Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/02/2011

Rondônia: látex é transformado em tecido ecológico

O látex é a principal atividade econômica da região há décadas. Os atuais seringueiros cresceram na floresta. “Sou filho de seringueiro, neto de soldado da borracha”, revela um seringueiro.

Machadinho d’Oeste fica a 400 quilômetros de Porto Velho. Existem doze reservas extrativistas na região. Oito delas estão ativas. Na reserva Quariquara moram 38 famílias. O dia de trabalho na floresta começa muito cedo. Os seringueiros caminham até sete quilômetros por dia na mata fechada. Eles vêm de muitas direções e têm um código sonoro para se encontrar. 

O instrumento usado no trabalho reúne uma faca e uma rapadeira. “Você limpa para o leite não sair fora do risco, é para ir direto dentro da cuia”, ensina outro seringueiro. 

Com gravetos, os seringueiros fazem o suporte para as canecas. O látex escorre até o reservatório. 

Atualmente, o tecido da floresta dá muito mais lucro do que a borracha. Em 2004, o Sebrae apoiou a criação de uma cooperativa que organizou o setor. 

A produção de borracha já foi lucrativa. Com o enfraquecimento do mercado, muita gente abandonou a atividade. Mas em Machadinho d’Oeste, interior de Rondônia, dentro da Floresta Amazônica, os seringueiros foram criativos e encontraram um novo fim para o látex. O líquido é transformado em um tecido ecologicamente correto, usado para fazer pastas, bolsas e mochilas. Mas até isso ficar pronto é preciso muito trabalho. 

A colheita acaba e é hora de transformar o látex em tecido. Na floresta, os seringueiros usam a defumação. Em um barracão fechado, a fornalha é abastecida. A fumaça sobe, aquece o ambiente. 

O látex é derramado sobre uma manta de algodão. O calor une os dois materiais em um tecido emborrachado e a fumaça ainda ajuda na coloração. O Sebrae contratou um químico que eliminou o cheiro do tecido. 

“Era um odor muito forte, característico da vulcanização da manta com a defumação com coco de babaçu. Alguns clientes achavam ruim porque quando guardavam no guarda-roupa, deixavam cheiros em outras roupas”, lembra o consultor do Sebrae Hiram Leal. 

Dona Giselda Pereira Ramos ganha R$ 700 por mês com o trabalho. Já construiu até uma casa nova. 

“Não é um luxo, mas é nossa casa de moradia. Nós temos muito orgulho disso. E isso foi gerado através do nosso trabalho com o tecido da floresta”, ressalta a seringueira. 

A outra forma de transformar o látex em tecido é com uma estufa. Um processo mais industrial, feito na sede da cooperativa dos extrativistas da floresta de Rondônia. Os seringueiros usam corantes para fazer tecidos coloridos. 

“Hoje a gente pode fazer quase todos os tipos de cores que a gente quiser”, avisa o seringueiro Dino Ferreira dos Santos.

O tecido está pronto para ser transformado em moda. A cadeia produtiva do tecido da floresta beneficia a cidade inteira. Quinze mulheres fizeram cursos de design, corte e costura. Elas produzem duzentas bolsas por mês e cada uma ganha entre R$ 15 e R$ 25 por peça pronta. 

Edna Rufino era dona de casa. Com a ajuda do Sebrae, virou uma profissional de corte e costura e já ganha R$ 250 por mês. 

“Agora é bom porque a gente já tem o dinheiro da gente”, explica a costureira. 

A cada três meses, a cooperativa lança novos modelos. As bolsas já são vendidas em lojas de vários estados. Um novo curso do Sebrae vai ensinar a substituir argolas e fechos pelo ouriço da castanha. 

“Buscar os nossos recursos existentes aqui para tornar o produto ainda mais sustentável”, revela o secretário da cooperativa Erni Santos Lima. 

A coperativa tem outra fonte de renda: vende o tecido da floresta para fábricas de São Paulo que desenvolvem produtos próprios. O Sebrae continua a buscar mercado para o tecido da floresta. O objetivo é fazer o produto ser tão popular quanto o algodão ou o linho. 

“É nossa pretensão, nos próximos dias, oferecer a uma grande franquia nacional uniformes e acessórios provenientes da utilização desse produto para os seus franqueados”, avisa o consultor Hiram Leal.


Fonte: Agência Sebrae de Notícias citado por Remade



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

25/01/2020 às 03:13

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4568 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey