Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


07/12/2010

Após análise, carvão deixará de ser considerado carga perigosa em MS, segundo PRF

O SindCARV realizou nesta segunda-feira,6, o 1° Seminário do Carvão “o mito da combustão espontânea” , com o objetivo de desclassificar o carvão como carga perigosa.

O SindCARV (Sindicato das Indústrias e dos Produtores de Carvão Vegetal de Mato Grosso do Sul) realizou nesta segunda-feira,6, o 1° Seminário do Carvão “o mito da combustão espontânea” , com o objetivo de desclassificar o carvão como carga perigosa.

A Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) fundamentou uma nota técnica em março desse ano esclarecendo que o produto não é considerado perigoso para transporte. Entretanto, apenas o Rio Grande do Sul acatou a medida.

Agora, Mato Grosso do Sul pode ser o segundo estado a desclassificar o carvão como produto perigoso e de combustão espontânea. De acordo com o inspetor da PRF (Polícia Rodoviária Federal) José Roberto Bastitote, que é responsável por esse tipo de fiscalização e participou do Seminário, se for comprovado que o carvão produzido no Estado não é perigoso e nem combustão espontânea, a PRF deve acatar a norma da ANTT. “Está na legislação. Depois que o produto daqui passar pela análise e for provado, com base científica, que o carvão não apresenta risco, nós da PRF iremos desclassificar como carga perigosa e não precisará cumprir uma série de exigências”, afirma.

Durante o Seminário, o pesquisador de meio ambiente e cientista da Cientec (Fundação de Ciência e Tecnologia), Geraldo Mário Rohde, apresentou o estudo realizado no Rio Grande do Sul. Com base na pesquisa ficou comprovado que o carvão só entra em combustão em uma temperatura acima de 460° C. “Não existe nada no meio ambiente que possa oferecer essa temperatura. Para o carvão ser incendiado só mesmo com alguma ignição”, explica o pesquisador.

O carvão vegetal produzido em Mato Grosso do Sul deve ser encaminhado a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para que seja realizado os mesmos testes que no Rio Grande do Sul. Segundo o coordenador do curso de química da Universidade, Sérgio Carvalho de Araújo, a proposta será levada a reitoria da instituição e caso seja aprovada, o processo deve levar cerca de uma semana para apresentar os resultados. “Não acredito que vá ter alguma diferença da análise feita em no sul, já que a madeira apresenta a mesma composição. Pode registrar uma variação mínima do ponto de combustão, mas nada significativo”, relata o professor.

Caso o carvão seja realmente desclassificado como carga perigosa essa será mais uma conquista do SindiCarv e dos produtores. “Essa na verdade é uma luta nacional e o Sindicato como uma entidade representativa não poderia deixar de trabalhar por isso. Acho que nós conseguimos mostrar nosso objetivo e acredito que teremos mais essa conquista”, declara o presidente do SindiCarv, Marcos Brito.

Cerca de 300 pessoas acompanharam o evento através da transmissão ao vivo realizada pelo Painel Florestal.

Transporte.

Atualmente, o carvão é considerado como produto perigoso. Por isso, para fazer o transporte do produto é necessário cumprir com uma série de exigências. Algumas das obrigações é o uso de cones, placas refletoras, fitas refletoras, extintores, lanternas especiais, enxada, pá, capacete, luvas, óculos de proteção, etc.

Serviço como esse está em falta no mercado. De acordo, como o presidente do SindiCARV, além do transporte de cargas perigosas ser até 30% mais caro, a dificuldade de encontrar esse serviço está prejudicando os produtores.Existe muita burocracia para se transportar o carvão atualmente, por isso, muitas pessoas tem dificuldades para o escoamento da produção, encarecendo o custo final do produto. Na maioria das vezes o produtor tem que utilizar o dobro de caminhões para abastecer uma Siderúrgica, pelo fato de não poder contar com o caminhão de retorno, já que esse não possui os EPIs, assim como a Licença para o Transporte de Cargas Perigosas.


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

29/09/2020 às 09:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2307 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey