Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


10/05/2011

Indústria põe cada vez mais celulose no seu queijo

É o pó de celulose: pedaços minúsculos de polpa de madeira e outras fibras de plantas que servem para revestir o queijo e impedir que ele se aglomere, bloqueando a umidade.

É o pó de celulose: pedaços minúsculos de polpa de madeira e outras fibras de plantas que servem para revestir o queijo e impedir que ele se aglomere, bloqueando a umidade.

Parte de uma variedade de aditivos industriais, a celulose é cada vez mais usada pela indústria de alimentos processados, dizem produtores. Os fabricantes de alimentos o usam para engrossar e estabilizar alimentos, substituir gordura e aumentar o teor de fibras e também para diminuir a necessidade de ingredientes como óleo e farinha, que estão ficando mais caros.

Os produtos, as gomas e as fibras de celulose permitem que um cozinheiro aplique queijo no jantar sem ter que ralá-lo, e também que os fabricantes ofereçam pão branco com alto teor de fibras e sorvete light que mantém a consistência cremosa para o paladar.

Os aditivos de celulose pertencem a uma família de substâncias conhecidas como hidrocolóides, que interagem de várias maneiras com a água, às vezes criando gelatinas, por exemplo.

O alto custo de matérias-primas como farinha, açúcar e petróleo está ajudando a aumentar a popularidade desses aditivos, dizem os produtores desses ingredientes.

A demanda por celulose também está subindo por causa da popularidade crescente dos alimentos processados na China, na Índia e em outros países, e também devido às exigências das pessoas que preferem alimentos com pouca ou sem gordura, mas que mantenham a textura cremosa.

Embora alguns fabricantes de alimentos afirmem que não estão aumentando a porcentagem de celulose em seus produtos, outros estão impulsionando o teor de fibra de seus alimentos graças à celulose e outros ingredientes. As empresas podem economizar com esses aditivos, embora eles custem mais por peso que os ingredientes convencionais. A celulose dá aos alimentos "mais água, mais ar, uma sensação cremosa na boca, mas precisando menos dos outros ingredientes", e também é preciso usar apenas uma pequena quantidade, diz Niels Thestrup, vice-presidente do departamento de hidrocolóides da dinamarquesa Danisco SA. Sediada em Copenhague, a empresa fabrica ingredientes e enzimas para alimentos, produtos de limpeza e outros.

A celulose é especialmente popular porque pode ser usada de muitas maneiras nos alimentos e é relativamente barata, com uma das variedades produzidas pela Danisco custando entre US$ 5,50 e US$ 6,60 por quilo, diz Thestrup. As vendas de hidrocolóides da empresa estavam subindo entre 3% e 5% por ano na última década, mas nos últimos dois anos têm crescido entre 6% e 8%.

Até mesmo os alimentos orgânicos podem conter celulose.

A Organic Valley, empresa americana que tem produtos como laticínios e suco de laranja, usa pó de celulose originado da polpa de madeira em seus queijos ralados. A empresa gostaria de não ter de usar um ingrediente sintético, mas a celulose não tem sabor, é branca e repele a umidade, o que a torna a melhor escolha em vez de produtos como o amido de batata, diz Tripp Hughes, diretor de marketing de produto da Organic Valley.

A celulose vem em várias formas, cada uma com um uso específico. Além da celulose em pó, outras duas formas modificadas são comuns na alimentação. A celulose microcristalina é listada nos rótulos pelo nome em extenso, como MCC (em inglês) e, em alguns casos, como gel de celulose. A carboximetil celulose, ou goma de celulose, outra versão modificada, é listada como tal nos rótulos. Cada uma delas dá aos alimentos uma textura ligeiramente diferente - de gelatinosa a mais líquida - porque capturam volumes variados de água ou ar.

O pó de celulose é produzido pelo cozimento da fibra vegetal crua - geralmente madeira - em vários químicos, para separar a celulose, que depois é purificada. Versões ainda mais modificadas passam por mais processamento, como a adição de ácido para quebrar ainda mais as fibras.

Nutricionistas dizem que a celulose - que serve para dar forma às plantas - é uma fibra inofensiva que muitas vezes pode diminuir as calorias dos alimentos. Fibras insolúveis como a celulose não podem ser digeridas por humanos, portanto aumentam o volume dos alimentos sem os tornar mais calóricos.

A celulose também pode ser uma boa fonte de fibra na dieta de pessoas que não comem frutas, vegetais ou GRÃOS integrais suficientes, diz Slavin.

A Kraft Foods Inc. usa variações da celulose de algodão ou da polpa de madeira em produtos como o queijo ralado e o molho de salada. "A celulose tem propriedades únicas, o que a torna a melhor escolha para desempenhar certas funções, como adensamento, antiaglutinação e substituição de gordura", diz a porta-voz Susan Davison.

A Kraft e a Organic Valley afirmam que a celulose corresponde a menos de 1% de seus queijos ralados. Uma porta-voz da Nestlé SA diz que a empresa usa vários tipos de celulose para melhorar a textura de certos produtos.

A produtora de carne Tyson Foods Inc. usa celulose em alguns produtos pré-cozidos, para ajudar a manter o empanado ou o glacê dos produtos, mas não o usa para aumentar o volume dos alimentos, disse um porta-voz. A Kellogg Co. está usando a celulose e outras fibras, como o psyllium e o farelo de GRÃOS, para aumentar o teor de fibras em seus produtos, disse uma porta-voz.


Fonte: Portal do Agronegócio, adaptado por Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/08/2019 às 11:37

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4320 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey