Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/04/2011

Açaí é destaque em pesquisa sobre produtos florestais não madeireiros

Os produtos extraídos da floresta estão gerando renda no mercado paraense e conquistando consumidores nacionais e internacionais e o açaí está em destaque entre eles.

É o que mostra o estudo Cadeias de Comercialização de Produtos Florestais Não-Madeireiros (PFNM), desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp), com apoio do Núcleo de Altos Estudos da Amazônia (Naea/UFPA), do Ideflor e da Embrapa Amazônia Oriental. 

A pesquisa será fonte de dados para a Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect) que está reunindo informações fundamentais à formulação de políticas de apoio ao aproveitamento da biodiversidade no Pará. “Estamos reunindo documentação para a formulação de políticas nessa área para os próximos quatro anos, e o Idesp detém importantes informações sobre o assunto”, afirma o secretário adjunto da Sedect, Alberto Arruda, que esteve no Idesp em reunião com os pesquisadores. 

O estudo do Idesp considera análises socioeconômicas das cadeias de comercialização dos PFNM para as regiões de integração do Tocantins, na qual foram identificados 34 PFNM, e no Baixo Amazonas, com 63 PFNM. Coletaram-se também dados nas regiões do Guamá (31 PFNM); do Rio Caeté (35 PFNM); do Xingu (52 PFNM) e do Marajó (72 PFNM), que estão sendo analisados por pesquisadores do Instituto. 

Resultados 
Entre os produtos analisados, identificados na pesquisa, o campeão foi o açaí, da região do Tocantins, responsável pela cifra de R$ 1,8 bilhão de renda total gerada e circulada em toda a cadeia de comercialização desse produto. A produção provém tanto de açaizais nativos, quanto de áreas de manejo ou plantados. 

Ela explica que o setor que mais agrega valor é o da agroindústria de beneficiamento da polpa, com 10 empresas identificadas no Estado: Castanhal, Tomé Açu, Santa Bárbara, Marituba, Benevides e Belém. Na escala local, o setor de beneficiamento também é responsável pela valorização deste fruto, porém com centenas de pequenos estabelecimentos, os chamados “batedores” de açaí, e poucas agroindústria, que atendem à demanda da população tocantina. 

“Alguns problemas gerais identificados para o conjunto de produtos foram: armazenagem, transporte, capital de giro, investimentos para produção e aquisição de equipamentos, e treinamento nas diversas etapas da cadeia produtiva”, afirma Marli Mattos, coordenadora do Núcleo de Pesquisa Científica, Tecnológica e Inovação do Idesp, que coordena o projeto. 

Ainda sobre a região tocantina, com o estudo foi possível verificar que produtos como cacau, castanha e o palmito alcançaram os mercados nacional e internacional, mas a comercialização externa ainda é minoria entre os demais PFNM. “Isso torna a economia local dependente desses mercados, sobretudo na definição dos preços”, analisa a pesquisadora do Idesp. 

Um total de 76% de valor agregado dos produtos não madeireiros foram gerados dentro do próprio Estado. “Essa é condição essencial para maior autonomia e indução de políticas para a verticalização das cadeias”, afirma Marli. Os resultados do estudo permitem identificar possibilidades produtivas locais e regionais, gargalos tecnológicos, necessidades de investimentos, regularização e especialização dos agentes locais e regionais. A pesquisa aponta também produtos que não constam nas estatísticas oficiais.


Fonte: Governo do Pará



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/02/2019 às 06:09

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas

COLHEITA DE CHUVAS NO CAMPO


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3057 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey