Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


07/02/2011

Pesquisadores afirmam que há semelhança no consumo de água entre árvores nativas e de eucalipto

Pesquisas e monitoramentos são recursos importantes para buscar clareza sobre o assunto.

O eucalipto seca o solo? Essa é uma questão que sempre tem destaque, quando o assunto é o plantio comercial dessa espécie. Para oferecer dados e informações de valor científico, pesquisas e monitoramentos são recursos importantes para buscar clareza sobre o assunto. Com o objetivo de estabelecer referências científicas para o manejo sustentável da água e promover a melhoria contínua do manejo florestal, a Veracel Celulose realiza, desde 2005, o monitoramento de duas microbacias experimentais no Extremo Sul da Bahia. Uma em área de mata nativa e outra em área de plantio de eucalipto. Os estudos apontam semelhanças entre ambas, e não validam a ideia de ressecamento do solo.

“A empresa está entre as quatro do Brasil que realizam esse tipo de monitoramento”, explicou o engenheiro florestal Arthur Vrechi. Segundo Vrechi, esse é considerado o monitoramento mais adequado para a identificação de possíveis impactos de florestas plantadas sobre recursos hídricos, pois é realizado simultaneamente em uma área de mata nativa e em outra com plantio de eucalipto. “Dessa forma, conseguimos ter parâmetros para fazer a análise da qualidade e do volume de água na microbacia com plantio de eucalipto.”

A microbacia de mata nativa que serve de parâmetro para as análises da água fica na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Estação Veracel. A microbacia abrange uma área de 180,2 hectares no município de Porto Seguro. A microbacia onde está instalada a segunda estação de monitoramento fica no projeto Peroba II, no município de Eunápolis, com 327,8 hectares. 

O resultado das análises é enviado mensalmente à Rede de Monitoramento Ambiental de Microbacias (ReMAM) - composta por 18 microbacias experimentais,que integra o Programa de Monitoramento Ambiental de Microbacias (Promab), coordenado pelo professor Walter de Paula Lima, da Universidade de São Paulo. O ReMAM gera anualmente um relatório que é apresentado à Veracel. A última versão, referente a 2008, registrou que o escoamento da água médio anual da microbacia com eucalipto foi praticamente igual ao da microbacia com mata nativa. Em relação ao monitoramento das variáveis físicas e químicas da água, a análise também demonstrou que existe semelhança entre a microbacia com floresta nativa e a floresta de eucalipto. Em termos de indicadores de qualidade da água subterrânea, o relatório registra que, nos poços piezométricos (que medem o lençol freático), os resultados mostram que praticamente não existem diferenças entre as duas microbacias.

Análises e levantamentos do Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF) e da Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS) revelam que plantações de eucalipto, manejadas adequadamente, consomem a mesma quantidade de água que as florestas nativas.

Outra informação trazida por esses estudos é que o eucalipto usa a água disponível para o seu desenvolvimento, sobretudo da camada superficial do solo. O eucalipto apresenta consumo parecido com o café e menor que o da cana-de-açucar.

Como é feito o monitoramento?

Para realizar o monitoramento, foram construídos dois vertedores (para medição de vazão). Nesses locais, foram instalados equipamentos eletrônicos (data loggers e sensores de quantidade de chuva e nível do riacho), abastecidos por placas de energia solar, onde são registradas, a cada 5 minutos, informações referentes ao volume de água do local. Um pluviômetro registra a ocorrência de chuvas. “A diferença entre a água que entra na microbacia pela chuva e o que é medido no vertedor representa a evapotranspiração, ou seja, a quantidade de água que retorna para a atmosfera por evaporação e pela transpiração da floresta e outras vegetações. Esse balanço tem sido positivo”, explicou o engenheiro florestal.

Além disso, em cada uma das duas áreas foram construídos três poços piezométricos (para medição do lençol freático), onde é medida a profundidade do lençol freático e são recolhidas amostras de água para análise em laboratório. São recolhidas amostras também da água dos vertedores. Essas amostras são levadas para o laboratório, onde são realizados 15 tipos de análises químicas da água. Segundo Vrechi, nestes três anos de monitoramento, não foi constatada nenhuma alteração significativa na qualidade e na quantidade de água na área de plantio de eucalipto.

Desde 1993, a Fibria (antiga Aracruz) realiza esse tipo de monitoramento, e os resultados também chegam a essa conclusão. Estudo semelhante foi realizado, de 2005 a 2007, pela Universidade Federal de Viçosa (MG), em uma microbacia hidrográfica com eucalipto. Esse estudo concluiu que o eucalipto não consome muita água. “É possível afirmar que ele não secou o solo na região estudada, pois o excedente de água, não utilizado pelas plantas ao longo do ano, foi utilizado para reabastecer o curso de água”, constatou o estudo.

Apesar de não terem sido registradas alterações significativas no volume e na qualidade da água nas duas microbacias monitoradas pela Veracel, Vrechi aponta que é importante a realização contínua desse monitoramento, porque mais anos de análise podem gerar resultados com maior legitimidade científica.


Fonte: Veracel



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


paulo disse:

10/08/2011 às 17:45

Fiquei satisfeito com essa informação, pois houvia sempre dizer o contrário da pesquisa, ou seja, que a cultura do Eucalipto sugava drasticamente a água do solo.
Gostaria de receber, via email ou até via correia, informações sobre a cultura do Eucalypto, bem como outras culturas de florestas plantadas.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4756 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey