Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


16/11/2010

Eficácia de financiamento em projetos de baixo carbono depende de monitoramento, diz estudo da FGV

Os bancos públicos precisam desenvolver instrumentos de monitoramento para garantir a eficácia do financiamento em projetos de baixo carbono, mostra o estudo Financiamentos Públicos e Mudança do Clima.

O trabalho, divulgado na última terça (9), foi feito pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (FGV) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Segundo a pesquisadora Paula Peirão, “não faltam recursos para uma economia de baixo carbono”. Mas, ressaltou que as instituições financeiras ainda não têm instrumentos para avaliar o modo como o dinheiro é aplicado. “O grande desafio é comprovar a adicionalidade socioambiental”.

Os bancos públicos têm atualmente, de acordo com o relatório, “papel principal” no mercado de crédito brasileiro, “sendo o Banco do Brasil o líder do sistema nacional”. Essas instituições controlam, segundo o estudo, 40% das operações de crédito. Enquanto os três maiores bancos privados - Itaú-Unibanco, Bradesco e Santander - são responsáveis por 34% desse mercado, levando em consideração o período entre junho de 2009 e o mesmo mês de 2010. O cálculo exclui o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O estudo também destaca as condições privilegiadas de crédito das instituições, mas também “a oportunidade de parcerias público-privadas para a catalisação de investimentos”.O Banco do Brasil por exemplo, é citado por oferecer linhas específicas para projetos de baixo carbono, como o BB Florestal que cresceu 42% em 2009, liberando R$ 598 milhões.

Mais importante, no entanto, que os empréstimos específicos, Paula Peirão aponta a adoção de critérios para que a concessão de crédito faça parte de uma estratégia para o fomento da economia sustentável. “É importante que haja cooperação entre as instituições [financeiras] públicas e o governo para que se possa trabalhar uma agenda em comum. As instituições têm de estar de acordo com o que está sendo proposto de políticas públicas”, disse.

Outro ponto que precisa ser melhor trabalhado, na opinião da pesquisadora da FGV, é a questão da adaptação às mudanças climáticas. Segundo ela, atualmente o foco são os projetos que reduzam as emissões de carbono na atmosfera. Mas Paula Peirão lembra que também é importante financiar as iniciativas para preparar a agricultura e as zonas costeiras aos resultados das mudanças no clima.


Fonte: Agência Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/08/2019 às 18:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2682 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey