Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


24/06/2011

Muitas lógicas para o clima; avanço, não

E mais um encontro preparatório de 180 países para a reunião da Convenção do Clima programada para o fim do ano, na África do Sul, terminou na semana passada em Bonn sem nenhum avanço.

 Em relação à necessária redução de emissões de gases que contribuem para mudanças climáticas já surgem lógicas que começam a pregar que o caminho é o de leis nacionais, quando é indispensável um acordo global; lógicas financeiras, que se sobrepõem ao bom senso e à urgência na solução, pois o balanço de 2010 já mostra as emissões em 30,6 bilhões de toneladas anuais de carbono, muito perto do limite de 32 bilhões, que, ultrapassado, levaria o aumento da temperatura da Terra, nas próximas décadas, a superar o limite de 2 graus Celsius, com consequências muito mais graves do que já temos; e, outro caminho, a esperança de que apenas tecnologias serão capazes de encontrar a solução.
 
Diante dos impasses, haverá novo encontro no mês que vem na Alemanha e outro em Tóquio para discutir o que se fará para cumprir a promessa, não efetivada, dos países industrializados de contribuírem com US$ 100 bilhões anuais até 2020 para ajudar os países mais pobres a enfrentar os dramas do clima.
 
Na verdade, já se sabe que não haverá acordo global na África do Sul - tanto que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se afastou das negociações e prometeu, em sua recente visita ao Brasil, que, reeleito, se esforçará para que se alcance o acordo global sobre o clima na reunião Rio +20, programada para o ano que vem.
 
Em Bonn, os países mais pobres e os países-ilhas - os mais ameaçados pelos desastres climáticos - fizeram um apelo para que se consiga pelo menos prorrogar o Protocolo de Kyoto, de modo a que nações industrializadas e suas empresas possam continuar financiando projetos de redução de emissões nos demais países e descontando a diminuição em seus balanços de emissões. Mas o Japão já disse que não apoiará a prorrogação (o protocolo vence em 2012), da mesma forma que a Rússia e o Canadá - a não ser que todos os países o façam, incluindo os Estados Unidos e a China, os maiores emissores, que nem sequer homologaram o protocolo. E os Estados Unidos dizem que só apoiarão com a adesão geral, que esbarra na China e nos demais países emergentes, o Brasil incluído, pois estes entendem que a responsabilidade primeira e maior é dos industrializados.
 
Nesse cenário, começam a proliferar estudos de instituições científicas que pregam a necessidade de dar ênfase a programas tecnológicos capazes de levar a soluções. Um deles, do think tank britânico Policy Exchange, diz que a Europa precisa repensar seus caminhos e adotar novas tecnologias para reduzir emissões - inclusive a do sequestro de carbono na origem (empresas que queimam combustíveis fósseis, principalmente geradoras de energia) e sua estocagem no fundo mar ou no fundo da terra. É uma tecnologia já analisada pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, que afirma haver questões geológicas e hidrológicas ainda não respondidas, se a estocagem for em locais profundos em terra; e registrou a condenação dos especialistas em biodiversidade marinha, que apontam para um "desastre" se o caminho for o fundo do mar, já que ali, sem possibilidade de contenção, o carbono se espalharia, acidificaria as águas e devastaria a biodiversidade.
 
Já a Agência Internacional de Energia diz que é possível multiplicar por dez, até 2050, a produção de energia a partir de fontes geotérmicas - e isso significaria chegar a 3,5% da produção total de eletricidade e 3,9% do calor (hoje em 0,3% e 0,2%, respectivamente). O jornal The Guardian (15/6) "vazou" documentos que supostamente seriam do Painel do Clima e recomendariam novas estratégias, baseadas em geoengenharia. Elas incluiriam, por exemplo, a dispersão de aerossóis na atmosfera, para refletir de volta a luz solar e diminuir o aquecimento na Terra; cultivos bioengenheirados de alimentos, para mudar a cor e refletir mais a luz do Sol; dispersão de nuvens de cirros, para favorecer a dispersão da energia solar; sepultar charcos e reduzir a emissão de metano; pintura, em larga escala, de tetos, para aumentar a reflexão; "sugar" gases da atmosfera e depositá-los nos oceanos. Tudo isso foi discutido em recente conferência em Lima, no Peru. Outros cientistas propõem ainda reduzir a produção de black carbon (negro de fumo), altamente poluidor, na indústria, em fornos, no escapamento de veículos mal regulados.
 
Em contrapartida, a Agência Internacional de Energia introduz mais um complicador: a eventual redução de 50% na expansão da energia nuclear, em consequência do desastre de Fukushima, aumentará as emissões de carbono em 30% até 2050 - quando, dizem os cientistas, estas precisarão estar reduzidas em 60%, pelo menos.
 
Que fará o Brasil, que já emite mais de 2 bilhões de toneladas anuais de gases - quase 60% nos desmatamentos e queimadas, 19% na agropecuária, 15% na geração de energia, 3,6% na indústria, 1,9% nos resíduos (lixo)? São Paulo aprovou uma política estadual para reduzir emissões. E todos os Estados estão obrigados a apresentar, até o final deste mês, seus planos para controle de poluição por veículos. Mas na Amazônia as questões voltam a se complicar: em maio o desmatamento foi 72% maior que em maio de 2010; de agosto de 2010 a maio de 2011 foram 24% mais que em igual período anterior; "florestas degradadas" (exploradas e queimadas, não derrubadas), no mesmo intervalo de tempo, cresceram 363% mais que no anterior, segundo o Imazon.
 
O professor Gylvan Meira Filho, que já comandou a política nacional do clima, pensa que não haverá mesmo acordo global na África do Sul, a não ser que nas próximas reuniões se aprove um "mandato" - que ainda não há - para isso. Quanto ao Protocolo de Kyoto, se se conseguir algum avanço, será pequeno, ainda que já haja um "mercado" de carbono expressivo.

Haja esperança. 


Fonte: Washington Novaes - O Estado de S.Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/08/2019 às 15:17

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1799 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey