Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/02/2011

IEF troca experiências em Extrema sobre pagamento de serviços ambientais

A equipe da Gerência de Incentivos Econômicos à Sustentabilidade/ Secretaria Executiva do Programa Bolsa Verde realizou visita técnica à Prefeitura Municipal de Extrema para conhecer o Projeto Conservador de Águas e identificar os aspectos dessa iniciativa que podem ser incorporados ao Programa.

O projeto, desenvolvido pelo Departamento de Serviços Urbanos e Meio Ambiente do Município, tem previsão de atuar tanto na manutenção como na recuperação da cobertura vegetal nativa nas sete sub-bacias hidrográficas de Extrema. Iniciado pelas duas com propriedades mais degradadas, as Sub-Bacias do Salto e das Posses, o Conservador de Águas realiza o pagamento por serviços ambientais com base em 100 Unidades Fiscais de Extrema (Ufex)/ha/ano da área total da propriedade, hoje por volta de R$ 187,00 e, caso necessário, adquire os insumos para o cercamento dessas áreas e a recuperação com o plantio de espécies nativas.

Com a adesão de 95 proprietários rurais, 77 deles com contratos já assinados, o Projeto busca manter as condições para o aumento da quantidade e qualidade dos recursos hídricos no Município, contribuindo, assim, para melhoria das águas que vertem para o rio Jaguari, que dá nome à Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRH) Piracicaba/Jaguari.

De acordo com Paulo Henrique Nogueira, responsável pelo Departamento de Serviços Urbanos e Meio Ambiente de Extrema, atualmente, 80% da água do Sistema Cantareira, um dos dois que abastecem o Município de São Paulo, provêm dessa UPGRH, o que aumenta a importância da conservação das águas nos quatro municípios que a compõem, Camanducaia, Extrema, Itapeva e Toledo.

Com o início da operacionalização do Programa Bolsa Verde em 2010 e sua ampliação em 2011, a Giest/SEBV intensificou suas ações para identificar as melhores práticas relacionadas aos pagamentos por serviços ambientais, como o desenvolvido em Extrema, a fim de dar continuidade na implementação da modalidade de manutenção da cobertura vegetal nativa e aprender com as experiências existentes de recuperação de áreas degradadas em projetos como esse.

Com o apoio de Paulo Nogueira e dos integrantes do Projeto Conservador de Águas, Benedito Arlindo, e da bióloga, Taís Trindade, quatro servidores do IEF visitaram algumas propriedades trabalhadas no Projeto, observaram fatores críticos para seu sucesso e discutiram alternativas para a utilização no Bolsa Verde.

As sugestões, como a importância de estabelecimento de parcerias com os agentes locais, que podem ser tanto as unidades desconcentradas do IEF (Escritórios Regionais, Núcleos/Centros Operacionais/Agências Especiais de Florestas, Pesca e Biodiversidade) como Poder Público Municipal e/ou organizações da sociedade civil organizada, serão trabalhadas e encaminhadas primeiramente para deliberação do Comitê Executivo do Programa Bolsa Verde (CEBV).

Nesse órgão colegiado, formado por membros do IEF, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), da Secretaria de Estado de Regularização Fundiária, do Instituto de Terras de Minas Gerais (Iter), da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg) e da Federação dos Trabalhadores em Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), deverá ser referendada a proposta anual para utilização dos recursos do Programa em 2011.

Após essa deliberação, caberá a aprovação pela Câmara de Proteção à Biodiversidade do Conselho Estadual de Política Ambiental (CPB/Copam), para que seja disponibilizado a versão atualizada do “Bolsa Verde – Manual de Princípios, critérios e procedimentos para a implementação da Lei Estadual 17.727, de 13 de agosto de 2008”. Esse documento será a principal referência para a apresentação de novas propostas, quando da abertura do prazo em 2011, e para a análise e deliberação pela SEBV e pelo CEBV.

Atualmente, a SEBV está analisando as propostas encaminhadas no último ano para que sejam deliberadas e pagos, no primeiro quadrimestre de 2011, os benefícios aprovados. Atualmente, o benefício pago é de R$ 200,00 por cada hectare conservado a cada ano, num prazo máximo de cinco anos, e o Programa dispõe de um orçamento  para este ano de, aproximadamente, R$ 8,5 milhões.


Fonte: IEF



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2019 às 06:02

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3037 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey