Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


08/02/2011

Babaçu produz óleo com potencial para substituir o petróleo

Rico da raiz às folhas, o babaçu serve de matéria-prima também para a fabricação de cestos, esteiras, janelas, gaiolas, entre outros.

Com incontáveis benefícios, o babaçu, fruto de uma palmeira de crescimento espontâneo abundante na Amazônia, produz um óleo que pode ter potencial energético para substituir o uso do petróleo e do diesel em uma cidade inteira. Só no município de Barreirinha (a 331 quilômetros) de Manaus, são 3 milhões de árvores da espécie, com produção de 200 quilos de frutos por planta.

Este número, segundo o agrônomo e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Luiz Antônio de Oliveira, aponta para a alternativa do uso da biodiversidade. Com o intuito de descobrir tais potenciais, além da utilização dos resíduos de madeira para produção de álcool, Oliveira submeteu, com sucesso, o projeto “Aproveitamento de resíduos de madeiras e avaliação do potencial de espécies florestais para a produção de biocombustíveis”, ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Tecnologias para a produção de Biocombustíveis no Estado do Amazonas (Biocom).

O Programa, viabilizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), destinou mais de R$260 mil em recursos para o grupo de pesquisadores, contemplados no edital 009/2009.

Rico da raiz às folhas, o babaçu serve de matéria-prima também para a fabricação de cestos, esteiras, janelas, gaiolas, entre outros. “O que mais tem na Amazônia é resíduo vegetal e de madeira. Estamos estudando as espécies que podem servir de matéria-prima para a produção de biocombustível. Usando esses micro-organismos, aproveitamos os resíduos que muitas vezes ficam como contaminantes ambientais”, destacou o pesquisador.

Em parceria com a especialista em palmeiras e coordenadora do Laboratório de Pesquisa em Botânica do Inpa, Ires Paula de Andrade Miranda, Oliveira quer oferecer ao final do projeto produtos que possam, a partir do biocombustível, gerar desde energia até o álcool volátil para a utilização no setor de cosméticos.

Caso sejam identificados o tipo e a concentração do álcool, a palmeira poderá servir para utilização em cosméticos sendo um resultado secundário do projeto que trará autossuficiência para o Amazonas, que hoje, segundo o pesquisador, importa a matéria-prima. “Não é difícil para nossa pesquisa. Podemos descobrir o tipo de álcool e trazer condições para que o produto seja fabricado aqui, evitando a importação e reduzindo os custos para praticar um preço competitivo”, avaliou.

Palmeiras

Para a pesquisadora Ires Miranda, o Programa Biocom é uma excelente oportunidade de criar situações para explorar o aproveitamento das palmeiras e gerar renda para moradores de municípios onde as espécies se desenvolvem em grande quantidade. “Fizemos um levantamento da ocorrência de palmeiras em áreas degradadas. É uma forma de evitar novos desmatamentos, já que os homens do campo podem trabalhar com essa diversidade sem precisar desflorestar novamente. A ideia é essa”, projetou.

Com aproximadamente dez anos de experiência, trabalhando com  observação da ocorrência dessas espécies em regiões de alto desmatamento, como o sul do Pará, além de estudos em Roraima, foi identificada a facilidade das palmeiras em se desenvolver nas áreas alteradas.

“Descobrimos, também, que estudiosos de grandes programas para a produção do biodiesel escolheram espécies já melhoradas e utilizadas na Europa, com boa aceitação no sudeste brasileiro e no Mato Grosso, como a soja e outras espécies introduzidas, além da cana para a produção de álcool” ressaltou.

Ires enfatiza a importância das palmeiras como potencial para produção de biocombustível em muitas comunidades, citando exemplos de trabalhos iniciais em Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus). “Contamos todas as palmeiras e percebemos maior participação do açaí, então fizemos um plano piloto e o doutor Luiz Antônio me convidou para fazer um inventário nos interiores. Já trabalhamos em vários municípios”, disse.

O foco da pesquisa é movimentar esse mercado e efetivar a inclusão social nas localidades. Caso a equipe consiga comprovar cientificamente o potencial do babaçu para produção de óleo diesel, de acordo com o doutor Luiz Antônio de Oliveira, existe a possibilidade de abastecer com essa energia se não uma cidade, mas uma vila inteira. “Se houver boa densidade de planta por hectare penso que dá para substituir totalmente o diesel, além de gerar emprego, porque terá o catador de babaçu, o intermediário para levar à termoelétrica”, projetou.


Fonte: D24am



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/09/2020 às 14:10

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


6322 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey