Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


23/02/2011

Mercado brasileiro de papel e celulose nas últimas cinco décadas é tema de pesquisa na Esalq

As mudanças presenciadas com a reestruturação do setor de celulose e papel no Brasil, nos últimos cinqüenta anos, tiveram influência sobre o desempenho das indústrias do setor, bem como sobre seu mercado de trabalho.

"Deve-se considerar que, dentro do setor de celulose e papel, há segmentos distintos e suas estruturas e desempenhos não necessariamente tiveram evoluções iguais diante das transformações surgidas com o novo cenário marcado pela concorrência em escala global. Diante disso, faz-se necessário analisar em separado os segmentos que compõem o setor de celulose e papel e avaliar como eles se inter-relacionam e se comportam de modos distintos", afirma Adriana Estela Sanjuan Montebello, economista formada na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (USP/Esalq), que acaba defender, no programa de Pós-graduação em Economia Aplicada, a tese "Configuração, reestruturação e mercado de trabalho no setor de celulose e papel no Brasil".

Orientada pelo professor Carlos José Caetano Bacha, do Departamento de Economia, Administração e Sociologia (LES), Adriana utilizou dados do Censo Industrial do IBGE, o Relatório Estatístico da Bracelpa, a Pesquisa Industrial Anual do IBGE, a Relação Anual de Informações Sociais - RAIS e o Sistema Alice-Web do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. "Busquei entender de que modo a conduta das empresas multinacionais, as políticas governamentais e o dinamismo dos mercados doméstico e externo configuraram o setor de celulose e papel no Brasil e o seu mercado de trabalho", comenta.

Levantamento histórico 
De acordo com a pesquisa, o "Plano de Metas", executado durante o governo Juscelino Kubstichek (1956 a 1961), foi fundamental no desenvolvimento do setor no país, com ênfase ao atendimento do mercado consumidor doméstico, sem ainda considerar as vantagens competitivas existentes no Brasil para implantar fábricas voltadas para a exportação. "Nas décadas de 1970 e 1980, planos de desenvolvimento nacionais e setoriais foram implementados de modo a ampliar a produção e a exportação de celulose, enquanto a produção de papéis foi destinada em sua maior parte para abastecer o mercado interno", relata a pesquisadora. 

Segundo o estudo, nas décadas de 1990 e 2000, o setor de celulose e papel sofreu significativa reestruturação industrial com aumento das fusões e aquisições e mudanças na composição societária das empresas, bem como acusou aumento da entrada de investimentos do capital estrangeiro. "Além disso, a saída do setor público de parcelas expressivas do aparelho produtivo e, portanto, a entrada de novos agentes nos setores da economia brasileira aceleraram o processo de fusões e aquisições, principalmente no caso da indústria de celulose, mais voltada ao mercado internacional. Esses comportamentos implicaram distintas inserções das indústrias do setor de celulose e papel na Divisão Internacional do Trabalho - DIT desses produtos", avalia a economista.

Impactos da reestruturação
Após o panorama histórico, a pesquisa observou de que modo o desempenho dessas indústrias foi afetado pelas variáveis de estrutura de mercado e por variáveis de abertura comercial, considerando o período entre 1986 e 2007 e a partir dos parâmetros de margem preço-custo e lucro bruto. Os resultados indicaram que as indústrias do setor de celulose e papel estão mais vulneráveis à entrada e rivalidade de competidores potenciais, principalmente no caso de alguns segmentos que compõem as indústrias de papel e de artefatos de papel, em que aumentos na taxa de importação inibiram o aumento da lucratividade.

A pesquisa analisou ainda a dinâmica do mercado de trabalho do setor de celulose e papel no período de 1996 a 2008 diante do cenário internacional criado pela globalização econômica e da nova configuração das indústrias que compõem o setor. "Diferentemente dos trabalhos encontrados na literatura, este capítulo estimou uma equação de salário usando dados em painel, a fim de verificar quais variáveis afetaram os salários no período entre 1996 e 2007, considerando a indústria de celulose, a indústria de papéis e a indústria de artefatos de papéis separadamente", explica Adriana.

Os dados evidenciaram que o processo de globalização e reestruturação industrial trouxeram alterações significativas no mercado de trabalho do setor como um todo. Entretanto, tais mudanças e implicações ocorreram de forma diferenciada dentro do setor de celulose e papel. Enquanto o emprego cresceu na indústria de artefatos de papéis (mais voltada ao mercado doméstico e menos intensiva em capital), diminuiu na indústria de celulose (mais voltada ao mercado externo e mais intensiva em capital). 

"Essa última indústria, juntamente com a indústria de papéis, é de fluxo contínuo, exigindo maior flexibilidade de horário de trabalho, o que a leva a empregar mais trabalhadores masculinos e menos jovens do que a indústria de artefatos de papéis. A maior presença de jovens nessa última e de pessoas mais maduras na indústria de celulose explicam o maior nível de escolaridade dos trabalhadores na indústria de celulose do que na indústria de artefatos de papéis. Por sua vez, a maior escolaridade e maturidade em idade dos trabalhadores na indústria de celulose em relação à indústria de artefatos de papéis associa-se com o fato daqueles terem maiores salários médios e menor diferença de salários entre homens e mulheres em relação ao que se observa na indústria de artefatos de papéis", argumenta a autora do projeto.

Variação salarial 
Com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o trabalho também avaliou, por meio da estimativa de equações e usando dados em painel, quais variáveis afetaram os salários no período entre 1996 e 2007, considerando a indústria de celulose, a indústria de papéis e a indústria de artefatos de papéis. Constatou-se que 1% de aumento da escolaridade formal implica 2,3% de aumento de salário. O aumento de 1% na proporção de mulheres em relação aos homens reduz em 0,43% os salários. E o aumento de 1% no grau de abertura da economia reduz em 0,32% os salários.

Competitividade 
Finalmente, a tese mostrou que, apesar da saída do Estado do setor de celulose e papel, principalmente, a partir da década de 1990, com a abertura da economia, o setor caminha por meio da articulação entre o capital privado e estrangeiro, o que implicou em movimentos de reestruturação societária e produtiva nos últimos anos. "Apesar disso, é importante destacar que o Estado teve um papel decisivo no desenvolvimento do setor por meio de financiamentos e programas governamentais especiais e ainda continua participando ativamente das indústrias como um dos principais acionistas", lembra Adriana. Outro aspecto destacado pela economista é que as empresas nacionais competem, no país e no exterior, em igualdade com as grandes multinacionais. 

"Nossas empresas contam com a principal vantagem competitiva do país - a tecnologia florestal em que o desenvolvimento genético alcançado para o eucalipto permite o corte para industrialização em 7 anos, com alta produtividade. Além disso, o setor apresenta distintos papéis diante do contexto da conduta das empresas multinacionais referente aos produtos. Essa conduta permitiu que, no caso da indústria de celulose, a mesma se configurasse como grande exportadora desse produto. Já para as indústrias de papéis e de artefatos de papéis, houve o direcionamento de sua produção mais voltado ao mercado doméstico", finaliza.


Fonte: Esalq



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

11/07/2020 às 09:07

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4189 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey