 


Fonte: Informa Economics FNP



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/04/2019 às 03:51

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4330 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey