Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/01/2011

Uruguai da sinal verde para nova fábrica da Stora Enso

O governo do Uruguai autorizou à instalação de uma nova fábrica de celulose nas proximidades de Colônia do Sacramento, às margens do rio da Prata.

O governo do Uruguai autorizou à instalação de uma nova fábrica de celulose nas proximidades de Colônia do Sacramento, às margens do rio da Prata. A licença ambiental prévia foi dada no início desta semana e permite à empresa Montes del Plata- uma associação da sueco-finlandesa Stora Enso e da chilena Arauco, para construir sua unidade processadora de celulose num prazo de 48 meses a partir do começo das obras.

A companhia ainda não confirmou o investimento no Uruguai e afirma que estava à espera da licença para definir seus planos. De acordo com o governo local, o investimento seria de US$ 2 bilhões e a capacidade da nova fábrica seria de 1,3 milhão de toneladas por ano. Isso representa quase 20% a mais do que a fábrica de celulose da UPM (ex-Botnia), que gerou a chamada "guerra das papeleiras" com a Argentina, resolvida em 2010.

Manifestantes de Gualeguaychú, cidade argentina na Província de Entre Ríos, bloquearam durante mais de três anos a ponte fronteiriça com o Uruguai por causa da fábrica instalada pela finlandesa Botnia do outro lado da divisa.

Além da Botnia, a espanhola Ence previa a instalação de outra fábrica no Uruguai. Devido à polêmica, a Ence desistiu do projeto e o vendeu para a joint venture entre a Stora Enso e a Arauco. Hoje a UPM, herdeira da Botnia, processa 1,1 milhão de toneladas de celulose por ano e representa 1% do PIB do país.

O novo projeto inclui, além do processamento da polpa de celulose de eucalipto, uma usina térmica para geração de energia a partir de biomassa (madeira) e um porto no rio da Prata. O porto permitirá o descarregamento de barcaças com madeira e o embarque de celulose, cuja produção será voltada para o mercado externo. O ministro uruguaio de Indústria, Energia e Mineração, Roberto Kreimerman, qualificou o projeto como um "megainvestimento" e disse que o objetivo do governo é que ele tenha "o máximo de valor agregado nacional". As autoridades locais ressaltam que as tecnologias empregadas, tanto na ex-Botnia quanto no projeto ainda em estudo, são modernas e rechaçam a acusação de que as fábricas contaminam as águas.


Fonte: Valor Econômico/Adaptado por Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/04/2019 às 03:59

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2231 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey